É preciso identificar os fascistas, por Wilton Moreira

É imperdoável que artistas, letrados, “bem de vida” e bem informados, apoiem um fascista como Moro. É imperdoável que apoiem uma lei de exceção como o Pacote Anti-crime.

Arte Revista Cult

É preciso identificar os fascistas, por Wilton Moreira

Os artistas globais que foram gravados num ônibus apoiando festivamente o golpe de 2016 voltaram a gravar, recentemente, um vídeo em apoio ao pacote anti-crime de Sérgio Moro:

Em 2016 podíamos dar a seu gesto golpista, que acabou levando Bolsonaro e Moro ao poder, o benefício da dúvida: eram ingênuos / ignorantes políticos ou, como Gilmar Mendes e Reinaldo Azevedo, eram direitistas que se aproveitaram da situação para tirar seus inimigos esquerdistas do poder com um “golpe” abaixo da cintura.

Se eles fossem ingênuos apolíticos à época do golpe, não eram e não são, certamente, pessoas sem acesso à informação. E o que aconteceu no país de 2106 até agora foi mais do que suficiente para saberem que Sérgio Moro e Bolsonaro são fascistas. Para saberem que o famigerado Pacote Anticrime e seu co-irmão, o Excludente de Ilicitude em operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) são projetos de lei que, se aprovados, irão legalizar o estado de exceção. Para saberem que, com a desculpa da manutenção da lei e da ordem e do combate à corrupção, o verdadeiro objetivo de Moro e Bolsonaro é instituir um governo fascista no país.

Se fossem apenas direitistas oportunistas, como Gilmar Mendes e Reinaldo Azevedo, que viram no golpe contra Dilma uma oportunidade para tirar a esquerda do poder, os artistas globais deveriam estar arrependidos, como Mendes e Azevedo estão, e lutando desesperadamente ao lado de ambos para combater o monstro fascista que ajudaram a soltar.

Leia também:  ABI repudia ataques de Bolsonaro a Patrícia Campos Mello

Mas, a esta altura do campeonato, não há mais desculpas para esses artistas globais, nem a da ingenuidade do ator de novela apolítico que se deixa seduzir pela cruzada contra a corrupção, nem a do direitista oportunista de má fé, que aceitou uma quebra democrática em troca da destituição de um governo de esquerda.

Depois de Moro ir para o colo do Governo Bolsonaro, que sua atuação como juiz ajudou a eleger, depois das revelações da Vaza Jato, depois de comprovado que a cruzada anticorrupção era, na verdade, um projeto político da pior espécie, não há mais desculpas para esses artistas.

E mais, além de serem pessoas de classe média alta, com amplas condições de buscarem informações sobre a situação do país e sobre o fascismo, estes indivíduos são artistas. Que sejam atores de novela, formados na indústria cultural: são artistas! E a arte, por mais massiva que seja, é um dos campos que oferece as melhores condições de identificar a tirania e o fascismo, pois ela é, por definição, o espaço da crítica e da liberdade.

É imperdoável que artistas, letrados, “bem de vida” e bem informados, apoiem um fascista como Moro. É imperdoável que apoiem uma lei de exceção como o Pacote Anti-crime.

Vamos colocar os pingos nos is: Bolsonaro é fascista, Moro é fascista, o Pacote Anti-crime é fascista. Os artistas desse malfadado vídeo, que usam sua projeção popular para apoiar Moro e o Pacote Anti-crime e pressionar o Congresso, estão apoiando o fascismo.

Leia também:  Cid Gomes e a coragem de enfrentamento, por Daniel Gorte-Dalmoro

Chega! É preciso traçar uma linha divisória entre os fascistas e aqueles que os combatem. Quem atravessa essa linha é fascista e assim deve ser chamado. Não há perdão para eles, ainda mais quando são artistas populares que usam sua fama como instrumento de pressão em favor das ideias e líderes fascistas.

É preciso dar nome aos bois. Cada artista que participou da gravação desse vídeo é FASCISTA.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora