Facebook continua semeando sementes da violência genocida, por Jamelle Bouie

Para colunista do The New York Times o "Facebook foi um desastre para o mundo"

Foto: Reprodução

do The New York Times 

por

Por anos, os militares de Mianmar usaram o Facebook para incitar o ódio e a violência genocida contra o grupo minoritário Rohingya, predominantemente muçulmano, causando mortes em massa e deslocamento. Demorou até 2018 para o Facebook admitir e se desculpar por sua omissão.

Dois anos depois, a plataforma está, mais uma vez, lançando as sementes da violência genocida. Desta vez, é na Etiópia, onde o recente assassinato de Hachalu Hundessa, cantor e ativista político da etnia Oromo do país, gerou violência em sua capital, Addis Abeba. Este derramamento de sangue foi, de acordo com a Vice News, “sobrecarregado pelo compartilhamento quase instantâneo e generalizado de discurso de ódio e incitação à violência no Facebook, o que aumentou a raiva das pessoas”. Isso ocorre após um incidente semelhante em 2019, onde a desinformação compartilhada no Facebook ajudou a catapultar a violência que ceifou 86 vidas na região de Oromia, na Etiópia.

O Facebook tem sido incrivelmente lucrativo para seu fundador, Mark Zuckerberg, que está entre os homens mais ricos do mundo. Mas foi um desastre para o próprio mundo, um poderoso vetor de paranóia, propaganda e teorização de conspiração, bem como repressões autoritárias e ataques cruéis à imprensa livre. Aonde quer que vá, vem o caos e a desestabilização.

A notícia da Etiópia chega ao mesmo tempo que uma reportagem sobre um memorando, escrito por Sophie Zhang, ex-cientista de dados do Facebook. Obtido pelo BuzzFeed News, o memorando mostra a recusa da empresa em tomar medidas contra governos e partidos políticos que usam contas falsas para espalhar propaganda, enganar cidadãos e influenciar eleições.

Leia também:  Ô, Lula!, por Gustavo Conde

“Nos três anos que passei no Facebook, descobri várias tentativas flagrantes de governos estrangeiros de abusar de nossa plataforma em grande escala para enganar seus próprios cidadãos, e causou notícias internacionais em várias ocasiões”, escreveu Zhang. “Eu pessoalmente tomei decisões que afetaram presidentes nacionais sem supervisão e tomei medidas para fazer valer contra tantos políticos proeminentes em todo o mundo que perdi a conta”, ela continuou.

As revelações mais perturbadoras do memorando de Zhang estão relacionadas ao fracasso do Facebook em tomar medidas rápidas contra a atividade coordenada em países como Honduras e Azerbaijão, onde líderes políticos usaram exércitos de contas falsas para atacar oponentes e minar a mídia independente. “Simplesmente não nos importamos o suficiente para detê-los”, escreveu ela. Em um comunicado, uma porta-voz do Facebook disse que “Investigamos cada questão cuidadosamente, incluindo aquelas levantadas pela Sra. Zhang, antes de agirmos ou sairmos e fazer reivindicações publicamente como uma empresa”.

O memorando de Zhang apenas adiciona ao que já sabemos sobre a facilidade com que os malfeitores usam o Facebook para promover a violência e a política autoritária. “Existem cinco maneiras principais de os regimes autoritários explorarem o Facebook e outros serviços de mídia social”, escreve Siva Vaidhyanathan, um estudioso de mídia da Universidade da Virgínia em “Mídia anti-social: como o Facebook nos desconecta e prejudica a democracia”. Eles podem “organizar contra-movimentos à sociedade civil emergente ou movimentos de protesto”, “enquadrar o debate público ao longo de seus termos”, permitir que os cidadãos “expressem reclamações sem apelo direto ou protesto” e “coordenar entre as elites para reunir apoio” Eles também podem usar as mídias sociais para ajudar na “vigilância e assédio de ativistas e jornalistas da oposição”.

Leia também:  Podemos prever como será o novo normal?, por Rogério Maestri

Vimos tal atividade em lugares ao redor do mundo. Na Rússia, os aliados de Vladimir Putin usam o Facebook e outras mídias sociais para assediar os críticos e espalhar desinformação em nome do regime. Na Índia, observa Vaidhyanathan, o Partido Bharatiya Janata de Narendra Modi usou o Facebook para “incitar paixões anti-muçulmanas e canalizar as pessoas para as urnas”, bem como “destruir a reputação de jornalistas, ativistas da sociedade civil, críticos das políticas anti-islã e inimigos políticos. ” E nas Filipinas, Rodrigo Duterte alavancou o Facebook para “assassinatos de caráter virulento, ameaças e assédio”, bem como propaganda a serviço do vigilantismo e do nacionalismo violento.

Aqui nos Estados Unidos, o Facebook tem sido o principal vetor do QAnon, uma teoria da conspiração bizantina na qual o presidente Trump luta contra uma conspiração global de pedófilos adoradores de Satanás, sugadores de força vital e seus facilitadores. Os defensores do QAnon acreditam que Trump acabará publicando uma operação que termina com a prisão, internamento e execução dessa cabala, que inclui convenientemente muitos de seus oponentes políticos democratas.

O Facebook, de acordo com a própria investigação da empresa, é o lar de milhares de grupos e páginas QAnon com milhões de membros e seguidores. Seus algoritmos de recomendação levam os usuários a se envolverem com o conteúdo QAnon, espalhando a conspiração para pessoas que, de outra forma, nunca teriam encontrado. Da mesma forma, um relatório do German Marshall Fund vincula a recente onda de conspirações de incêndio – falsas alegações de incêndio criminoso em Oregon pela antifa ou Black Lives Matter – à disseminação descontrolada de rumores e desinformação no Facebook.

Leia também:  Grupo Globo pisca para aliança Lula-Ciro, por Gustavo Conde

Zuckerberg deseja claramente que o público veja ele e sua empresa como parceiros na defesa da democracia. No início deste mês, ele anunciou medidas para limitar a desinformação relacionada às eleições, interromper a repressão aos eleitores e apoiar os esforços para ajudar os americanos a se registrar e votar. “Acredito que nossa democracia é forte o suficiente para resistir a esse desafio e oferecer uma eleição livre e justa – mesmo que leve tempo para cada voto ser contado”, escreveu Zuckerberg. “Já votamos durante pandemias globais antes. Nós podemos fazer isso.”

Ele está certo de que nossa democracia pode sobreviver a uma pandemia. Não está claro, entretanto, se ele pode sobreviver a uma plataforma otimizada para o pensamento conspiratório. Como as siderúrgicas da era industrial despejando lixo venenoso nos cursos de água, o Facebook injeta paranóia e desinformação no corpo político, o subproduto tóxico de sua busca implacável pelo lucro. Acabamos limpando o lixo. É uma questão em aberto se podemos limpar depois do Facebook.

*Jamelle Bouie se tornou colunista de opinião do New York Times em 2019. Antes disso, ele foi o principal correspondente político da revista Slate.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome