Home Editoria Cidadania Lembra-te que és mortal, ministro Moro, por Albertino Ribeiro

Lembra-te que és mortal, ministro Moro, por Albertino Ribeiro

Lembra-te que és mortal, ministro Moro, por Albertino Ribeiro

Lembra-te que és mortal, ministro Moro, por Albertino Ribeiro

O Brasil, desde 2014, tem um herói  que ficou conhecido por colocar políticos e empresários na cadeia, algo que era impensável na sociedade brasileira. Dada sua obstinação e contando com a colaboração da grande mídia, foi-lhe concedido um território “juridicamente autônomo” chamado república de Curitiba.

Com os holofotes da imprensa e apoiado por grupos de extrema direita, o juiz resolveu militar contra  o estado de direito, perseguindo políticos de esquerda e colocando em risco a nossa democracia.

Depois de realizar sua missão, o heroico juiz deixou o campo de batalha jurídico e foi nomeado ministro de estado de um governo militarizado que ele mesmo ajudou a eleger, graças a sua atuação nada discreta como cabo eleitoral.

Sergio Moro levou para o ministério da justiça a mesma megalomania que lhe era notória na Lava Jato. Não conhecendo limites, atuou novamente de forma absolutista  no caso dos hackers que supostamente teriam invadido o seu celular e passado as informações para o site Intercept Brasil.  Nesse caso, a  atuação do outrora juiz de personalidade controladora, foi de causar inveja ao Leviatã de Hobbes, pois de uma só vez, sendo ministro, agiu como investigador de polícia, procurador e também juiz, achando-se no direito de destruir provas importantes.

Agora, segundo os burburinhos que correm em nossa Pindorama, o ex-juiz resolveu alargar seus horizontes, tendo como sua próxima empreitada ser presidente da república.

Não existe nenhuma novidade nisso, pois é um caminho que ele mesmo havia traçado. O grande problema é que uma democracia não combina com um presidente que gosta de acumular  funções de juiz , procurador e delegado de polícia.

A sabedoria dos antigos tem muito a nos ensinar, inclusive, nesse caso. Na Roma antiga, os generais  que voltavam vitoriosos das batalhas eram recebidos como grandes heróis. O ritual era de tão alta honraria que havia o risco do militar  tornar-se uma ameaça para a democracia. Sendo assim, era colocado ao lado do general um escravo que a cada 500 metros lhe dizia: “Lembra-te que és mortal”.

Moro, “Lembra-te que és mortal”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 COMMENT

  1. A população negra é a prova viva dos crimes e horrores da escravidão, e a sociedade brasileira vem há mais de século fazendo queima de arquivo. Começou com Rui Barbosa.

Comments are closed.

Sair da versão mobile