Mãe, para! Para de me dar opções ok? – Sobre capitalismo, liberdade e educação, por Rita Almeida

Mãe, para! Para de me dar opções ok? – Sobre capitalismo, liberdade e educação

por Rita Almeida

Estava eu comprando casaco com minha filha de onze anos. Fui pegando, nos cabides da loja de departamento em que estávamos, as várias opções possíveis e entregando a ela, que ali mesmo, no meio da loja, foi experimentando a fim de escolher. Num determinado momento ela diz em tom de desespero:

– Mãe, para! Para de me dar opções ok? Não dá pra escolher com tantas opções!

Percebi imediatamente o que minha filhota tinha compreendido do alto dos seus parcos onze anos: ampliar o leque de opções de escolha não é, necessariamente, uma experiência satisfatória, ao contrário, pode vir acompanhada de um incômodo, uma impossibilidade angustiante.

Me lembrei, então, de um livro que li recentemente chamado: O Fim do Homem Soviético. Nele, a autora, Svetlana Aleksievitch, recolhe depoimentos de centenas de homens e mulheres que experienciaram o fim da União Soviética, com a passagem do regime comunista para o capitalista. O que mais me chamou a atenção nos depoimentos foi que, na maior parte deles, a promessa inicial de liberdade da Perestroika, foi vivida, num segundo momento, com frustração e angústia. A esmagadora maioria dos entrevistados se queixa que a liberdade que lhes foi dada com o capitalismo, não foi a que esperavam ou pela qual lutaram. O que eles esperavam como experiência de liberdade era uma ausência de medo, mas, o que tiveram, na verdade, foram apenas mais opções de mercadorias para consumirem. Um dos entrevistados de Svetlana faz um questionamento que ilustra bem isso, e que me pareceu o que minha filha marca com sua intervenção ao meu ato de entupi-la de opções. Ele pergunta: “Uma pessoa que escolhe numa loja entre cem variedades de salame é mais livre do que a pessoa que escolhe entre dez variedades?”

O livro todo de Svetlana é um primor. Recomendo muitíssimo! Porque nos faz refletir sobre o conceito de liberdade que está para nós, que nascemos e vivemos sob a cultura capitalista. Lacan afirma que no comando do discurso capitalista está o consumidor – é ele quem tem sempre razão. Assim sendo, é compreensível que, sob o regime capitalista, nosso fetiche seja comprar; nossa relação privilegiada se dê com os objetos-mercadoria (mesmo que isso signifique transformar tudo, inclusive pessoas, em mercadorias); e nosso conceito de liberdade, portanto, tenha relação direta com a ampliação do acesso a tais mercadorias. Em última análise, liberdade para nós, é sinônimo de consumo e dinheiro.

E é isso, exatamente, que a maioria dos entrevistados de Svetlana denuncia, afinal, eles esperavam outro tipo de liberdade, uma liberdade que tivesse mais relação com a cultura; com ideias e palavras. Entretanto, para o espanto e angústia de muitos, o que o capitalismo trouxe foi tão somente a ilusória liberdade para escolher mercadorias o que, no final das contas, apenas os aprisionou ao imperativo do consumo.

Lendo todo o livro é possível entender o quanto o conceito de liberdade é subjetivo, e do quanto ele é, para nós, pervertido pela lógica capitalista. Mas, o mais chocante para mim foi perceber que democracia não tem, necessariamente, nenhuma relação direta com a liberdade. Badiou tem razão quando diz que a democracia que vemos hoje se tornou apenas uma mascarada, um semblante para o capitalismo contemporâneo. Nossa democracia se tornou apenas via de acesso a um maior número de possibilidades, lugares e subjetividades para serem consumidas, e que fazemos consumindo nossa possibilidade de vida. Fora do consumo não somos cidadãos, nessa democracia que inventamos.

Ao escrever este texto, quis muito, num primeiro momento, que minha criança pudesse lê-lo a ponto de compreender a importância da sua conclusão na loja de departamentos. Mas, depois percebi o tamanho da minha arrogância, afinal, ela já entendeu tudo. Ela entendeu o quanto liberdade é um conceito subjetivo, a ponto de saber que reduzir as opções de escolha pode significar se libertar da pressão de ter que escolher. Ela entendeu que o tempo que ela gasta consumindo é tempo precioso, tempo que lhe roubam de vida e daquilo que realmente importa. E, sobretudo, ela entendeu que minha função de mãe/educadora é sim, muitas vezes, poupá-la do insuportável que é não ter nenhuma referência, nenhuma limitação. Ela entendeu que limitar não é necessariamente impedir, ao contrário, pode ser também tornar possível, viabilizar, tornar suportável.

Há uma corrente de pensamento no campo da educação (formal ou não) muito em voga ultimamente, que acredita que tanto melhor é uma educação quanto maior for o número de possibilidades que ela abrir aos educandos. Trazendo o discurso capitalista para nossa reflexão, a educação funcionaria como uma espécie de prateleira de mercadorias onde o educando poderá, dentro de um número infinito de possibilidades, escolher o que quiser, incluindo sua própria categoria subjetiva. Seguindo esse raciocínio, quanto menos “castradora” uma educação mais satisfatória e rica ela seria. Quanto maior o número de possibilidades ofertadas, especialmente às crianças, melhor para elas.

Entretanto, o que vemos é exatamente o contrário, diante de tantas opções ofertadas hoje em dia, temos crianças cada vez mais dispersas, desatentas, distraídas e desinteressadas, muitas delas frequentando categorias psiquiátricas para nomear e medicalizar sua instabilidade emocional, sua falta de atenção e sua incapacidade para lidar com limites e frustrações. Limites que nós não damos e que esperamos que elas encontrem por si só, sem entender o quão trágico e angustiante isso pode ser para elas. Se continuarmos perseguindo tal ideal educativo de não impor limites para nossas crianças, imaginando que isso seria sempre traumático, chegaremos a uma hipótese surreal onde elas nascerão e não as ensinaremos a falar nossa língua, afinal, elas poderão querer escolher outra língua, uma outra nacionalidade ou uma outra cultura. A língua materna é um bom exemplo para o que eu estou tentando dizer: ela nos limita sim a um vocabulário e um modo de dizer específicos, mas também é ela que nos possibilita, inclusive, a aprender outra língua.

Mas o grito de minha pequena: “Mãe, para! Para de me dar opções ok?” também é o grito de muitas crianças como ela, pedindo desesperadamente que as ajudemos na sua difícil tarefa de apreender este mundo. Nesse sentido, impor limites ao que é ofertado às nossas crianças, reduzir para elas o número de “mercadorias na prateleira”, é sim, possibilitar que elas sejam capazes de escolher. A princípio, ter duas opções pode ser melhor do que ter vinte, já que vinte opções pode significar não conseguir escolher nada e mergulhar no caos e na produção de sintomas.

É importante que se diga, portanto, que o ideal educativo de hoje, travestido de moderno, possibilitador e livre de traumas, pode ser apenas o imperativo capitalista atuando com toda a sua perversidade: Consuma! Não se imponha limites para consumir! Mas que bom que tenho uma filha pra me lembrar disso! Provavelmente por que ensinei a ela, meio sem saber que ensinei.

Ah! E quanto às compras dei à minha criança três opções de escolha de casaco, não ofereci outra loja para ir, e disse a ela qual deles eu tinha gostado mais, dando a ela a possibilidade de acolher ou rejeitar a minha sugestão. Já ela aceitou minha opinião dessa vez. Mas eu sei que é por pouco tempo (risos).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome