Medidas de Temer abastecem caos, por Orlando Silva

Medidas de Temer abastecem caos

por Orlando Silva

O pacote de Michel Temer para debelar a crise dos combustíveis é ineficaz e gera mais insegurança no Brasil. Os decretos e as sete medidas provisórias apresentadas, que serão analisadas pelo Congresso Nacional neste mês, não enfrentam a causa central do problema: a atual política de preços da Petrobras.

É difícil garantir que as MPs serão aprovadas no Plenário, tendo em vista que interferem no pacto federativo e atingem fortemente setores da economia neste momento de crise sem precedentes no país. A revogação de estímulos à indústria química, por exemplo, gerará a perda de empregos num setor estratégico que emprega 2 milhões de trabalhadores, sendo 60 mil apenas no ABC Paulista e 14 mil no Polo Petroquímico de Cubatão.

Após mostrar incompetência diante da crise que gerou enormes prejuízos econômicos e sociais ao Brasil, o presidente ilegítimo novamente erra ao prever cortes em ministérios essenciais para compensar a redução do preço do diesel e efetivar o acordo com os caminhoneiros.

A MP 839/18 é uma sucessão de absurdos. A Bancada do PCdoB apresentou 21 emendas supressivas para tentar impedir mais esse desmonte. A proposta enxuga pelo menos R$ 2,3 bilhões nas áreas sociais, de segurança e infraestrutura. Desse montante, R$ 820 milhões foram retirados da Ciência e Tecnologia; R$ 179,6 milhões da Saúde; R$ 378 milhões dos Transportes e R$ 150 milhões dos recursos sob supervisão do Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior (FIES). Na Seguridade, haverá R$ 225 milhões a menos.

Leia também:  Seria a perspectiva Lula-Livre simples modulação do golpe?, por Armando Coelho Neto

A solução de Temer foi a pior saída possível e vira combustível para a crise que pode retornar em escala mais ampla, mobilizando de forma generalizada a sociedade. A decisão de fazer subsídio à Petrobras e manter a política de preços da empresa é equivocada e acabará piorando a situação que já e grave.

Os brasileiros não ganham salário em dólar. O Brasil é um país produtor de petróleo, tendo capacidade de refino e produção de combustível que sequer está sendo utilizada plenamente. Aliás, deixamos de ser exportadores para importar esse insumo fundamental na economia. Não tem sentido dolarizar os preços, o que afeta duramente a vida dos cidadãos, porque nós produzimos boa parte da gasolina consumida.

A Petrobras não pode servir unicamente aos seus acionistas da Bolsa de Valores de Nova Iorque. A estatal tem de ser um instrumento de desenvolvimento nacional e atender aos interesses do país e do povo brasileiro. Há cinco ou 10 anos, as famílias conseguiam sustentar os preços da gasolina, do etanol, do gás de cozinha e do diesel. Não é razoável aumentar o custo de vida das pessoas em meio a esse desemprego crescente.

É fundamental, portanto, rever a política de preços da estatal petrolífera que tem como único objetivo gerar lucros exorbitantes para grandes investidores e rentistas, gerando perdas inestimáveis para a população brasileira. O PCdoB lutará para reverter essa situação. A formação do preço dos combustíveis deve levar em conta os fatores de produção no Brasil e não variações do câmbio, o acabou gerando esse caos nacional.

*Líder do PCdoB na Câmara e deputado federal por São Paulo.

2 comentários

  1. Sempre comentamos muito mal

    Sempre comentamos muito mal sobre o golpista presidente.

    Acredito que estamos sendo injustos com ele. Nem o mais otimista dos analistas poderia prever que em menos de 2 anos a esquerda pudesse se reerguer com a força que tem hoje e os golpistas e seus apoiadores estivessem choramingando votos por aí.

    Tudo isso é obra dele. Ninguém tem a força política que esse homem tem. É um verdadeiro destruidor de votos. Onde passa e onde apoia o voto míngua.

    Viva Temer!

  2. A ‘intevenção militar’

    A greve dos ‘caminhoneiros’, como é tratado a paralisação promovida pelos donos de frota, mostra muito mais do que parece. Primeiro é um movimento muito forte que surgiu contrário a política econômica que favorece unicamente o setor financeiro. O golpismo está dividido, os pequenos e médios proprietários descobriram que vestiam  roupinha de pato e estão sendo tratados como tal.

    O segundo ponto é o pedido de ‘intervenção militar’, e nada como o tabelamento do frete e o subsídio do diesel para mostrar que estão realmente saudosos do período militar. Nada como um tabelamento de preços e subsídios para caracterizar a política econômica do período militar, tudo era tabelado e na maioria das vezes subsidiado, gasolina, diesel, alcool, gás de cozinha, o pão de 50gr, o leite o dolar, tudo tudo. Não entendo como a inflação não baixava dos 30%.

    Isto não cabe no nosso ideário liberal conduzido por notórios incompetentes do setor bancário. Aliás parece mais uma seita de aloprados repetindo mantras do que realmente economistas. Como consequência a conta é transferida para quem sempre pagou, ou alguém acha que os 6 trilhardários, que ganham mais do que 100 milhões de brasileiros vão pagar alguma coisa. Nunca pagaram e não são responsáveis por 50% dos impostos como os ganhos  poderiam sugerir, são os 100 milhões de miseráveis são os responsárveis por quase 75% dos impostos.

    Outro fato é que o movimento explodiu depois que Lula foi preso, acho que perceberam que não ia ter diálogo, tinha que ser na força. Só que agora prejudicam os outros pequenos e médios. Não me parece que haja alguma força política capaz deste diálogo. Os sindicatos patronais viraram aparelhos de determinados grupos que não representam nada.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome