O que o edy do Pinochet tem a ver com as calças do Bolsonaro?, por Beatrice Papillon

O que o edy do Pinochet tem a ver com as calças do Bolsonaro?

por Beatrice Papillon

As pessoas que estão compartilhando fofocas sobre um suposto romance do Carlos Bolsonaro com o primo estão esperando o que para entender que isso é muito estúpido? Querem ofendê-lo? Atingir o pai com o “defeito” do filho? Estão competindo pra ver quem é mais quinta série? Ou resolveram jogar fora a máscara de defensores da diversidade pra mostrar que no fundo vocês também não gostam de viado e se ele for mesmo gay deve ser escrachado publicamente?

Não estou defendendo a privacidade do cara, a quem eu também considero repugnante como pessoa pública. Mas não pode ser mais embaraçoso ver companheiros autoproclamados “de esquerda” nessa fofoca! E não só por não haver coisa mais fascista do que tirar alguém do armário à força (quem quer que seja), mas principalmente pelo que significa toda essa insinuação. Um cara que propaga ideias nazistas virar alvo de investigação online sobre uma possível homossexualidade? Onde querem chegar com isso?

Exemplifico com uma notícia que oportunamente coincide com esse fuxico que está rolando no Brasil: foi anunciada a publicação de um livro que reunirá supostas cartas trocadas entre Augusto Pinochet, o ditador chileno, com o senador e ideólogo de direita Jaime Guzman. O livro “denuncia” que ambos teriam vivido um romance. Os trechos divulgados das cartas são de cair o queixo. “Torturaria comunistas só para ver-te sorrir”, “Mi Hitler criollo”, “Logo nos veremos e será como um tiro na cabeça” “Com muito afeto, seu Ditador”.
Pessoas “de esquerda” aqui no Brasil (muitas públicas, inclusive) se apressaram em compartilhar a notícia com comentários de psicologismo leigo sobre a relação entre a sexualidade reprimida e a violência sanguinária do maior genocida das ditaduras latino americanas do século XX. Sério, gente? Ele derramou rios de sangue só porque não gozou gostoso? Conte-me mais…

Leia também:  Ouvir as mães que choram, por Mário Lima Jr.

Pergunto: a que serve historicamente comprovar-se a homossexualidade em um homem desses, senão eximir de responsabilidade todas as forças políticas e sociais que o sustentaram? Não foi então por pressão das elites econômicas chilenas, dos grandes empresários e da igreja que derrubou-se o governo popular de Salvador Allende? Não foi pela continuidade da Operação Condor sobre as Américas que os EUA enviaram seus aviões para bombardear o Palácio La Moneda com o presidente dentro? Não foi sob a desculpa da “ameaça vermelha” que o Chile impediu o avanço de políticas sociais? Não foi por ódio aos pobres? Pela exploração do cobre e do salitre? Pelo alinhamento ao imperialismo norte americano?
Digam então a uma mulher cujo filho tenha sido estripado e jogado de um avião no meio do oceano que na verdade o problema é que o Pinochet queria dar pro coleguinha e não rolou! Convençam a História de que as mais de 80 mil pessoas presas, torturadas e/ou mortas o foram graças aos problemas sexuais de um único homem. Então as mulheres estupradas, crianças desaparecidas, fome, miséria, a entrega de riquezas naturais e a destruição nacional entram na conta do trauma sexual da maricona? Me poupem!

Pode ser, eventualmente, que Pinochet fosse homossexual. E isto pode, sim, ser relevante para estudos psicossociais que relacionem repressão sexual à violência. Ganha a ciência, é verdade. Mas essa discussão não equaciona os fatos políticos para a solucionar a revolução que urge. Só desvirtua e subverte lógicas.

No campo da oposição política, agora a esquerda também é fiscal de fiofó? Sermos moralistas não é só vergonhoso e contraditório, mas estrategicamente burro. Porque o que sustenta esse projeto insustentável que os Bolsonaro apresentam é o discurso moral. Sem isso eles não tem nenhuma força. Os liberais econômicos, sozinhos, não elegem mais ninguém. Por isso a direita não investiu no Amoedo e o Alckmin, coitado, deu com os burros n’água. O negócio é o moralismo!

Leia também:  Gestão Bolsonaro 'é um show de besteiras', diz general Santos Cruz

Estamos hoje no Brasil, sob a ameaça desse grupo conservador que instalou-se no poder com expressiva votação de parcela do nosso povo graças ao discurso da moral. Ou vocês acham que o currículo do Paulo Guedes teve mais influência junto ao eleitorado do que a mamadeira de piroca do whatsapp? Os eleitores abraçaram sem constrangimentos a causa do ódio aos LGBTI’s que a família Bolsonaro vendeu. Enquanto fala-se sobre Damares ser uma “cortina de fumaça” para camuflar os já aparentes indícios de corrupção e autoritarismo, a mim evidencia-se que o Delinquente da República está entregando o que prometeu: aos eleitores, a exclusão dos LGBTIs e o porte de armas, e aos patrocinadores, a flexibilização do Estado para explorações e massacre. Calculem a equação que resultará disso.

Todos sabem, inclusive muitos eleitores do Bolsonaro já suspeitam, que esse governo é uma desgraça para o país e para o povo. Mas ele tende a se manter no poder com tranquilidade enquanto for capaz de manipular o medo irracional, quase supersticioso, da ameaça imoralíssima que vem da esquerda. Damares tem papel fundamental na manutenção de Bolsonaro no Planalto. Parem de ajuda-la! Deixem o rabo do Carlucho dentro das cuecas e cuidemos de descobrir como combater esse governo assumidamente evangélico fundamentalista com inteligência.

Precisamos estar fortes, como diz a canção, mas precisamos também, e muito, estarmos atentos!

Salvador, 17/01/2019

 

 

20 comentários

  1. Não apenas coisa de guri da 5ª série, como frisa a autora.

    Parece um pouco com os torcedores de futebol que gritam bicha a cada vez que o goleiro do time adversãrio vai cobrar o tiro de meta ou algo parecido. Fiscais de fiofó alheio é dose. Essa história de gritar bicha pra goleiro ainda se usa muito em SP. Alguns paulistas também devem ter uma questão muito mal resolvida. Para encerrar: hoje em dia é 5º ano. 5ª Série é coisa de quem já virou o cabo da boa esperança ou está perto de tal, como é o meu caso.

  2. É o que precisávamos….

    Realmente, o que a gente precisa é uma esquerda classe média intelectualizada de Estocolmo pra virar o jogo….

    Só falta imarcar uma audiência com o Bolsocorno Filho pra pedir desculpas em nome de todos.

    Parabéns!

  3. Moralismo

    “Porque o que sustenta esse projeto insustentável que os Bolsonaro apresentam é o discurso moral. Sem isso eles não tem nenhuma força.”

    “Estamos hoje no Brasil, sob a ameaça desse grupo conservador que instalou-se no poder com expressiva votação de parcela do nosso povo graças ao discurso da moral.”

    “Os eleitores abraçaram sem constrangimentos a causa do ódio aos LGBTI’s que a família Bolsonaro vendeu.”

    “Mas ele tende a se manter no poder com tranquilidade enquanto for capaz de manipular o medo irracional, quase supersticioso, da ameaça imoralíssima que vem da esquerda.”

    A questão é exatamente essa, um presidente que diz que ter filho gay é falta de porrada, merece ser confrontado com o fato de “supostamente” ter um filho gay.

    É óbvio que não é só o moralismo que sustenta esse governo, a extrema direita maís retrograda está por trás disso. É claro que o currículo do Paulo guedes  não atraiu mais eleitores do que o falso moralismo.

    Mas esse falso moralismo precisa ser mostrado.

    Por isso isso tem que ser apresentado, assim como a promoção do filho do Gen. no BB. O cara pode ser competente, mas o Pres. do BB descobriu isso no dia da posse? No meio de milhares de funcionários? Sem ter trabalhado com ele por, sei lá, 6 meses ou 1 ano?

    Esse falso moralismo tem que ser mostrado sim. Esse falso moralismo foi o que mais trouxe votos ao Bolsonaro. E precisa ser escancarado.

  4. Hipocrisia

    Mas as postagens que eu tenho visto não criticam a suposta homossexualidade dele, mas sim a hipocria da família.

  5. Sem Tréguas e Titubeios, o Problema não é o Filho, é o Pai.

    Quando meu filho contou-me a ‘novidade’, antes de questiona-la veraz ou não, minha reação imediata foi deixar claro que pouco importava as tendências afetivas e sexuais do filho ‘Zero Dois’ de Bolsonazi, do dono da padaria da esquina ou do filho do padre da paróquia, dado que pareceu-me a estória, que Bolsonazi estava ligado a algo errado, por ele condenado durante toda sua vida pública e com extensa exploração na campanha em que foi eleito presidente, após a justiça, a midia e a classe dominante, impedirem Lula, o cabra marcado para ser preso a fórceps, de concorrer.

    Porém não estava ligado a algo errado, daí estranha-la, pois sendo veraz, a estória tem que ser abordada sim, mas não pela tendência afetiva e sexual do filho, que não representa absolutamente nada de errado, muito pelo contrário, como espelho revela os verdadeiros adoentados sociais e falsos moralistas, esses sim, incluso Bolsonazi pai, devem receber questionamentos pelas práticas e manifestações hostis contra tal liberdade individual existente na sociedade, inclusive entre os seus consanguíneos. 

    Se caso, tem que perguntar sim, mas o que acha de ter um filho normal, como muitos ‘pais de família’ e ‘gente de bem’, vacilões, que conforme a ótica dos fundamentalistas que o seguem e até compõem seu governo, trata-se de um anormal, ou também mantém-se junto a esses, considerando, inclusive o filho ‘Zero Dois’, anormal?

    É por aí!

    Bolsonazi não tem algo errado com o comportamento afetivo sexual de um filho, tem de fato, uma penca de outros ‘algos errados’ consigo e com os filhos, e aí é que mora o perigo, que deve ser combatido sem tréguas, titubeios ou vacilos.      

  6. É se fosse o filho do Lula?
    Como seria a reação dos eleitores do Bozo? Com certeza a internet estaria com milhões de charges ridicularizando o filho do Lula, a questão não é que o 02 faz de seu fiofó, e o do que foi pregado na campanha contra as pessoas de diversidade sexual, que é extremamente repugnante.

  7. A inconsistência do discurso de Bolsonaro e a realidade.

    A inconsistência do discurso de Bolsonaro e a realidade é uma questão central no momento. E quando digo isto, eu falo de todo a retórica ideológica deste governo e digo, em todos os níveis de governo que é inconsistente com a realidade mas  tem consequências reais na vida de cada cidadão. O discurso pseudo moral manifestamente  retrógrado e conservador, quanto a praticamente tudo é sempre contraditório e anticivilizatório. Apontar a contradição entre o discurso e a realidade  faz parte do debate.  Mas para demonstrar isto  como Beatrice nos mostra, não é preciso tornar inconsistente o próprio discurso. Se houver ou não a contradição entre o discurso e e as opções de vida do  filho,devem ser debitadas na conta da falsidade do discurso e não na opção de vida do filho. Nossos problemas  não tem nada a ver com as opçoes de vida do filho,mas  sim com o  discurso e ações  deste governo que querem  definir e controlar as opções de vida de todos os indivíduos. E a inconsistência deste discurso com a realidade está na letra:

    “O que será que será,  o que não tem controle nem nunca terá ” 

    aquilo sobre o qual não se tem  nem se deve ter um juizo

     

    Mas existe uma linha tênue entre esta cŕitica   e a manifestação do próprio preconceito. Quantas análises sobre o racismo e as cotas,machismo e feminismo  ou sobre  sionismo, ou islamismo não ultrapassam estas linhas e reafirmam o racismo, o machismo a misoginia ou  o antisemitismo seja contra judeus ou muçulmanos e outros tantos preconceitos.

  8. gostei do texto,

    gostei do texto, principalmemnte esta parte que explica a infamia em que vivemos sob esse estado de exceção:

    “o que sustenta esse projeto insustentável que os Bolsonaro apresentam é o discurso moral. Sem isso eles não tem nenhuma força. Os liberais econômicos, sozinhos, não elegem mais ninguém. Por isso a direita não investiu no Amoedo e o Alckmin, coitado, deu com os burros n’água. O negócio é o moralismo!”

  9. Ser ou não ser. E dai!

    Se é fofoca, fuxico, lero-lero, so fiquei sabendo agora, através do GGN 🙂 Concordo que o caso vai além da questão homossexual ou heterossexual. Que aqui para nos, não muda nada sobre a essência de uma pessoa. Se Pinochet era homossexual, acho bom sabermos. Isso — talvez — possa explicar algumas coisas no seu autoritarismo. Se o bolso-filho for também seria bom para calar a boca de muita gente nesse governo, a começar por sua propria familia. 

  10. Tô de saco cheio … mas cheio mesmo …

    Com esse “politicamente correto”. Foi assim que extirparam Dilma do poder sem dó. Mentindo, caluniando.. gozando do câncer dela! Foi assim que puseram o “Nine”, o cachaceiro, o anarfa na cadeia. Pra morrer lá, fodido… Desmascarado. É ladrão e pronto! Nós continuamos “bom mocinhos”, “republicanos”.. gente bacana que discute política civilizadamente… Sem olhar o rabo alheio. O rabo deles, é claro!  Bom, eles, daqui a 4 anos conseguem 80 milhões de votos…. Contiuemos bonzinhos. “Não falem disso. Não falem daquilo. Olhem só pros seus rabos”. O “rabo deles” vai bem obrigado. Assim, seremos dizimados como formigas saúvas no laranjal. Minha pergunta: não dá para gente, as vezes, ser ruinzinhos.. FDPs… fofoqueiros etc.. Só de vez em quando?

  11.   O texto se baseia em certo

      O texto se baseia em certo tipo de opinião que, se entendi, liga homossexualidade à violência.

      Não acompanhei o assunto de perto, o que não me impede de tecer alguns comentários.

      1) Parece-me que a descoberta de que moralistas – em geral anti-LGBT – são eles próprios LGBT é algo positivo para todos. Ora, o discurso em geral é baseado na “imoralidade” homossexual. Desacreditar os difamadores é algo negativo?

      2) O preconceito é ainda muito forte. Contra o preconceito me parece positivo demonstrar que homossexual pode ser seu parente querido, seu amigo ou mesmo você. E não há nada de errado nisso.

      3) Ilustro meu ponto forçando uma hipótese. Imaginemos se, lá pelos idos de 1937, fosse demonstrado de forma inegável que Hitler era judeu. Quero crer que o Holocausto não teria acontecido, uma vez derrubadas as odiosas e falsas premissas de exclusão e desumanização.

     4) Enfim, quanto a Carlos Bolsonaro acho que tal revelação seria positiva. Imagino que uma proporção maior dos fanáticos pela família Bozo entenderia que ser gay é algo normal, não é um problema, e algo a ser aceito e respeitado.

     

      Quanto a tentativas de explicar Pinochet por uma suposta vida mal-resolvida, concordo com o autor. Equivale a desculpar todo um estado de coisas por meio do “estigma”. É um perde-perde para quem realmente se preocupa com o respeito a todos, ainda mais por ser (assim parece) uma mentira.

  12. O “romance” homo de Pinochet

    A história foi retirada acriticamente de uma publicação humorística.

    Incrível a ingenuidade da esquerda não ser capaz de reconhecer uma escrachada ironia de um suposto “furo de reportagem”.

    O site o qual a publicação humorística foi feita se enconta no link abaixo:

    http://www.gamba.cl/2015/12/escandalo-libro-revela-cartas-de-amor-homosexual-entre-pinochet-y-jaime-guzman/

    Quanto à outra história, envolvendo parentes de Bolsonaro, desconheço as fontes. Se verdade for, o único interese seria o de mostrar as contradições daquela família.  Fora isso, o resto é lixo.

  13. Tem cheiro de fogo “amigo”.

    Veio de gente próxima, com intimidade e conhecimento do clã. Só para lembrar que o “garoto” andou pela equipe de transição, chegou a ser cotado para cargo, mas aprontou e comprou inimizades, que o levaram ao isolamento por incompatibilidades com demais participantes. A solução foi se afastar e deixar lá no Planalto o priminho “confidente” como informante e moleque dos seus reacados, que pelo jeito, também é presença incômoda para os adversários do vereador na equipe. Os fatos:

    “Menino ficou chateadinho”, diz deputado eleito sobre Carlos Bolsonaro

    => https://www.metropoles.com/m-confirma/menino-ficou-chateadinho-diz-deputado-eleito-sobre-carlos-bolsonaro

    Filho de Bolsonaro critica membro da transição.

    => https://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br/2018/11/07/filho-de-bolsonaro-critica-membro-da-transicao/ 

    Jair Bolsonaro nega que o filho Carlos terá cargo no governo federal

    => https://www.acritica.com/channels/cotidiano/news/jair-bolsonaro-nega-que-o-filho-carlos-tera-cargo-no-governo-federal

  14. Ele mora com esse rapaz a 15
    Ele mora com esse rapaz a 15 anos, inclusive tem fotos dos dois mais o Bolsonaro em viagens e etc, então se for gay a família toda sabe, talvez ele só não tava afim de assumir e o pai não quis tirar ele do armário a força, o que eu acho respeitoso por parte dele, inclusive isso poderia ter sido usado em campanha para “limpar” a imagem do bolso e não foi exposto, agora a esquerda zoar do rapaz, fazer meme e etc como se ser gay fosse algo de se envergonhar e fazer o mesmo que nos tanto criticamos é fod*,isso só prova que o preconceito existe em todos os lados, algumas pessoas só escondem, infelizmente muita coisa ainda tem que evoluir , tanto coisa para ser discutida,mas vamos perder nosso tempo zuando o Carlos por ser gay, AFF, para o mundo que quero descer

  15. Maravilhoso
    Maravilhoso texto.Inteligentíssimo e oportuno.Precisamos, cada vez mais de pensadores assim, que nos chamem a um nível de maturidade na luta. Obrigada!

  16. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome