Tem um plano aí, talquei?, por Ricardo Cappelli

Quase toda semana o presidente participa de uma formatura nos quartéis. Possui amplo apoio na tropa e nas forças de segurança pública.

Tem um plano aí, talquei?

por Ricardo Cappelli

Vamos reconstituir os fatos. Bolsonaro começa o ano com as pesquisas indicando uma melhora na sua aprovação popular. O que ele faz?
Vai pra cima dos governadores, dizendo que o preço do combustível é alto por causa dos impostos estaduais. Faz um desafio-bravata que saber ser impossível – zerar impostos – para colocar os gestores estaduais no canto do ringue.
Com este movimento, o presidente mata dois coelhos com uma só cajadada: mantém sua campanha permanente como representante da onda anti-sistema – contra impostos, contra políticos e etc. – e encurrala governadores que se colocam como eventuais adversários na disputa por sua cadeira.
Não percam a sequência.
Em seguida, o Capitão tira o último civil do Palácio do Planalto e nomeia outro general para a Casa Civil. Mais um. “Fora políticos!”
Seu filho, o senador Flávio Bolsonaro, tenta jogar um cadáver torturado no colo do PT baiano. Contra assassinos e torturadores qualquer violência se justifica. Nas redes, eles vestem esta “roupa” na esquerda.
Em sua permanente campanha contra a mídia, Bolsonaro volta a atacar a jornalista Patrícia Campos Mello e a Globo. Mantém sua marcha autoritária sem nenhum pudor.
Para não perder a viagem, o general Heleno ameaça o Congresso Nacional chamando-o de chantagista. O “Foda-se” vira a convocação de uma manifestação contra os políticos.
Começam a pipocar motins de policiais militares nos estados da Paraíba e do Ceará, no nordeste, justamente a região onde o Capitão tem mais dificuldades. Coincidências?
Homens encapuzados percorrem as ruas de Sobral exigindo o fechamento do comércio. O senador Cid Gomes reage à atitude inaceitável e por pouco não paga com a própria vida. Teríamos o primeiro cadáver político da era Bolsonaro.
O episódio faz a tensão aumentar nos quartéis.
Começam a circular notícias sobre o próximo escândalo nacional: a venda de emendas parlamentares por deputados. Vamos voltar no tempo?
Bolsonaro acabou com o presidencialismo de coalizão, tirou os partidos da Esplanada. Como montou sua base parlamentar? Distribuindo vultosas emendas para os deputados. Alguém falou em dar a corda para o próprio infeliz se enforcar?
Quase toda semana o presidente participa de uma formatura nos quartéis. Possui amplo apoio na tropa e nas forças de segurança pública. Praticamente todos os homens armados legalmente no país estão ao seu lado. Cada vez mais empoderados.
Uma ampla frente política de defesa da democracia é uma necessidade histórica. As sombras estão cada vez mais próximas.

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome