No dia de hoje, 18 de março – Tenório Júnior, presente!

Em 1986, um dos agentes da repressão argentina, Claudio Vallejos, admitiu à Revista Senhor (n. 270) que entre as dezenas de pessoas que matou pessoalmente estava Tenório Júnior.

do Vozes do Silêncio

No dia de hoje, 18 de março – Tenório Júnior, presente!

PARA QUE NÃO SE ESQUEÇA, PARA QUE NUNCA MAIS SE REPITA

Em 18 de março de 1976, durante a madrugada, em Buenos Aires, Argentina, o pianista brasileiro Tenório Júnior saiu do hotel onde estava hospedado para ir a uma farmácia e desapareceu. Essa situação desesperadora foi vivida intensamente pelos seus parceiros de turnê, Toquinho e Vinícius de Moraes, que nada puderam fazer e foram orientados a não continuarem buscando informações se não quisessem ter o mesmo destino.

Francisco Tenório Cerqueira Júnior nasceu em 4 de julho de 1940, no Rio de Janeiro/Rj, e iniciou sua carreira artística aos 15 anos, com acordeão e violão. Posteriormente, passou a se dedicar ao piano, instrumento com o qual fez fama. Compôs músicas, lançou discos, participou de vários festivais e realizou turnês no Brasil e no exterior, ao lado de nomes consagrados da música brasileira. Na década de 1970, era um dos mais requisitados artistas no Brasil. Tenório não exercia nenhuma atividade de militância política.

Soube-se depois que, naquela madrugada, ele foi detido em uma blitz na Avenida Corrientes, a uma quadra do seu hotel, e levado inicialmente para a delegacia da Polícia Federal Argentina, na rua Lavalle, centro da capital argentina, e em seguida para a Escuela de Mecanica de la Armada (ESMA), hoje transformada em museu e onde foram exterminadas mais de quatro mil pessoas.

Em 1986, um dos agentes da repressão argentina, Claudio Vallejos, admitiu à Revista Senhor (n. 270) que entre as dezenas de pessoas que matou pessoalmente estava Tenório Júnior.

Leia também:  Centrão ou direitona?, por Paulo Kliass

Tenório provavelmente foi colhido pela blitz argentina porque deve ter parecido suspeito aos olhos dos agentes: um homem relativamente jovem, barbudo, andando sozinho na madrugada em Buenos Aires, alegando ser músico e brasileiro. Um perfil como esse, na época, ou o contrário, um argentino nessas condições no Brasil, era tido como altamente suspeito e os agentes não pestanejavam em sequestrar, torturar e exterminar alguém assim.

É que no início de 1976, a famigerada Operação Condor estava em seu auge. Era uma espécie de “cooperação internacional” celebrada entre Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai pela qual esses países compartilhavam dados de inteligência e realizavam diretamente operações extraterritoriais de sequestro, tortura, execução e desaparecimento forçado de opositores políticos em seus países porventura escondidos em outro.

As graves violações de direitos humanos cometidas na Operação Condor foram objeto de condenações da Corte Interamericana de Direitos Humanos em sentenças de mérito em dois casos: Goiburú y otros vs. Paraguay, de 2006, e Gelman vs. Uruguay, de 2011. Nas duas ocasiões, a Corte Interamericana estabeleceu que os serviços de informações desses países do Cone Sul no continente americano formaram, durante a década de 1970, uma organização interestatal articulada com finalidades criminosas, cujo conteúdo continua sendo revelado ainda nos dias atuais. Essas decisões estabelecem paradigmas do Direito Internacional dos Direitos Humanos, mas seu cumprimento, no Brasil, ainda está distante.

Tenório Júnior completaria 80 anos este ano e ainda é reconhecido como um dos maiores pianistas brasileiros. Seu nome está inscrito no monumento do Parque da Memória, em Buenos Aires.

– Francisco Tenório Cerqueira Júnior, presente!

Leia também:  Argentina volta a discutir legalização do aborto

__________________

Este texto faz parte da campanha de divulgação da II Caminhada do Silêncio pelas Vítimas de Violência do Estado e pela Democracia que foi suspensa e será substituída por atos realizados em meio virtual nos dias 31 e 1º de abril de 2020.

Responsável: Eugênia Augusta Gonzaga, procuradora regional da República, mestre em Direito Constitucional e coautora das primeiras ações judiciais contra agentes da ditadura.

Fonte: Relatório Final da Comissão Nacional da Verdade, Volume III, páginas 1.822 a 1826

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome