Em Pernambuco, filho de Eduardo Campos segue passos do pai

Por Robson Silva

E forma-se pois, a “nova realeza” do neo-coronelismo eduardista em Pernambuco, que quer se perpetuar no poder a todo e qualquer custo:

Paulo Câmara [atual governador do Estado de Pernambuco pelo PSB], primo de Eduardo Campos;

Eduardo Campos e Renata Campos, primos;

Renata Campos, sobrinha de Ariano Suassuna;

Renata Campos e Maurício Rands [ex-deputado federal pelo PT, agora filiado ao PSB e dono do Diário de Pernambuco], primos;

Marília Arraes [vereadora do Recife pelo PSB], prima de Eduardo Campos;

Ana Arraes [ex-deputada federal pelo PSB, atualmente ministra do tribunal de contas da união, cargo vitalício indicada por Lula, por influência do filho governador], mãe de Eduardo Campos;

Thiago Arraes de Alencar, procurador geral do Estado [indicado por Eduardo Campos], primo de Eduardo Campos;

João Campos [conselheiro do tribunal de contas do Estado de Pernambuco, indicado por Eduardo Campos], primo de Eduardo Campos;

Marcos Loreto [também conselheiro do tribunal de contas do Estado de Pernambuco, indicado por Eduardo Campos], primo de Renata Campos;

Ana Elisabeth de Andrade Lima Molina [ocupa um cargo de direção na secretaria de saúde do Estado de Pernambuco], irmã de Renata Campos…

João Campos [recém nomeado Chefe de Gabinete do Governador Paulo Câmara] filho do ex-governador Eduardo Campos e primo do Governador Paulo Câmara.

Do Diário de Pernambuco

 
A mudança faz parte das alterações que o atual governador fez no seu secretariado
 
Com apenas 22 anos e em processo de graduação em Engenharia Civil, João Henrique de Andrade Lima Campos, filho do ex-governador Eduardo Campos, será nomeado chefe de Gabinete do governador Paulo Câmara. Ele ficará no lugar do atual chefe Ruy Bezerra, que comandará a Controladoria Geral do Estado. A posse de João e Ruy será nesta quinta-feira, às 17h, no Palácio do Campo das Princesas.

Leia também:  TV GGN 20h: Quem é o Trump brasileiro, Bolsonaro ou Doria?

Além deles, o atual controlador-geral, Rodrigo Amaro, irá trabalhar na Assessoria Especial. As mudanças fazem parte das alterações que o atual governador fez no seu secretariado.

Histórico

 
João Henrique, desde cedo, acompanhava o pai nas campanhas eleitorais e no exercício de mandatos políticos. Ele exercerá a mesma função que Eduardo Campos ocupou no segundo governo de Miguel Arraes (1987-1990).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

34 comentários

  1. Quem tem padrinho, não morre

    Quem tem padrinho, não morre pagão.

    provérbio português

     

    Machado de Assis

    Teoria do medalhão

    Diálogo

     

    – Estás com sono?

    – Não, senhor.

    – Nem eu; conversemos um pouco. Abre a janela. Que horas são?

    – Onze.

    – Saiu o último conviva do nosso modesto jantar. Com que, meu peralta, chegaste aos teus vinte e um anos. Há vinte e um anos, no dia 5 de agosto de 1854, vinhas tu à luz, um pirralho de nada, e estás homem, longos bigodes, alguns namoros…

    – Papai…

    – Não te ponhas com denguices, e falemos como dois amigos sérios. Fecha aquela porta; vou dizer-te coisas importantes. Senta-te e conversemos. Vinte e um anos, algumas apólices, um diploma, podes entrar no parlamento, na magistratura, na imprensa, na lavoura, na indústria, no comércio, nas letras ou nas artes. Há infinitas carreiras diante de ti. Vinte e um anos, meu rapaz, formam apenas a primeira sílaba do nosso destino. Os mesmos Pitt e Napoleão, apesar de precoces, não foram tudo aos vinte e um anos. Mas qualquer que seja a profissão da tua escolha, o meu desejo é que te faças grande e ilustre, ou pelo menos notável, que te levantes acima da obscuridade comum. A vida, Janjão, é uma enorme loteria; os prêmios são poucos, os malogrados inúmeros, e com os suspiros de uma geração é que se amassam as esperanças de outra. Isto é a vida; não há planger, nem imprecar, mas aceitar as coisas integralmente, com seus ônus e percalços, glórias e desdouros, e ir por diante.

    – Sim, senhor.

    – Entretanto, assim como é de boa economia guardar um pão para a velhice, assim também é de boa prática social acautelar um ofício para a hipótese de que os outros falhem, ou não indenizem suficientemente o esforço da nossa ambição. É isto o que te aconselho hoje, dia da tua maioridade.

    – Creia que lhe agradeço; mas que ofício, não me dirá?

    – Nenhum me parece mais útil e cabido que o de medalhão. Ser medalhão foi o sonho da minha mocidade; faltaram-me, porém, as instruções de um pai, e acabo como vês, sem outra consolação e relevo moral, além das esperanças que deposito em ti. Ouve-me bem, meu querido filho, ouve-me e entende. És moço, tens naturalmente o ardor, a exuberância, os improvisos da idade; não os rejeites, mas modera-os de modo que aos quarenta e cinco anos possas entrar francamente no regime do aprumo e do compasso. O sábio que disse: “a gravidade é um mistério do corpo”, definiu a compostura do medalhão. Não confundas essa gravidade com aquela outra que, embora resida no aspecto, é um puro reflexo ou emanação do espírito; essa é do corpo, tão-somente do corpo, um sinal da natureza ou um jeito da vida. Quanto à idade de quarenta e cinco anos…

    – É verdade, por que quarenta e cinco anos?

    – Não é, como podes supor, um limite arbitrário, filho do puro capricho; é a data normal do fenômeno. Geralmente, o verdadeiro medalhão começa a manifestar-se entre os quarenta e cinco e cinqüenta anos, conquanto alguns exemplos se dêem entre os cinqüenta e cinco e os sessenta; mas estes são raros. Há-os também de quarenta anos, e outros mais precoces, de trinta e cinco e de trinta; não são, todavia, vulgares. Não falo dos de vinte e cinco anos: esse madrugar é privilégio do gênio.

    – Entendo.

    – Venhamos ao principal. Uma vez entrado na carreira, deves pôr todo o cuidado nas idéias que houveres de nutrir para uso alheio e próprio. O melhor será não as ter absolutamente; coisa que entenderás bem, imaginando, por exemplo, um ator defraudado do uso de um braço. Ele pode, por um milagre de artifício, dissimular o defeito aos olhos da platéia; mas era muito melhor dispor dos dois. O mesmo se dá com as idéias; pode-se, com violência, abafá-las, escondê-las até à morte; mas nem essa habilidade é comum, nem tão constante esforço conviria ao exercício da vida.

    – Mas quem lhe diz que eu

    – Tu, meu filho, se me não engano, pareces dotado da perfeita inópia mental, conveniente ao uso deste nobre ofício. Não me refiro tanto à fidelidade com que repetes numa sala as opiniões ouvidas numa esquina, e vice-versa, porque esse fato, posto indique certa carência de idéias, ainda assim pode não passar de uma traição da memória. Não; refiro-me ao gesto correto e perfilado com que usas expender francamente as tuas simpatias ou antipatias acerca do corte de um colete, das dimensões de um chapéu, do ranger ou calar das botas novas. Eis aí um sintoma eloqüente, eis aí uma esperança, No entanto, podendo acontecer que, com a idade, venhas a ser afligido de algumas idéias próprias, urge aparelhar fortemente o espírito. As idéias são de sua natureza espontâneas e súbitas; por mais que as sofreemos, elas irrompem e precipitam-se. Daí a certeza com que o vulgo, cujo faro é extremamente delicado, distingue o medalhão completo do medalhão incompleto.

    – Creio que assim seja; mas um tal obstáculo é invencível.

    – Não é; há um meio; é lançar mão de um regime debilitante, ler compêndios de retórica, ouvir certos discursos, etc. O voltarete, o dominó e o whist são remédios aprovados. O whist tem até a rara vantagem de acostumar ao silêncio, que é a forma mais acentuada da circunspecção. Não digo o mesmo da natação, da equitação e da ginástica, embora elas façam repousar o cérebro; mas por isso mesmo que o fazem repousar, restituem-lhe as forças e a atividade perdidas. O bilhar é excelente.

    – Como assim, se também é um exercício corporal?

    – Não digo que não, mas há coisas em que a observação desmente a teoria. Se te aconselho excepcionalmente o bilhar é porque as estatísticas mais escrupulosas mostram que três quartas partes dos habituados do taco partilham as opiniões do mesmo taco. O passeio nas ruas, mormente nas de recreio e parada, é utilíssimo, com a condição de não andares desacompanhado, porque a solidão é oficina de idéias, e o espírito deixado a si mesmo, embora no meio da multidão, pode adquirir uma tal ou qual atividade.

    – Mas se eu não tiver à mão um amigo apto e disposto a ir comigo?

    – Não faz mal; tens o valente recurso de mesclar-te aos pasmatórios, em que toda a poeira da solidão se dissipa. As livrarias, ou por causa da atmosfera do lugar, ou por qualquer outra, razão que me escapa, não são propícias ao nosso fim; e, não obstante, há grande conveniência em entrar por elas, de quando em quando, não digo às ocultas, mas às escâncaras. Podes resolver a dificuldade de um modo simples: vai ali falar do boato do dia, da anedota da semana, de um contrabando, de uma calúnia, de um cometa, de qualquer coisa, quando não prefiras interrogar diretamente os leitores habituais das belas crônicas de Mazade; 75 por cento desses estimáveis cavalheiros repetir-te-ão as mesmas opiniões, e uma tal monotonia é grandemente saudável. Com este regime, durante oito, dez, dezoito meses – suponhamos dois anos, – reduzes o intelecto, por mais pródigo que seja, à sobriedade, à disciplina, ao equilíbrio comum. Não trato do vocabulário, porque ele está subentendido no uso das idéias; há de ser naturalmente simples, tíbio, apoucado, sem notas vermelhas, sem cores de clarim…

    – Isto é o diabo! Não poder adornar o estilo, de quando em quando…

    – Podes; podes empregar umas quantas figuras expressivas, a hidra de Lerna, por exemplo, a cabeça de Medusa, o tonel das Danaides, as asas de Ícaro, e outras, que românticos, clássicos e realistas empregam sem desar, quando precisam delas. Sentenças latinas, ditos históricos, versos célebres, brocardos jurídicos, máximas, é de bom aviso trazê-los contigo para os discursos de sobremesa, de felicitação, ou de agradecimento. Caveant consules é um excelente fecho de artigo político; o mesmo direi do Si vis pacem para bellum. Alguns costumam renovar o sabor de uma citação intercalando-a numa frase nova, original e bela, mas não te aconselho esse artifício: seria desnaturar-lhe as graças vetustas. Melhor do que tudo isso, porém, que afinal não passa de mero adorno, são as frases feitas, as locuções convencionais, as fórmulas consagradas pelos anos, incrustadas na memória individual e pública. Essas fórmulas têm a vantagem de não obrigar os outros a um esforço inútil. Não as relaciono agora, mas fá-lo-ei por escrito. De resto, o mesmo ofício te irá ensinando os elementos dessa arte difícil de pensar o pensado. Quanto à utilidade de um tal sistema, basta figurar uma hipótese. Faz-se uma lei, executa-se, não produz efeito, subsiste o mal. Eis aí uma questão que pode aguçar as curiosidades vadias, dar ensejo a um inquérito pedantesco, a uma coleta fastidiosa de documentos e observações, análise das causas prováveis, causas certas, causas possíveis, um estudo infinito das aptidões do sujeito reformado, da natureza do mal, da manipulação do remédio, das circunstâncias da aplicação; matéria, enfim, para todo um andaime de palavras, conceitos, e desvarios. Tu poupas aos teus semelhantes todo esse imenso aranzel, tu dizes simplesmente: Antes das leis, reformemos os costumes! – E esta frase sintética, transparente, límpida, tirada ao pecúlio comum, resolve mais depressa o problema, entra pelos espíritos como um jorro súbito de sol.

    – Vejo por aí que vosmecê condena toda e qualquer aplicação de processos modernos.

    – Entendamo-nos. Condeno a aplicação, louvo a denominação. O mesmo direi de toda a recente terminologia científica; deves decorá-la. Conquanto o rasgo peculiar do medalhão seja uma certa atitude de deus Término, e as ciências sejam obra do movimento humano, como tens de ser medalhão mais tarde, convém tomar as armas do teu tempo. E de duas uma: – ou elas estarão usadas e divulgadas daqui a trinta anos, ou conservar-se-ão novas; no primeiro caso, pertencem-te de foro próprio; no segundo, podes ter a coquetice de as trazer, para mostrar que também és pintor. De outiva, com o tempo, irás sabendo a que leis, casos e fenômenos responde toda essa terminologia; porque o método de interrogar os próprios mestres e oficiais da ciência, nos seus livros, estudos e memórias, além de tedioso e cansativo, traz o perigo de inocular idéias novas, e é radicalmente falso. Acresce que no dia em que viesses a assenhorear-te do espírito daquelas leis e fórmulas, serias provavelmente levado a empregá-las com um tal ou qual comedimento, como a costureira esperta e afreguesada, – que, segundo um poeta clássico,

    Quanto mais pano tem, mais poupa o corte,

    Menos monte alardeia de retalhos;

    e este fenômeno, tratando-se de um medalhão, é que não seria científico.

    – Upa! que a profissão é difícil!

    – E ainda não chegamos ao cabo.

    – Vamos a ele.

    – Não te falei ainda dos benefícios da publicidade. A publicidade é uma dona loureira e senhoril, que tu deves requestar à força de pequenos mimos, confeitos, almofadinhas, coisas miúdas, que antes exprimem a constância do afeto do que o atrevimento e a ambição. Que D. Quixote solicite os favores dela mediante, ações heróicas ou custosas, é um sestro próprio desse ilustre lunático. O verdadeiro medalhão tem outra política. Longe de inventar um Tratado científico da criação dos carneiros, compra um carneiro e dá-o aos amigos sob a forma de um jantar, cuja notícia não pode ser indiferente aos seus concidadãos. Uma notícia traz outra; cinco, dez, vinte vezes põe o teu nome ante os olhos do mundo. Comissões ou deputações para felicitar um agraciado, um benemérito, um forasteiro, têm singulares merecimentos, e assim as irmandades e associações diversas, sejam mitológicas, cinegéticas ou coreográficas. Os sucessos de certa ordem, embora de pouca monta, podem ser trazidos a lume, contanto que ponham em relevo a tua pessoa. Explico-me. Se caíres de um carro, sem outro dano, além do susto, é útil mandá-lo dizer aos quatro ventos, não pelo fato em si, que é insignificante, mas pelo efeito de recordar um nome caro às afeições gerais. Percebeste?

    – Percebi.

    – Essa é publicidade constante, barata, fácil, de todos os dias; mas há outra. Qualquer que seja a teoria das artes, é fora de dúvida que o sentimento da família, a amizade pessoal e a estima pública instigam à reprodução das feições de um homem amado ou benemérito. Nada obsta a que sejas objeto de uma tal distinção, principalmente se a sagacidade dos amigos não achar em ti repugnância. Em semelhante caso, não só as regras da mais vulgar polidez mandam aceitar o retrato ou o busto, como seria desazado impedir que os amigos o expusessem em qualquer casa pública. Dessa maneira o nome fica ligado à pessoa; os que houverem lido o teu recente discurso (suponhamos) na sessão inaugural da União dos Cabeleireiros, reconhecerão na compostura das feições o autor dessa obra grave, em que a “alavanca do progresso” e o “suor do trabalho” vencem as “fauces hiantes” da miséria. No caso de que uma comissão te leve a casa o retrato, deves agradecer-lhe o obséquio com um discurso cheio de gratidão e um copo d’água: é uso antigo, razoável e honesto. Convidarás então os melhores amigos, os parentes, e, se for possível, uma ou duas pessoas de representação. Mais. Se esse dia é um dia de glória ou regozijo, não vejo que possas, decentemente, recusar um lugar à mesa aos reporters dos jornais. Em todo o caso, se as obrigações desses cidadãos os retiverem noutra parte, podes ajudá-los de certa maneira, redigindo tu mesmo a notícia da festa; e, dado que por um tal ou qual escrúpulo, aliás desculpável, não queiras com a própria mão anexar ao teu nome os qualificativos dignos dele, incumbe a notícia a algum amigo ou parente.

    – Digo-lhe que o que vosmecê me ensina não é nada fácil.

    – Nem eu te digo outra coisa. É difícil, come tempo, muito tempo, leva anos, paciência, trabalho, e felizes os que chegam a entrar na terra prometida! Os que lá não penetram, engole-os a obscuridade. Mas os que triunfam! E tu triunfarás, crê-me. Verás cair as muralhas de Jericó ao som das trompas sagradas. Só então poderás dizer que estás fixado. Começa nesse dia a tua fase de ornamento indispensável, de figura obrigada, de rótulo. Acabou-se a necessidade de farejar ocasiões, comissões, irmandades; elas virão ter contigo, com o seu ar pesadão e cru de substantivos desadjetivados, e tu serás o adjetivo dessas orações opacas, o odorífero das flores, o anilado dos céus, o prestimoso dos cidadãos, o noticioso e suculento dos relatórios. E ser isso é o principal, porque o adjetivo é a alma do idioma, a sua porção idealista e metafísica. O substantivo é a realidade nua e crua, é o naturalismo do vocabulário.

    – E parece-lhe que todo esse ofício é apenas um sobressalente para os deficits da vida?

    – Decerto; não fica excluída nenhuma outra atividade.

    – Nem política?

    – Nem política. Toda a questão é não infringir as regras e obrigações capitais. Podes pertencer a qualquer partido, liberal ou conservador, republicano ou ultramontano, com a cláusula única de não ligar nenhuma idéia especial a esses vocábulos, e reconhecer-lhe somente a utilidade do scibboleth bíblico.

    – Se for ao parlamento, posso ocupar a tribuna?

    – Podes e deves; é um modo de convocar a atenção pública. Quanto à matéria dos discursos, tens à escolha: – ou os negócios miúdos, ou a metafísica política, mas prefere a metafísica. Os negócios miúdos, força é confessá-lo, não desdizem daquela chateza de bom-tom, própria de um medalhão acabado; mas, se puderes, adota a metafísica; – é mais fácil e mais atraente. Supõe que desejas saber por que motivo a 7ª companhia de infantaria foi transferida de Uruguaiana para Canguçu; serás ouvido tão-somente pelo ministro da guerra, que te explicará em dez minutos as razões desse ato. Não assim a metafísica. Um discurso de metafísica política apaixona naturalmente os partidos e o público, chama os apartes e as respostas. E depois não obriga a pensar e descobrir. Nesse ramo dos conhecimentos humanos tudo está achado, formulado, rotulado, encaixotado; é só prover os alforjes da memória. Em todo caso, não transcendas nunca os limites de uma invejável vulgaridade.

    – Farei o que puder. Nenhuma imaginação?

    – Nenhuma; antes faze correr o boato de que um tal dom é ínfimo.

    – Nenhuma filosofia?

    – Entendamo-nos: no papel e na língua alguma, na realidade nada. “Filosofia da história”, por exemplo, é uma locução que deves empregar com freqüência, mas proíbo-te que chegues a outras conclusões que não sejam as já achadas por outros. Foge a tudo que possa cheirar a reflexão, originalidade, etc., etc.

    – Também ao riso?

    – Como ao riso?

    – Ficar sério, muito sério…

    – Conforme. Tens um gênio folgazão, prazenteiro, não hás de sofreá-lo nem eliminá-lo; podes brincar e rir alguma vez. Medalhão não quer dizer melancólico. Um grave pode ter seus momentos de expansão alegre. Somente, – e este ponto é melindroso…

    – Diga…

    – Somente não deves empregar a ironia, esse movimento ao canto da boca, cheio de mistérios, inventado por algum grego da decadência, contraído por Luciano, transmitido a Swift e Voltaire, feição própria dos cépticos e desabusados. Não. Usa antes a chalaça, a nossa boa chalaça amiga, gorducha, redonda, franca, sem biocos, nem véus, que se mete pela cara dos outros, estala como uma palmada, faz pular o sangue nas veias, e arrebentar de riso os suspensórios. Usa a chalaça. Que é isto?

    – Meia-noite.

    – Meia-noite? Entras nos teus vinte e dois anos, meu peralta; estás definitivamente maior. Vamos dormir, que é tarde. Rumina bem o que te disse, meu filho. Guardadas as proporções, a conversa desta noite vale o Príncipe de Machiavelli. Vamos dormir.

    FIM

     

    …………………………………………………………………………………

    Fonte: ASSIS, Machado de. Obra Completa. Rio de Janeiro : Nova Aguilar 1994. v. II.

    Texto proveniente de: A Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro A Escola do Futuro da Universidade de São Paulo Permitido o uso apenas para fins educacionais.

    Texto-base digitalizado por: Núcleo de Pesquisas em Informática, Literatura e Lingüística (http://www.cce.ufsc.br/~nupill/literatura/literat.html)

    Este material pode ser redistribuído livremente, desde que não seja alterado, e que as informações acima sejam mantidas. Para maiores informações, escreva para <[email protected]>.

    Link para acesso ao texto: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000232.pdf

  2. Sempre alertei aqui no blog o

    Sempre alertei aqui no blog o caracter neocoronelista de Dudu. Quando Nassif incensava o estilo moderno de administração do falecido governador, eu dizia: aparelhou todos os instrumentos de controle do Estado. Quem é daqui, conhece o tipo.

  3. Que maldade. Esse tal de

    Que maldade. Esse tal de Antonio Nelson nunca ouviu falar de meritocracia? Deixa o menino trabalhar.

     

  4. Reis, senhores feudais,

    Reis, senhores feudais, capitanias herediárias, donatários, sesmarias, latifúndios, usineiros, cana de açúcar, casa grande, senhorzinho, sinhazinha, vereadores, prefeitos, deputados, governadores, presidentes, ladroagem, perpetuação.

  5. Para marcar o seu orimeiro

    Para marcar o seu orimeiro gol, como pplítico, poderia começar a esclarecer sobre a propriedade do helicóptero. Ou, demonstrar que o helicóptero NÃO era do pai dele. Boa sorte.

    • É tanta coisa estranha no ar

      É tanta coisa estranha no ar além de “avião de carreira” que vc confundiu as máquinas voadoras. Nesse caso dos Campos, trata-se de um avião sem dono, destroçado no desastre. O caso do helicóptero é bem diverso. Tem proprietário conhecido. A carga que transportava é que parece não ter dono. O único ponto em comum entre os dois casos é a completa falta de interresse em se investigar os mistérios. 

    • Não era helicóptero, que tem

      Não era helicóptero, que tem a ver com o aoca e aquele outro dePutado, mas tanto faz, o mocinho boinitinho deveria estar é preocupado em descobrir quem é o dono do jatinho que matou o pai dele E matou e destruiu em terra também, e estes em terra não receberam indenização porque o avião não tem dono. Ele pode pedir ajuda para Dona Erundina se quiser…

      • Ricardo, corrigindo:

        Ricardo, corrigindo: AVIÃO!.

        Confundi com o helicoca. Esse caso, conheço, razoavelmente bem. Conheço, há quase 40 anos, o piloto do helicópetero da PM/ES, que acompanhou a PF, 

  6. A DINASTIA DA

    A DINASTIA DA CANALHICE

    Fevereiro foi o mês de nomeação dos irmãos. Ao contrário da divulgação sobre João Campos no governo Paulo, porém, a prefeitura nomeou de forma discreta a filha de Eduardo, Maria Eduarda Campos, na gestão Geraldo Julio (PSB). No Diário Oficial do último dia 4 (imagem acima) ela foi nomeada como gerente de Zoneamento Especial do Instituto Pelópidas Silveira, com data retroativa ao dia 1º de fevereiro de 2016.

     

    http://jc.ne10.uol.com.br/blogs/pingafogo/2016/02/18/sao-dois-filhos-nomeados-joao-campos-no-estado-e-maria-eduarda-na-prefeitura-do-recife/

     

  7. Dinheiro é que não há de

    Dinheiro é que não há de faltar. 20 milhões achacados das empreiteiras pelo pai pavimenta qualquer carreira política.

    E posam de família perfeita (com certeza lá ninguém anda de pedalinho nem compra caixas de cerveja) enquanto aproveitam da herança polpuda deixada pelo pai. Pro inferno com tanta hipocrisia.

    • Tenho a leve impressão que tá

      Tenho a leve impressão que tá meio difícil o acesso à “herança polpuda” deixada pelo pai.

      A matriarca, Renata Campos, retornou ao TCE, interrompendo uma licença de longa, muito longa duração.  O filho mais velho foi nomeado Chefe de Gabinete do governador. A filha, cf informou o Antonio Ateu, foi discretamente nomeada para um cargo na prefeitura de Recife.

      Sem dúvida que tentam manter-se no poder, ancorados nos mortes ilustres. Com o passar do tempo, porém, isso vai ficando mais e mais complicado, sem ter entre os vivos figuras de expressão relevante.

       Esse retorno ao trabalho e essas nomeações dos rebentos podem também ter outra leitura: reforço de caixa.

  8. Paulo Câmara não tem a

    Paulo Câmara não tem a envergadura de Miguel Arraes, nem esse coxinha terá em seu currículo o apoio de um Lula. Portanto, não prosperará. No máximo uma vaga na câmara federal. Que convenhamos: é um bom prêmio para quem jamais “bateu um prego numa barra de sabão”. Isso se chama meritocracia!

  9. Infelizmente esta é a nossa

    Infelizmente esta é a nossa realidade. Não dá para discriminar somente Pernan=mbuco ou a região nordeste,nos estados das regiões Sul e Sudeste,as mais desenvolvidas esta prática é a mesma,só não tem a mesma visibilidade porque o universo é bem maior.

    O que ocorre nas regiões Norte e Nordeste é que este tipo de ação é muito mais visível já que,até bem recentemente,somente a alguns era dado o direito de estudar e disputar estes espaços.

    Asssim,ainda teremos que conviver um bom período com o Estado ocupado pela casta mais antiquada de nossa sociedade mas,sabemos que a oportunidade dada a todos para estudar fará,sem dúvida alguma, o Estado a tornar-se um Estado democrático de fato.

    A história confirmará isto.

     

  10. Se o Povo não abrir os olhos

    Se o Povo não abrir os olhos estaremos com a SAÚDE em Péssimas condições, ÔNIBUS LOTADOS, EDUCAÇÃO SEM QUALIDADE!!! É Isso aí: Abram os olhos, Pois os SENHORES Do ENGENHOS Estão se perpetuando no Poder!!! Eles não fazem nada pelo nosso Estado( PERNAMBUCO) é deles!!! Que atrevimento incluirmos a terra como nossa! É Por isso que as filas para marcar o MÉDICO no SUS É HORRÍVEL!!! Esses Cambadas no Poder!!!

     

  11. Olha… se eu não consigo

    Olha… se eu não consigo entender o ódio despejado por anti-petistas sobre o PT, entender o ódio de petistas por adversários temporais como o caso de Eduardo Campos, aí é que não dá mesmo pra entender.
    O PT, desde suas primeiras eleições que caiu na real, que não dava pra implantar “a ditadura do proletariado”, que mui poucos (quase todos hoje fora do partido) realmente professavam; e que era preciso fazer composições. Preferencialmente com as outras agremiações de esquerda, mas também COM O PSDB, de Covas; MAS O PSDB!

    Bem, o “PSOE do Brasil”, o que de fato foi a montagem do PSDB virou UDN, sem precisar de muito negociar com o Opus Dei, como na Espanha, e com isso adversário frontal ao PT. Mas o PT continuou nas suas negociações e composições; ora mais duradouras, ora mais efêmeras, mas, negociando e fazendo composições. Covas foi candidato à Presidência da República no primeiro turno e no segundo apoiou Lula; tudo bem! Não se ouviu chiadeira. Também é de relevar que à época não havia internet nem redes sociais. Ciro foi candidato no primeiro turno e depois apoiou Lula… tudo bem! Sem chiadeira, apesar de já haver internet, mesmo sem redes sociais.

    A plutocracia pernambucana é das mais reacionárias do país: convivo com sua cópia, mesmo que resumida, aqui em Sergipe, um estado metade baiano, metade pernambucano. Terminada a guerra de expulsão dos holandeses, se não fosse o pulso forte do rei D. João IV e teriam reescravizado Henrique Dias, o cara que em princípio deu a vitória aos pernambucanos. Mas essas características também não invalidam o fato de que Pernambuco continua Pernambuco: altaneiro, vibrante e um pouco mais nacionalista que a média brasileira. Abreu e Lima não foi um caso isolado. E essa característica pernambucana é indispensável quando se tem um projeto de nação que é, o que acho, queiram os petistas.

    Voltando ao Eduardo Campos, possível aliado num eventual segundo turno, que se o seu “CESNA” (sempre eles, os Cesnas: Martinez, Campos…) não tivesse se espatifado no chão, teria sido um aliado estrategíssimo no segundo turno… e eu enxergo um ódio quase espumante de vários que se dizem petistas, que em nada diferem dos coxinhas paneleiros dos bonecos infláveis. Sinceramente, eu busco os motivos e não encontro. Talvez e infelizmente só a confirmação do ditado de que “A esquerda só se une na cadeia”.

    Ou será que há algo subterrâneo tão grave que sequer consigo desconfiar?

  12. A sorte do Pernambuco é que

    A sorte do Pernambuco é que logo, logo será um Maranhão. E como o pessoal é jovem, essa realidade perdurará pelos próximos  50, 60 anos. Mas os pernambucanos merecem e se merecem.

  13. No Amazonas nao eh

    No Amazonas nao eh diferente.

    A clan de Arthur VIrgilio ja passou de pai para fillho, de filho para neto, e agora ja esta em Bisneto. E todos mamando nas tetas da viuva. Cargos comissionados sem concurso e mandatos politicos, um intercalado com o outro.

    E o pior, a Clan dos Virgilios eh tida como progressista. Ja imaginaram como nao deve agir a dos reacionarios por essas bandas?

  14. Acrescente Maria Eduarda

    Acrescente Maria Eduarda Campos filha, Gerente de Zoneamento Especial do Instituto Pelópidas Silveira, prefeitura do recife

  15. Independente de sua filiação,

    Independente de sua filiação, é óbvio que não tem qualificação para o cargo, o que revela o desprezo do governador pela eficiência.

     

    Isso se reporduz no país.

  16. É um absurdo, a Administração

    É um absurdo, a Administração Pública em Pernambucano ainda na fase do engenho velho, do coronelismo, lá nas capitanias gerais do Brasil. Não avançou ainda para o patrimonialismo, nem para a burocracia, quem derá pensar um administração gerencial. Aquilo ali é casa da mãe joana mesmo. Quem vai sofrer é o povo de Pernambuco e os vizinhos desse estado.

  17. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome