A oportunidade para a reformulação partidária, por Benedito Tadeu César

Enviado por RPV

Do Sul 21

Ousemos!

Por Benedito Tadeu César

É chegada a hora de os autênticos democratas de centro, de centro esquerda e de esquerda unirem-se e avaliarem a oportunidade de promoverem, por sua própria iniciativa, uma profunda reformulação partidária no Brasil.

É o momento, de os autênticos democratas de centro, de centro esquerda e de esquerda considerarem a possibilidade de realizar a fusão dos partidos comprometidos com a preservação da democracia e das conquistas sociais e econômicas construídas ao longo das últimas décadas no Brasil.

Que todos os democratas autênticos de centro, de centro esquerda e de esquerda se unam em uma ampla, mas coerente frente político-ideológica, livre das mazelas das tradicionais organizações partidárias brasileiras e sem que nenhuma corrente política pretenda exercer hegemonia sobre as demais, abandonando práticas que têm marcado a atuação dos atuais partidos, principalmente de esquerda e centro-esquerda brasileiros, o que os têm isolado continuamente.

Reúnam-se trabalhistas históricos e contemporâneos, liberais democratas, socialistas democráticos e social democratas. Convoquem-se os integrantes autênticos do PDT, do velho MDB, os dissidentes do atual PMDB, do PTB, do PT e dos demais partidos da base governista de Dilma Rousseff.

Revivendo a mística do trabalhismo histórico brasileiro, que criou a Petrobras e iniciou o processo de desenvolvimento econômico e social autônomo no país, atrevo-me a sugerir que esta frente político-ideológica atue de forma horizontal, sem caciquismos e sem personalismos, e adote como denominação a sigla MTBR ou MTBU ou seja, Movimento Trabalhista Brasileiro Renovado ou Movimento Trabalhista Brasileiro Unificado.

Leia também:  Transparência dos partidos políticos segue como tabu

Será esta uma forma ousada e honesta de compor maioria congressual, evitar o impeachment da atual presidente da República e, passado o furacão, governar o país sem que novos sobressaltos golpistas imobilizem o governo. É preciso construir uma base política e parlamentar firmada em compromissos político-programáticos, extinguindo o toma-lá-dá-cá, o fisiologismo e a compra de apoios, corriqueiros no “presidencialismo de coalizão” e de transação que nos assola.

Os momentos das grandes crises são também os momentos propícios para as grandes decisões e para se dar início à construção de novos e renovados processos políticos e sociais.

Superar a crise em que o país se encontra hoje exige coragem, humildade e disposição para construir um novo pacto de entendimento. Ousemos, pois!

Benedito Tadeu César é Cientista Político e professor aposentado da UFRGS.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. sonhador – ” mas é preciso sonhar”

    só acredito em assembléia nacional constituinte sem direito a disputar cargo eletivo duarante 10 anos,

    com alteração seja lá em que lei for pra candidaturas avulsas,

    se partidária, sem coligação nenhuma

    somente com debates, sem marketing político televisivo ou de rádio.

    mas propor que esquerdas brasileiras se fundam, é demais: se se dividem em mil pedaços, o micro-micro PSOL de Pernambuco já tá com divisões e acusações públicas.

     

  2. Dilma

    Essa iniciativas de debbates NÃO pode ficar no campo da informalidade, o Governo Dilma tem que abraçar essa causa.

    A Dilma deve canalizar essa onda ativista anti-corrupção em Conferencias, tal como o Lula fez no inicio do mandato.Conferencia de Comunicação, Conferencia sobre Reforma Poliítica,  e tudo mais que é necessário.

    Se ela não quer se uma ilha de hostedidade.

    Se ela quer que a politica saia do coma

    Se ela quer que o PT não se extinga 

    Ela precisa mudar, mas não mudar sozinha com conselhos do seu umbigo….Ela tem que mudar ouvindo o povo, dando voz a essa inquietude explosiva.

     

  3. Talvez MAIS IMPORTANTE QUE

    Talvez MAIS IMPORTANTE QUE IMPEACHMENT SERIA A REFORMA POLITICA!

    Seria A MAIOR CONTRIBUIÇÃO A DEMOCRACIA BRASILEIRA!

    SERIA O MAIS OUSADO MOVIMENTO POLITICO APÓS REDEMOCRATIZAÇÃO!

    • Conferencias

      A Dilma DEVE reviver as Conferencias da época do Lula, chamar a Sociedade, intelectuais, para debater o tema.

      É a única forma dela se imunizar da corrupção, mostrar qu como o povo, ela também é uma vitima, e mudar.

      Se ela fizer ( visto que é ovbio e facil ) ela estará dando um sinal contraditório.

    • Melhor

      Acho esta proposta melhor.

      O texto do post é um pouco tímido e teórico. Pela legislação atual, o fundo partidário permite a subsistência de muitos nanicos e estes não irão querer soltar aquele osso.

      Apenas uma reforma, com votações minimas e etc., poderia levar ao Brasil para 4 ou máximo 5 grandes partidos que realmente representem opções diferentes para o Brasil.

      Hoje vivemos numa torre de babel. Por outro lado, aquele joguinho de cartas marcadas dos EUA, entre o Boi Mimoso e o Garantido é brincadeira, para continuar mandando o poder econômico e fingir que o povo escolhe alguma coisa.

    • Não sei se o conteúdo da

      Não sei se o conteúdo da proposta é bom. Mas acho importante como exercício. O tal “toró de parpite”.

      Crise é oportunidade e para aproveitá-la é preciso ideias e ousadia (coragem) para apostar nelas.

      Acho que a direita deixou a bola quicando na área.

      Tem o “combate a corrupção” de um lado e de outro as coorporações que são remuneradas muitas vezes acima do teto constitucional atropelando o Estado Democrático de Direito, concentração/manipulação da Globo, as camisas da CBF e a corrupção da CFB/FIFA em parceria com a Venus Platinada, um movimento violento de pessoas majoritaritariamente brancas e de classe média e alta, um congresso dirigido por um Capo, uma comissão no congresso onde a maioria esta sendo investigada por ilícitos, denuncias abafadas de que todo espectro político é financiado ilegalmente por grandes empresas, a seletividade do aparelho judiciário em relação as denúncias dos governos paulistas, etc, etc.

      Quem tem um mínimo de dicernimento vê o Golpe por trás de tudo isso. A direita não é maioria no Brasil. Mesmo quem é contra o governo por incompetência ou por sua política economica de direita vê que o outro lado é o VELHO. Ou seja, do lado do Eduardo Cunha/Globo/Corporações (MP, PF, Jud.) estão aqueles que amam o passado e não veem que o novo sempre vem.

      É preciso ter inspiração para sonhar o novo, e coragem e competência para erguê-lo. 

      [video:https://www.youtube.com/watch?v=m92wwsCxk7k%5D

  4. Direita não precisa de partido

    A direita, principalmente esta nossa direita de Miami, não precisa de partido algum, mas apenas deixar que a tal de meritocracia e os poderes paralelos de gente que esqueceu do Bairro da Cruz, mandem no Brasil. Para eles, seja o Aecim ou Obama diretamente a coisa anda sozinha

    É a esquerda quem se fragmenta e procura 5 patas ao gato, enquanto o gato está sendo assassinado….. Apenas o PT possui sete ou mais correntes ou movimentos internos.

    Ontem saiu uma marchinha de PSTU e parte do PSol na cidade de São paulo, no clássico: “contra todo o que está aí”

    A direita se une ao redor do capital global que manda. A esquerda intelectualiza os problemas reais e os transforma em discursos teóricos e teses de mestrado.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome