A rede de escândalos em torno dos novos ministeriáveis do PMDB

Máfia das sanguessugas, Lava Jato, casos Dnit e Sudam fazem parte do currículo dos deputados que podem virar ministros

Jornal GGN – Em meio à reforma ministerial e tentativas de reagrupamento da base aliada, Dilma Rousseff (PT) tem recebido pessoalmente lideranças do PMDB para discutir o novo espaço destinado ao partido na Esplanada. Um dia após vitória do governo no Congresso sobre projetos que criariam mais despesas para a União, a presidente se reuniu com o líder peemedebista na Câmara, Leonardo Picciani, na manhã desta quarta-feira (23). Segundo informações de O Globo, Picciani entregou uma lista com os nomes de deputados escolhidos para ocupar ministérios. Em negociação, o da Saúde e Infraestrutura, que uniria Aviação e Portos.

Na lista constam alguns peemedebistas envolvidos em escândalos talvez já esquecidos e casos que ganharam destaque na mídia nas últimas semanas. O mais recente envolve o nome do deputado fluminense Celso Pansera, cotado para o Ministério da Infraestrutura. Ele foi taxado de “pau mandado” de Eduardo Cunha (PMDB), presidente da Câmara, pelo doleiro Alberto Youssef. Réu da Operação Lava Jato, Youssef indicou que Pansera usou a CPI da Petrobras para proteger Cunha. À época, Youssef confirmou a participação de Cunha em esquemas de corrupção na estatal de petróleo, abrindo caminho para uma investigação contra o parlamentar.

Leia mais: Duas vitórias importantes do governo, por Luis Nassif

Filho de agricultores e ex-militante do PT, PSTU e PSB, Pansera apresentou à CPI requerimentos para quebrar o sigilo de familiares de Youssef. Em outro momento, pediu que Julio Camargo e sua ex-advogada, Beatriz Catta Preta, se apresentassem à comissão. Depois, propôs que uma comitiva viajasse ao Canadá para investigar como o juiz Sergio Moro conseguiu quebrar o sigilo das mensagens de texto e ligações de Youssef, obtendo assim as informações que deram origem à Lava Jato. O jurista Celso Vilardi havia levantado a tese de que essa quebra de sigilo teria sido feita de maneira irregular, o que poderia comprometer a validade dos depoimentos de Youssef – e, consequentemente, as acusações que fez contra Cunha.

Na mesma lista em que está Pansera, o PMDB da Câmara também indicou como ministeriável os deputados Newton Cardoso Júnior (MG), Mauro Lopes (MG) e José Priante (PA).

Newton Cardoso Júnior é empresário, filho de ex-governador de Minas Gerais e vice-líder do PMDB na Câmara – apesar de ser iniciante em Brasília. No ano passado, o pai Newton Cardoso e o filho tiveram bens bloqueados em ação do Ministério Público Estadual contra duas empresas da família que atuam no ramo siderúrgico e teriam sonegado impostos e apresentado notas fiscais falsas. Newtão ou doutor Newton, o patriarca, também se meteu em outros dois escândalos que renderam processos: um por ter feito contratações irregulares quando era prefeito de Contagem, e outro por uso indevido de helicópteros do Estado. Foi pego na Lei da Ficha Limpa.

Com passagem pelo PFL dos anos 1990, Mauro Lopes, também cotado para o Ministério da Infraestrutura, é o parlamentar com mais experiência entre os cotados pelo PMDB para novos ministérios de Dilma.

Lopes está no sexto mandato e é secretário nacional do partido. É advogado, atuante em comissões que tratam de segurança pública, transporte e agronegócio. Apareceu em intrigas sobre preencher a máquina com nomes do PMDB quando Antonio Andrade (PMDB) era ministro da Agricultura; desistiu da cassação de um parlamentar ligado ao bicheiro Carlinhos Cachoeira e, mais recentemente, foi citado como influente nas indicações feitas pelo PMDB na Petrobras, investigadas na Lava Jato.

O último ministeriável da pasta de Infraestrura tem cinco mandatos em Brasília. José Priante é primo do senador Jader Barbalho (PMDB) e já comprou briga pelo comando da Companhia das Docas do Pará.

Este ano, foi escolhido por membros da Bancada da Bala para presidir a Comissão de Segurança Pública da Câmara. É um dos nomes do escândalo da Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia). O esquema, do início dos anos 2000, teria desviado R$ 1,2 bilhão dos cofres públicos.

Ministério da Saúde

Para o Ministério da Saúde – hoje ocupado pelo petista Arthur Chioro, que já avisou que sairá do cargo – o PMDB indicou três deputados federais: Marcelo de Castro (PI), Manoel Júnior (PB) ou Saraiva Felipe (MG). “A tendência é que a cobiçada pasta fique com Manoel Júnior”, escreveu O Globo.

No terceiro mandato como deputado federal, Manoel Júnior chegou a ser cotado para assumir o Ministério do Turismo no primeiro governo Dilma. Ventilou-se que o o deputado Luiz Couto (PT) vetou o nome do paraibano, hoje pré-candidato à Prefeitura de João Pessoa.

Ex-ministro da Saúde de Lula (2005-2006), Saraiva Felipe é entre três titulares da pasta – ao lado de José Serra (PSDB) e Humberto Costa (PT) – alvos da CPI pautada pela máfia das sanguessugas. Todos foram poupados de investigação. Para lembrar: a Polícia Federal desmontou, em 2006, um esquema de corrupção envolvendo 87 deputados e 3 senadores de 10 partidos. A rede trabalhava com parlamentares apresentando emendas ao Orçamento para compra de ambulâncias superfaturadas, em troca de propina.

Já o deputado Marcelo de Castro foi citado, em 2011, no escândalo do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), ao lado do filho, então titular da Secretaria de Infraestrutura do Piauí (Seinfra). Irmãos de Marcelo, proprietários da Construtora Jurema teriam sido beneficiados com contratos superfaturados em obras do Dnit e Seinfra. Quem comandava o Dnit era o cunhado de Marcelo. Os cargos estratégicos para o esquema eram indicados pelo PMDB.

Sem definição

Ainda não há definição de Dilma quanto ao Ministério da Infraestrutura, mas, de acordo com O Globo, ela já teria conversado com Temer sobre realojar o ministro Hélder Bargalho, da Pesca, em caso de a pasta ser fundida. O vice-presidente teria dito que a medida é providencial, já que Jader Barbalho (PMDB), pai do ministro, é responsável por melhorar as relações do governo com Renan Calheiros (PMDB), presidente do Senado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

22 comentários

    • Pois é! Foi esse Congresso

      Pois é! Foi esse Congresso que o povo elegeu. Também quero ver quem montou as folhas corrridas dos Deputados e porque  limparam suas fichas para se elegerem.

      Qual dos dois agentes e o mais nocivo ao país: quem fica nos bastidores montando e limpando  essas fichas, quando conveniente? Ou quem está na vitrine e o povo pode retirar quando quiser?

  1. A “rede de escandalos em

    A “rede de escandalos em torno dos novos ministeriaveis do PMDB” deveria se chamar “A rede de escandalos que a putada judiciaria esconde do Brasil”.

    Ou…  nao esconde.  De fato, o que o judiciario nao esconde que ta escondendo…  ta tudo escancarado.

    Vou ficar loooooonge do assunto.  Baixo clero envolvido em escaaaaandalo escondido pelo judiciario eh igual filho e peido alheio:  eu nao quero saber e nao quero estar por perto pra os cheirar pois quem adora ser cheira-peido eh o judiciario do Brasil.  Eu?  Nao.

  2. Hora de esvaziar o Pixuleco

    Nunca houve a menor possibilidade de impeachment contra Dilma. Talvez na imaginação suscetível de uns revoltados. Mas isso conta pouco ou quase nada.

    O que havia era isso: luta intestina pela troca de votos por cargos, por quem de fato manda: os ficha-sujas do Centrão. Em termos técnicos: presidencialismo de coalisão.

    A esquerda e os movimentos sociais, que ainda vivem no pensamento mágico adolescente, mais uma vez, pouco ou nada participaram dessa solução. Quando irão acordar e trabalhar pelo povo brasileiro? Se estivessem nas ruas, criando contrapontos, dando o apoio que a Dilma carece, batendo duro nos proto-golpistas, essa conta seria bem diferente.

    Enfim, vida que segue. Aécio foi rifado. Venceram os oportunistas (de sempre). Hora de esvaziar o Pixuleco.

  3. Vitórias da Dilma? Ou o fundo do poço?

    José Priante comanda o INCRA no Pará: Aqui ó: Operação Madeira Limpa, da Polícia Federal. Tenha a santa paciência!!!!!!!!!!!!!! É mais fácil entregar o cargo

    Nº 1 do Incra é exonerado 48 horas depois de ser preso pela PF

    ago 26th, 2015 16 Comentários

    Luiz Bacelar Guerreiro Júnior não é mais o nº 1 (superintendente) do Incra, Regional de Santarém.

    Ele foi exonerado oficialmente hoje (26) do cargo, 48 horas depois dele ser preso na operação Madeira Limpa, executada pela Polícia Federal.

    Além de Bacelar, também foi exonerado o servidor Adriano Luiz Minello, chefe da Divisão de Obtenção de Terras da autarquia.

    A portaria de exoneração dos dois foi publicada na edição de hoje do DOU (Diário Oficial da União), com aval da nº 1 do Incra nacional, Maria Lúcia Fálcon. Confira no Leia Mais, abaixo.

    Bacelar estava no cargo, desde novembro de 2012, por indicação do deputado federal José Priante (PMDB).

     

    O substituto de Bacelar no cargo ainda não foi definido.

    Leia também sobre o caso:
    Os 6 servidores federais presos na operação Madeira Limpa.
    Prefeitura de Óbidos emite nota sobre prisão do secretário de Meio Ambiente.

     

    INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA
    PORTARIA No – 432, DE 25 DE AGOSTO DE 2015

    A PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA – INCRA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 21, da Estrutura Regimental deste Instituto, aprovada pelo Decreto n.º 6.812, de 03 de abril de 2009, publicado no Diário Oficial do mesmo dia, mês e ano, combinado com o § 3º do art. 9°, do Regimento Interno da Autarquia, aprovado pela Portaria/MDA/nº 20, de 08 de abril de 2009, publicada no Diário Oficial da União do dia 09 seguinte, resolve:

    Art. 1º Exonerar LUIZ BACELAR GUERREIRO JÚNIOR, CPF nº. 094.386.532-87, do cargo em comissão de Superintendente Regional, código DAS-101.4, da Superintendência Regional de Santarém – SR-30, do Quadro de Pessoal deste Instituto.

    Art. 2º Dispensar ADRIANO LUIZ MINELLO, ocupante do cargo efetivo de Analista em Reforma e Desenvolvimento Agrário, matrícula SIAPE nº 1550983, dos encargos de substituto do Chefe de Divisão, código DAS-101.2, da Divisão de Obtenção de Terras, da Superintendência Regional de Santarém – SR-30, do Quadro de Pessoal deste Instituto.
    Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
    MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA FALCÓN

    X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-X-

    Mais do que depressa, o deputado federal José Priante indica o substituto:

    Ex-prefeito filiado ao PMDB deve assumir a chefia do Incra em Santarém

    ago 31st, 2015 6 Comentários

    Nos gabinetes da Superintendência Regional do Incra em Santarém (SR-30) não se fala outra coisa.

    O substituto do ex-número 1 da autarquia Luiz Bacelar Guerreiro Jr., exonerado do cargo semana passada por ter sido preso na operação Madeira Limpa, deve ser Adalberto Anequino (foto).

    Ele é o atual nº 2 do órgão.

    Filiado ao PMDB, ex-prefeito de Terra Santa, Anequino tem como padrinho político o deputado federal José Priante (PMDB).

     

    Roberto Ronaldo Dutra, atual chefe da Divisão de Obtenção de Terras do Incra, deve ser escalado para o cargo de Anequino.

     

     

     

  4. Certamente todos os

    Certamente todos os ministeriáveis de um governo ilegítimo originado por um golpe de estado branco seriam pessoas absolutamente isentas de quaisquer suspeitas, assim como os golpistas o são hoje, a começar por Cunha… Confesso, não li a matéria toda. Parei quando cheguei naquela parte “segundo O Globo”.

    • Discordo, Fernando. Pra eles

      Discordo, Fernando. Pra eles acabarem com a política de valorização do salário mínimo e os direitos trabalhistas? entregarem o que resta de patrimônio público incluindo Petrobras, Presal e bancos? Assinarem mais acordos entreguistas no âmbito internacional?

      Siinceramente, continuo enxergando como um governo de resistência. Continuo lembrando de uma frase da correspondência de Karl Jaspers com Martim Heidegger sobre as criticas que recebiam aceerca da suposta colaboração com o nazismo: “nosso erro foi estarmos vivos, é isso?”

  5. Surpreso?

    O PMDB é isso, sempre foi assim e ainda é o maior partido do País. Qual a novidade? Depende contra quem os ventos sopram… Como em São Paulo não venta o Serra foi eleito senador por nosso Estado.  Que pena!!

  6. Esta é a 1ª lista, com os melhores do PMDB. Espere pela 2ª

    Suponhamos que Dilma gentilmente recuse a lista “…apesar do nosso empenho, infelizmente não foi possível aproveitar nenhum nome”. Daí o Picciani manda uma lista alternativa. Com o nome da Roseana Sarney.

  7. Nese caso o problema em parte

    Nese caso o problema em parte não é da Dilma. Se roubaram ou roubarem, a cota maior de culpa cai no colo do ministro e no partido.

    Acho que a Dilma está sendo extremamente politica com o PMDB.

    A presidenta está usando a força politica do partido para sua sobrevivência politica, e compondo com os maiores canalhas da politica brasileira.

    Ela sabe que não adianta bater de frente com Renan, Cunha e Temer.

    Ela sabe também que Renan e Cunha estão na mira do MPF, portanto, com prazo de validade.

    Dizem que o tal do baiano tem dununcias fortes contra o PMDB que pode envolver até o Temer.

    Acho que a Dilma está jogando com a implosão do PMDB.

    Quem pensa que a Dilma está morta, ela resurgirá como uma Phenix.

     

     

  8. ” Peixes “

      Pelo menos estes ilibados parlamentares possuem a vantagem da experiência em lidar, tergiversar, enrolar, nosso caro e eficientérrimo sistema judiciário.

       Ministros peixes ensaboados, nunca ninguem conseguiu pegar.

       Suspeito sempre, processado as vezes, condenado NUNCA.

  9. Não têm jeito. De qualquer

    Não têm jeito. De qualquer modo a Dilma têm por obrigação se aliar a essas serpentes. Se correr o bicho pega e se ficar o bicho come.

  10. E em troca disso, o que se

    E em troca disso, o que se ganha? Nem aquele projeto de direito de resposta do requião se consegue votar.

    Pessoal, acordem: o golpe já foi dado. Quem vcs acham que manda? A Dilma? Cardoso? São os banqueiros e o PMDB.

  11. Como deve se sentir a Dilma,

    Como deve se sentir a Dilma, a única presidente da história do Brasil que está acima de qualquer acusação de desonestidade, no meio dessa máfia?

    O povo devia apoiá-la com todas as forças e lavar a boca antes de falar o nome dela.

  12. Tanta teimosia e tanta pureza

    Tanta teimosia e tanta pureza para lidar com os parlamentares e aí está: rodou, ficou tonta e parou onde deveria ter começado.
    Tivesse feito alianças logo após a eleição, não teríamos o Eduardo Cunha na presidência da Câmara dos Deputados, não haveria crise política, ou se houvesse já teria passado há muito, e o país estaria andando. Isso tudo tendo que ceder bem menos espaço ao PMDB do que agora.

    Ciro Gomes já deu a dica: essas escolhas serão a fonte dos escândalos Dilma 2.0.
    Alguém duvida?

  13. O trem-fantasma do PMDB

    O PMDB está pilotando um verdadeiro trem-fantasma em direção ao Planalto lotado de capivaras gordas E complemente desgovernado. Será um desastre ferroviário, sem dúvida.

  14. Está difícil encontrar um

    Está difícil encontrar um probo dentro do PMDB, vou dar uma lamparina para a Dilma. Várias vezes questionaram o Lula pela aliança com o PMDB, lembro que ele disse uma vez, o que queriam que ele fizesse pois quem ele dispunha para trabalhar são esses mesmos e não foi ele que os elegeram. É impossível, com o sistema que temos, um presidente da República ter a maioria absoluta do próprio partido, então se conformem, é com isso mesmo que está aí, que o povo elegeu, que o governo terá que governar. Dilma, tape o nariz e vá em frente.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome