Filhos de Bolsonaro alimentam racha do governo com Mourão

Carlos defendeu a tese de que o partido de Mourão estaria criando uma base própria no Congresso contra o presidente Jair Bolsonaro

Jornal GGN – Os conflitos e rachas dentro do governo Bolsonaro ganharam novo episódio, envolvendo uma vez mais os filhos do mandatário, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Carlos Bolsonaro, e o vice-presidente, o general Hamilton Mourão. Nesta quarta-feira (24), Carlos alimentou a tese de que o partido de Mourão estaria criando uma base própria contra o presidente Jair Bolsonaro.

A interpretação do filho de Jair foi manifestada nas redes sociais, ao compartilhar um vídeo de um canal de movimentos de eleitores de Bolsonaro, em que o apresentador mencionava que “o PRTB, partido de Levy Fidelix e Mourão, monta uma base de apoio na Câmara dos Deputados, criando um racha na base governista”.

Segundo essa tese, o vice-presidente estaria contando com a articulação de Levy, ex-deputado e presidente do PRTB, para angariar essa “oposição” interna. O suposto racha não foi nem conversado ou debatido com o próprio pai, mas os filhos já alimentaram essa teoria nas redes sociais.

No vídeo, o apresentador ainda afirma que Mourão já teria o apoio dos militares e da Maçonaria e que Carlos estaria agindo contra essa articulação. E o próprio filho do presidente endossou: “Curiosa opinião dos organizadores do canal do youtube ‘Vista Pátria’ sobre ocorrido hoje. Assista sua colocação”, comentou, ao compartilhar o vídeo. Veja abaixo:

Como se não bastasse Carlos, o outro filho do mandatário, o deputado Eduardo Bolsonaro, que sempre o acompanha em viagens e outras agendas do próprio presidente, saiu em defesa do irmão e disse que Carlos está “apenas reagindo a isso tudo que salta aos olhos”.

“O que tem causado bastante ruído são as sucessivas declarações do vice-presidente (Hamilton Mourão) de maneira contrária ao presidente da República”, disse Eduardo, em entrevista à agência Estado.

Leia também:  Para jornalista, retorno de Bolsonaro ao Rio no dia de Marielle "não se comprova"

“O que parece é que, se o general conseguir cumprir a missão dele, que é substituir o presidente no caso da ausência, tudo bem. Ou as missões que o presidente der a ele. Se ele for um soldado do presidente, tudo se encaixa”, continuou.

Mas disse também ter dúvidas sobre se Mourão seria fiel a Bolsonaro. Ao ser questionado se achava “saudável ficar alimentando discussão nas redes sociais no momento em que o governo tenta aprovar a reforma da Previdência”, Eduardo indicou que esse conselho seria “válido para o vice-presidente”.

“Que todo mundo faça uma autorreflexão. É claro que o foco aqui é na Previdência. Existe limite para as coisas. São muitas declarações. Várias vezes as pessoas trazem reclamações relativas ao vice-presidente. Eu falo, olha, segura, é um cara bom, leal. Mas chega um momento que as pessoas começam a falar, ‘Eduardo, você é ingênuo ou está tapando os olhos para a realidade’?”, completou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Camaradas, na boa

    Já encheu o saco, ninguém quer saber o que o tonho da lua acha (pensar é um ato que causa dor extrema a este sujeito) de qualquer coisa; ou se importa com as tretas dos olavetes e entre os olavetes. Sem falar que o cara escreve pior do que eu

  2. Nassif: o bloco de sujo tá na rua e os carnavalhescos fantasiados à carater. O carro alegórico é um picadeiro. E o tema musical, repetido —“Hê, hê e hêhê, Indio quer apito, se não der pau vai comer”.

  3. Alguem no Brasil sabe que um filho de Trump tambem foi oficialmente escusado de um processo de corrupcao… por ser ***estupido demais*** pra sequer entender o que faz??????

  4. A coisa é simples, quem faz política faz alianças com seus iguais, no caso elementos de extrema-direita fazem alianças com elementos de extrema-direita. Porém, se há pessoas que só vivem enxergando teorias da conspiração, vão continuar vendo o mesmo em qualquer outra coisa, ou seja, um governo com uma dose alta de paranoicos vão ver sempre algo a mais na luta pelo protagonismo.
    Os políticos tradicionais sabem que o universo da política está cheio de pequenas traições, só que eles não acham que tem missões divinas para ser cumpridas, logo qualquer coisa é magnificada ao máximo, fazendo que a tendência centrífuga se torne maiores do que as centrípeta.

  5. Essa gente deveria ser esquecida.Estão todos do mesmo lado e somente querem distrair a população enquanto torram o patrimônio público.

  6. D. João VI perdeu a soberania no Brasil para o filho. D. Pedro II perdeu a coroa brasileira por causa da filha. Os filhos de Getúlio Vargas perderam o pai porque ele saiu da vida para entrar na História do Brasil. Fernando Collor foi derrubado pelo irmão.

    Perseguir os filhos de Lula tem sido uma técnica usada para ferir o ex-presidente. Se não isolar Carlos Bolsonaro o vagabundo Jair Bolsonaro perderá seu cargo por ter criado outro. Vereador Federal com poderes ministeriais cibernéticos extra constitucionais não existe na CF/88.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome