Haddad: governo pode ser avaliado pelo discurso de Bolsonaro em Davos

Sobre Davos: “Há uma discrepância entre o que é veiculado pela imprensa no Brasil e o que é veiculado fora” (REPRODUÇÃO)

da Rede Brasil Atual

Haddad: governo pode ser avaliado pelo discurso de Bolsonaro em Davos

“O Brasil nunca foi tão mal representado num fórum internacional. Ele mal conseguia falar o que tinha ido dizer”, disse ex-prefeito paulistano em Lisboa

por Redação RBA

São Paulo – O ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro Fernando Haddad explicou na noite de hoje (22), em Lisboa, a um público que lotou a Casa do Alentejo, para o debate Democracia e perda de direitos no Brasil, que “não houve mera alternância do poder” e que o governo de Jair Bolsonaro pode ser avaliado pelo discurso feito pelo atual presidente da República em Davos, Suíça, no Fórum Econômico Mundial.

“(Fora do país) as pessoas estão perplexas em relação ao Brasil. Há uma discrepância entre o que é veiculado pela imprensa no Brasil e o que é veiculado fora. Basta ver a repercussão do discurso de Davos hoje, na imprensa internacional e na local. Na imprensa local, estamos quase diante do discurso de um estadista”, ironizou. “Na imprensa internacional, a frustração é enorme. O Brasil nunca foi tão mal representado num fórum internacional. Ele mal conseguia falar o que tinha ido dizer.”

Em outro momento, acrescentou: “Não temos meios de comunicação imparciais que tenham compromisso com a verdade a todo custo. A maioria dos meios de comunicação são laudatórios do governo atual”.

Leia também:  Aumento da mortalidade no país está diretamente ligado a corte de verbas no SUS

Candidato à Presidência da República em 2018, Haddad avalia que o discurso em Davos passou “sinais péssimos  e contraditórios”. “Não se sabe qual projeto de país. As idas e vindas são dramáticas sobre tudo. Amanhã você pode receber a notícia de que nada do que foi dito hoje está valendo. Porque há uma tutela dos militares.”

Ele questionou “a vinculação cada vez mais explicitada” de membros do governo e da família Bolsonaro com milícias. “Os gabinetes (de deputados) estão coalhados de milicianos. Por que um deputado contrata miliciano, parentes de milicianos para sua assessoria? Esse pessoal está preparado para fazer projeto de lei?”

Segundo Haddad, o governo é formado por três núcleos. “Um núcleo fundamentalista obscurantista, um neoliberal, e tem a tutela militar.” Ele observou haver diferença significativa entre perder uma eleição para a direita, porque neste caso uma parte dos direitos fica preservada, e ser derrotado pela extrema-direita. “Sobretudo (uma extrema-direita) dessa natureza que assumiu o Brasil. Tudo está em discussão: a escola laica, a auto-organização do movimento popular. Os líderes dos sem-terra e sem-teto podem ou não serem tratados como terroristas.”

O petista voltou a criticar a imprensa dizendo que ela “trata com naturalidade” fatos como, por exemplo, o ministro da Educação (Vélez Rodríguez) dizer que o Enem é do presidente da República e que ele pode censurar a prova elaborada por educadores. “Com todo respeito, quem é Bolsonaro para julgar um educador? Uma pessoa que não consegue elaborar uma frase com 10 palavras vai julgar um educador?”, questionou.

Leia também:  Toffoli afirma que caso Flávio Bolsonaro não está em análise na Corte

O ex-prefeito falou rapidamente sobre o escândalo envolvendo Flávio Bolsonaro, outra vez usando ironia. “Se ele conseguir comprovar a evolução patrimonial, tem que substituir o Paulo Guedes. Porque trata-se de um gênio.”

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. As manchetes de hoje

    No G1 as manchetes voltam a ser protocolares sobre o tema:

    O nome Fávio Bolsonaro não é encontrado.

    O de Queiroz é citado alertando para o perigo que isto tem para a Reforma da Previdência

     Bolsonaro  disse que por ora não deixará o acordo de Paris ( Isto é Davos)

     

    Gurovitz- Bolsonaro evita riscos em Davos.

     

    Na Folha: Se Flávio errou, e for provado, terá que pagar-Bolsonaro

    Depois elogios a Moro e Guedes

    Mais previdência- falando em inclusão de militares

    Criticas vagas e suaves ao discurso de Davos

    Gielow- Mera insinuação de ligação com o caso Marielle será um desastre.

     

    Estadão:

    A mesma frase da folha : Se Flávio errou……….

    Manchete primeira: Pode ter certeza que alguem do PT vai vazar a prova do ENEM

    De novo para salvar Moro: Receita decide investigar as citações do COAF

    Mais uma frase vaga sobre Queiroz

    Paulo Guedes quer baixar o imposto de renda das empresas

    Delfim  Neto: Guedes e Moro bem articulados em Davos. “Bolsonaro foi fundamental”

    Na coluna de Vera Magalhaes: Guedes salva Bolsonaro

    Davos?????

     

     

    Como podem notar o Desastre de Davos e o caso Bolsonaros Milícias  são meras insinuações.

    Isto indica que Midia  e  governo Bolsonaro já devem estar fazendo algum acordo. O tal pente fino da receita ( apenas para salvar as aparências de Moro ) vai ser igual ao pente fino nas contas de Serra e filha, Alckmin, FHC e filha. ( pente sem dentes) E nesta e nas proximas semanas as notícias ficarão em Guedes poupando Moro, e depois será em Moro através de alguma delação torturada sobre alguém do PT.

    Em resumo o golpe continua, e como no caso Queiroz tudo vai ser cozinhado em banho maria, vindo a tona quando e apenas quando algum grupo de pressão estiver agindo para tomar conta do governo.

  2. increditável o conluio da

    increditável o conluio da grande mídia com o programa de exclusão social bolsonárico….

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome