Intervenção contra Venezuela faria do Brasil “bucha de canhão dos EUA”, diz Gleisi

Senadora afirmou que sanções aplicadas pelos EUA contra Venezuela agravaram situação do país / Foto: Wilson Pedrosa/Fotos Públicas

Senadora afirmou que sanções aplicadas pelos EUA contra Venezuela agravaram situação do país - Créditos: Foto: Wilson Pedrosa/Fotos Públicas

do Brasil de Fato

Intervenção contra Venezuela faria do Brasil “bucha de canhão dos EUA”, diz Gleisi

Em vídeo publicado no YouTube, senadora criticou o que chamou de “postura submissa” do Brasil aos Estados Unidos

Redação

Em um vídeo publicado em seu canal no YouTube nesta segunda-feira (21), a senadora e presidenta do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, afirmou que, caso ocorra uma intervenção militar na Venezuela, o papel do Brasil “será o de bucha de canhão dos Estados Unidos”.

Sem citar diretamente o Grupo de Lima, Gleisi criticou o endurecimento dos ataques contra o governo venezuelano. No início do mês, o bloco, do qual o Brasil faz parte, anunciou que não iria reconhecer o novo mandato do presidente Nicolás Maduro. “Gostem ou não, Maduro foi eleito com 67% dos votos do povo venezuelano”, afirma no vídeo.

Segundo a senadora, “com essa postura intransigente e submissa aos EUA, Bolsonaro só tende a acelerar a crise [na Venezuela]. E uma intervenção por lá prejudicaria todos nós. Não precisa concordar com Maduro, com seu governo ou com os processos institucionais venezuelanos para entender que, no caso de uma intervenção militar na Venezuela, o papel do Brasil seria, infelizmente, o de bucha de canhão dos Estados Unidos”.

Em 2017, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, insinuou que estudava a possibilidade de uma intervenção militar na Venezuela. Em outubro, nas Nações Unidas, o mandatário reiterou a possibilidade quando questionado por jornalistas.

Leia também:  União homoafetiva não pode ficar de fora do conceito de entidade familiar, diz STF

Desde antes de assumir, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, adota um tom contrário ao governo Maduro. “Desestabilizar a Venezuela é a próxima meta. Trump e Bolsonaro são aliados nessa investida. Falam até em intervenção militar”.

Justificativa humanitária

A senadora também criticou a justificativa humanitária dada pelos governos regionais e pelos EUA para intervir na Venezuela, classificando o endurecimento do tom contra o governo Maduro de “ação coordenada”. Os “ataques ao governo e ao povo venezuelano nada tem a ver com a defesa da democracia ou da liberdade de oposição naquele país. Não é motivada por nenhuma preocupação com o povo“.

No vídeo, Gleisi ainda lembrou que não é a primeira vez que os Estados Unidos buscam interferir em outros países alegando a necessidade de defender outras populações. Para ela, “em nome de defender os direitos do povo e instalar a democracia, os EUA invadiram o Iraque. Mais de 250 mil pessoas morreram e cidades foram totalmente destruídas. O rastro que ficou foi de fome, miséria e destruição”.

Sanções

Em agosto de 2017, Trump impôs uma série de sanções contra a Venezuelasob a justificativa de “restabelecer a democracia” no país sul-americano. Em dezembro de 2018, novas medidas para pressionar o governo Maduro foram anunciadas pelo mandatário norte-americano. 

Além disso, o governo da Colômbia, chefiado pelo então presidente Juan Manuel Santos, também adotou um tom agressivo contra o país vizinho, chegando a bloquear exportações de remédios e alimentos para a Venezuela.

Segundo a senadora, ações como essas foram determinantes para acentuar a situação venezuelana. “As dificuldades que passa a Venezuela só foram agravadas pelas sanções impostas pelos EUA e seus aliados. Não foi a preocupação com o sofrimento do povo que fez a Colômbia se recusar a vender remédio ao governo venezuelano, mesmo este tendo dinheiro para pagar”, frisa.

Leia também:  O acordo comercial Brasil-EUA e seus riscos geopolíticos, por Andre Motta Araujo

Confira o vídeo: 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Mas o Brasil gosta de ser

    Mas o Brasil gosta de ser bucha

    de canhão.

    Lembram da infame guerra do Paraguai? Ali o Brasil representou interesses dos ingleses.

    Nosso destino, pelo jeito, é ser um país sabujo do imperealismo.

  2. A elite brasileira anda de
    A elite brasileira anda de quatro…..

    Elite brasileira não existe, é um bando de imbecis que sugam o país e o povo e se acha européia…….

    Quem iria servir de buchas são os jovens, que ganham uma merreca e até antes do governo Lula não tinham alimentos suficientes para todos………

  3. acho que a gleise é muito

    acho que a gleise é muito corajosa….

    tem de explicar a verdade par aas pessoas

    tomarem decisão sobre a questão….

  4. Eleição ilegítima

    Considero a eleição de Bolsonaro ilegítima pois Lula foi injustamente impedido de concorrer, mas a eleição de Maduro também é ilegítima e contestavel. Os principais líderes da oposição não puderam disputar por pura conveniência de Maduro.

    Quanto a vender produtos ao governo venezuelano, creio que seja um risco muito grande. Alguns fornecedores de alimentos como Portugal e Espanha tomaram calotes enormes. Vide o caso dos pernis natalinos em 2018.

    A situação da Venezuela é de calamidade pública, mas Maduro insiste em não admitir e entidades como a ONU não podem distribuir remédios e alimentos à população. Maduro vai cair e pelo andar da carruagem cairá como Kadaff.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome