“Não estamos num momento ‘normal'”, diz PT em balanço do ano eleitoral

Por resultados obtidos mesmo em meio à crise do cenário político, Fernando Haddad foi apresentado como a nova liderança nacional do partido
 

Foto: Divulgação
 
Jornal GGN – Em balanço publicado neste final de semana, o Partido dos Trabalhadores (PT) fez uma análise do ano eleitoral, destacando as perseguições políticas e judiciais contra lideranças que buscavam o pleito, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e apresentando o então candidato Fernando Haddad como a “nova liderança nacional do Partido”. O documento foi divulgado em encontro em Brasília, nesta sexta (30) e sábado (01), comentando os resultados nas urnas.
 
Desenhando o cenário do país que enfrentamos hoje, com a “radicalização da econômica neoliberal”, o partido mostrou-se preocupado com a “agenda regressiva de ataque aos direitos humanos, aos direitos das mulheres, dos negros, da comunidade LGBT, dos índios, migrantes e dos direitos dos trabalhadores no mercado de trabalho”. 
 
“É uma política que verbaliza, milita e tem o objetivo de acabar com o que restou de Estado Laico e de direitos dos grupos historicamente discriminados”, manifestou o partido.
 
Da mesma forma escreveu Lula em sua última carta de dentro da prisão de Curitiba, o partido reafirmou que “não estamos num momento ‘normal’ pós-eleições”. Entre os fatores vistos, a ruptura do “pacto constitucional” desde a derrubada do governo de Dilma Rousseff, a prisão e o impedimento da candidatura de Lula, foram vistos como “ataque à democracia” que “ecenrrou o respeito aos direitos civis e políticos mínimos”. 
 
“Depois da eleição, no período de apenas dez dias, a aparato jurídico – policial do golpe iniciou 5 processos novos contra Haddad, Dilma, Lula, Guido Mantega, Vaccari e outros. O objetivo nesse momento é condenar Lula em várias outras ações sem base legal, sem provas e sem direito ao contraditório. No mesmo passo, o companheiro Fernando Haddad foi transformado em réu por meio de ação arbitrária e infundada, seguido pela presidenta Dilma e outros petistas o que revela a natureza do Estado policial que se estrutura a partir do Ministério da Justiça, composto por quadros oriundos da Operação Lava Jato”, lembrou o PT, no balanço.
 
Por fim, na rápida ascensão que conquistou o candidato escolhido por Lula para o substituir nas eleiçoes 2018, Fernando Haddad foi apresentado oficialmente como a “nova liderança nacional” do partido.
 
“É imprescindível ressaltar nesse balanço que o companheiro Fernando Haddad se projeta como uma nova liderança nacional do Partido. Defendeu o legado do PT, ao mesmo tempo em que simbolizou aspectos de renovação política e social de que o PT é capaz, logrando conjuntamente com a militância democrática, da esquerda e do partido chegar ao final do segundo turno com 47 milhões de votos. É com este saldo político que Fernando Haddad poderá cumprir destacado papel frente aos novos e complexos desafios da conjuntura”
 
Leia, abaixo, a íntegra da resolução:
 

1 comentário

  1. Telegramas do fim do mundo
    O erro de análise se dá em varias instâncias, mas todad podem derivar da própria incapacidade do partido, refletida na sua fala institucional, de que não compreendeu o momento de apocalipse das formas normais se organização social e políticas pautadas pelo modo de produção conhecido:o capitalismo produtivo de valor.

    A resposta do partido parece uma negativa de enxergar o fim que se precipita…. talvez intuindo sua obsolescência iminente,não como instrumento de luta política, mas pela crença de que essa luta se dará (continuará)nas formad conhecidas.

    A tese da excecionalidade não explica o ineditismo do que vivemos.

    O capital está mudando de pele… no entanto, a troca vulgar que nos apresentava uma nova serpente não mais explica sua sucessão… agora nasce um Hydra.

    E cada cabeça devora a vizinha e renascem mais duas.

    A contingência (monetização do valor em dinheiro e os sistemas de monetização fictícios, o crédito) virou fim em si.

    Ora… o PT revela uma exceção (anormalidade) mas ao mesmo tempo esquece que essa anormalidade é o normal do capital e também responde como se a “anormalidade” descrita pudesse ser combatida com aspectos “normais” da luta politica:

    Indicar o candidato como liderança nacional. Como se eleições ainda importassem.

    E embarcam na tese da exceção requerendo medidas excepcionais… (embora nada de excepcional façam).

    Esquizofrenia?

    O PT parece querer salvar aquilo que já não existirá… imaginando possível reaver um pacto constitucional dentro de um ordem capitalista que não tem mais sentido.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome