Sem ainda assumir governo de SP, Dória prepara apoios para Planalto em 2022


Foto: Marcelo Corrêa/Fotos Públicas
 
Jornal GGN – João Dória (PSDB) nem iniciou sua gestão como o próximo governador de São Paulo e, com a vitória ao comando do estado apenas dois anos depois de ter vencido as eleições para prefeito da capital, já pensa em disputar a Presidência da República daqui a 4 anos.
 
As duas vitórias seguidas, na Prefeitura e no governo estadual, fizeram com que o até então empresário fosse picado pela mosca azul, aumentando suas ambições ao comando do país. Pensando nisso, Dória traçou o perfil do primeiro escalão do governo de São Paulo, ampliando propositalmente suas alianças a partidos que, até então, não dialogava diretamente.
 
Um dos movimentos de Dória que destoou do restante de seus correligionários do PSDB foi o apoio explícito e rápido dado logo no segundo turno das eleições presidenciais a Jair Bolsonaro (PSL). Parte dos tucanos mostraram-se contrariados com a postura do empresário e ex-prefeito de São Paulo.
 
O distanciamento de uma das frentes do PSDB por Dória foi contínuo. Preparando sua equipe para o governo de São Paulo a partir de 2019, o ex-prefeito decidiu convidar nomes do PSD, DEM, PP, PRB e MDB para compor a nova gestão. 
 
A exemplo do que fez o próprio futuro presidente Jair Bolsonaro, em sua estratégia anterior de planejamento de imagem pessoal e de apoios políticos, Dória está preparando sua atuação futura, com 4 anos de antecipação, pensando já na disputa ao Planalto em 2022. 
 
Entre os convidados por João Dória, 6 secretarias do governo de São Paulo serão chefiadas por ex-ministros de Michel Temer, que apesar do impopular governo do então presidente, são nomes de aceitação de frentes politicamente conservadoras e economicamente liberais.
 
Henrique Meirelles, por exemplo, foi anunciado nesta terça-feira (11) por Dória para comandar a Fazenda de São Paulo. Os convites chamam atenção não somente pelo fato de não necessariamente dialogar com o próprio partido do qual é filiado, o PSDB, para o último martelo, mas também porque o ex-prefeito, até então, vinha se apresentando como uma figura de “gestor” e não de “político”.
 
A ampliação das alianças, contudo, indica claramente o contrário – o empenho de articulações políticas para a conquista de apoio futuro, na conhecida troca de favores dos corredores da política.
 
A declaração de Dória, por outro lado, insiste em sua figura de “gestor”, empresário: “Nosso objetivo é gestão, não eleição, com os melhores nomes disponíveis no País”, disse, nesta terça. Outra herança de Michel Temer ao estado de São Paulo será o atual ministro da Educação, ligado ao DEM, Rossieli Soares, que assumirá a pasta de Educação estadual. 
 
Outros nomes fora do setor político foram escolhidos por Dória para assumir as pastas de Saúde, que ficará a cargo de José Henrique Germann, e Alexandre Baldy, que apesar de filiado ao PP, não tem muita experiência política, é advogado, e assumirá a Secretaria de Transportes Metropolitanos.
 
 

4 comentários

  1. mosca azul ?

    Só se for a mosca azul da impunidade  e da garantia de que não terá sua carreira politica interompida  por denuncias de ireesponsábilidades administrativas , enquanto as consequencias dos seus cortes orçamentários atingem somente aos pobres nada se fala mas o contingenciamento de verbas para manutenção de pontes pode gerar uma grande tragédia  !

  2. É um projeto audacioso dadas

    É um projeto audacioso dadas as circunstancias de ruptura do sistema que um governo Bolsonaro representa.

    Hipotese 1 > Governo Bolsonaro bem sucedido, haverá ou reeleição ou o grupo fara a sucessão dentro de seu sistema.

    Hipotese 2 > : Governo Bolsonaro fracassa, a sucessão ou será um militar imposto dentro do sistema ou será a esquerda.

    Doria tem o mesmo progrma economico de Bolsonaro, Meirelles declarou no Manhattan Connection de domingo, 9/12,

    que Paulo Guedes vai executar o programa economico que ele Meirelles faria, portanto Doria seria mais do mesmo

     cunho idologia e projeto economico, como vai suceder se Bolsonaro fracassar?

    E se não frcassar não o grupo não abrirá espaço para um de fora , essa seria a logica mas politica tem mais variaveis,

    o que é possivel como descrição de cenarios e apenas explorar a logica, que é o que faço.

     

  3. lembrete

    A ambição, a ganância, a vaidade, o orgulho e a obstinação pelo poder leva pessoas a cometerem erros e barbaridades, que arrependimento algum poderá evitar a tragédia da derrocada social, financeira, profissional e certamente da perda da liberdade.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome