Sistema de Lula Central já produz 30 mil barris por dia

Jornal GGN – Na última sexta-feira (8), a Petrobras iniciou a produção de petróleo e gás natural em Lula Central, o décimo grande sistema definitivo de produção a operar na camada do pré-sal. A produção na última segunda-feira (11) já se estabilizou em 30 mil barris por dia (bpd).

O sistema está localizado na Bacia de Santos, no Campo de Lula, na costa do Rio de Janeiro e interligado ao navio-plataforma Cidade de Saquarema, que tem capacidade para produzir até 150 mil barris de petróleo por dia e comprimir 6 milhões de m³ de gás. A unidade está ancorada em uma área com 2.120 metros de profundidade.

O projeto Lula Central inclui 18 poços: nove produtores e nove injetores. Este é o segundo sistema a iniciar operação no pré-sal da Bacia de Santos, que já responde por 40% da produção total da Petrobras no Brasil.

“A entrada de novos sistemas e a manutenção do desempenho dos sistemas que já operam a plena capacidade, aliados ao crescimento da produção dos sistemas mais recentes vêm contribuindo para os excelentes resultados alcançados no pré-sal”, disse a Petrobras em nota.

De acordo com a estatal, o bom desempenho se deve principalmente à produtividade dos poços interligados da Bacia de Santos. Na região, a produção por poço está em torno de 25 mil barris por dia, “muito acima da média da indústria”. “Dos dez poços com maior produção no Brasil, nove estão localizados nessa área. O mais produtivo está localizado no campo de Lula, com uma vazão média diária de 36 mil barris de petróleo”.

A Petrobras explica que a alta produtividade gera uma importante redução do custo de extração. No primeiro trimestre, o custo por barril atingiu um valor inferior a US$ 8. “Um resultado bastante significativo, se comparado com a média da indústria”.

“Além disso, a alta produtividade dos reservatórios tem exigido menor número de poços por sistema de produção que, aliada à melhoria da eficácia na construção dos poços, tem permitido uma forte redução nos investimentos dos projetos em implantação, aumentando a rentabilidade deles”.

O tempo médio para a construção de um poço no pré-sal da Bacia de Santos caiu de 310 dias, em 2010, para 89 dias nos cinco primeiros meses de 2016, uma redução de 71%.

A Bacia de Santos é provavelmente o mais importante polo produtor da companhia, já respondendo por mais de 70% da produção no pré-sal. Apenas o campo de Lula, o primeiro a produzir pré-sal na bacia, cinco grandes sistemas estão em operação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Uma boa noticia.

    Só não sei dizer para quem. Pela lei do pré-sal vigente cabe a nós brasileiros a maior fatia desta produçao. Já para a alteração proposta pelos golpistas acredito que a parcela brasileira será muito diminuída, para gaudio das multi estrangeiras como sempre quis Obama. Fora temer. O petróleo tem que ser nosso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome