A dificuldade em captar a voz das ruas

Coluna Econômica

É curiosa e assustadora a incapacidade dos partidos políticos brasileiros de intuírem os novos tempos. Nem mesmo quando os novos tempos aparecem de frente, mortais e fulgurantes como um iceberg gigante.

A Constituição de 1988 consagrou – no papel – formas expressivas de participação popular através das Conferências Nacionais, do modelo SUS (Sistema Único de Saúde) e outros estatutos de cidadania.

Os primeiros anos da Nova República foram tomados pelo fantasma da hiperinflação. Mesmo assim, houve respiros de organização na sociedade civil, gradativamente bebendo os ares democratizantes e se organizando.

***

Fernando Collor foi o primeiro a intuir os novos tempos, de descentralização, abertura para o exterior, manifestação dos “descamisados”. Mas, com seu voluntarismo, foi um desastre político.

Já Fernando Henrique Cardoso pegou a bandeira da estabilidade econômica. O Plano Real empalmou de tal maneira as aspirações nacionais do momento, que a oposição não conseguiu encontrar um discurso minimamente eficiente.

***

A insensibilidade social de FHC – mais os erros de gestão na questão energética – abriram espaço para o novo discurso, calcado no social e na inclusão. Lula foi eleito sob essa bandeira e consolidou-a com a universalização dos programas sociais.

***

Nesse ínterim, a sociedade civil foi ganhando cada vez mais consistência, agora impulsionada pelo fenômeno das redes sociais. Desde os anos 90, movimentos sociais ganharam força com a Internet. Nos anos 2.010 foi a vez da classe média se mostrar participante.

Desde o advento da chamada nova classe C, discute-se nos dois lados – PT e PSDB  – o próximo tempo do jogo. Ao construir o mercado de consumo de massa, o lulismo definiu o jogo e o vencedor dessa etapa. Mas abriu as portas para a segunda etapa, um novo quadro político radicalmente diferente do anterior.

Esta é a riqueza dos processos sociais e econômicos. Há milhões de excluídos. Montam-se programas de inclusão. Incluídos, os novos cidadãos não tem a mesma natureza do pré-inclusão. Tornar-se-ão cada vez mais exigentes, cada vez mais ansiosos por democracia – isto é, pela participação nos destinos do país. Ora, essa é a dinâmica histórica das democracias.

Leia também:  EUA receberão informações sigilosas da Petrobras graças à Lava Jato

***

As manifestações de junho deixaram esse quadro bem à mostra. Mas todos – repito TODOS – os atores políticos, da presidência aos pré-candidatos, reduziram as manifestações meramente à questão da mobilidade e da qualidade dos serviços públicos.

***

É muito mais que isso.

No governo Lula houve alguns ensaios de participação popular ou participação qualificada.

Esse novo modelo – aberto (ainda que de forma limitada) à colaboração externa – tornou obsoletas as políticas de gabinete praticadas na imensa maioria da administração pública.

Mas não se avançou. Houve um refluxo no governo federal e nenhum avanço nos governos estaduais. Além de Dilma Rousseff, nenhum dos pré-candidatos – Aécio Neves, Eduardo Campos ou Marina Silva – entendeu a nova voz das ruas e das redes sociais.

Não se quer apenas mais ônibus; o que se quer é participação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome