A oposição dos republicanos à educação

Da Folha

Ignorância é força

PAUL KRUGMAN

É notável que a nova hostilidade à educação seja compartilhada por duas alas do Partido Republicano

Uma das coisas excepcionais que os norte-americanos sempre demonstraram era apoio à educação. Primeiro, assumimos a liderança no ensino primário universal; depois, o “movimento pela educação secundária” fez de nós a primeira nação a criar uma estrutura universal de ensino de segundo grau.

E, depois da Segunda Guerra Mundial, ajudamos grande número de norte-americanos a obter diplomas universitários.

Mas agora um de nossos dois grandes partidos políticos fez uma curva abrupta à direita e se opõe à educação. É notável que essa nova hostilidade à educação seja compartilhada pela ala socialmente conservadora e pela ala economicamente conservadora do Partido Republicano, hoje representadas pelos pré-candidatos Rick Santorum e Mitt Romney, respectivamente.

E isso tudo acontece em um momento no qual a educação já está enfrentando sérios problemas.

Quanto à hostilidade: Santorum conquistou manchetes ao declarar que o presidente Obama quer aumentar o número de pessoas matriculadas no ensino superior porque as universidades são “fábricas de doutrinação” que destroem a fé.

Mas a resposta de Romney a um aluno do segundo grau preocupado com os custos de uma educação universitária talvez seja mais significativa, porque o que ele disse aponta para escolhas políticas concretas que solapariam ainda mais a educação nos Estados Unidos.

Eis a resposta do candidato ao estudante: “Não escolha a universidade com o preço mais alto. Procure uma escola com preço um pouco menor na qual possa obter uma boa educação. Com sorte, você a encontrará. E não espere que o governo perdoe as dívidas que contrairá para bancar seus estudos”.

Uau. Lá se vai a tradição norte-americana de prover assistência aos estudantes. E as declarações de Romney eram ainda mais cínicas e destrutivas do que você talvez tenha percebido, tendo em vista o que vem acontecendo recentemente.

Pelas duas gerações passadas, escolher uma escola mais barata em geral queria dizer optar por uma universidade pública. Mas, hoje em dia, o ensino superior público enfrenta cortes de orçamento ainda mais severos que o restante do setor público. Considerada a inflação, o apoio dos Estados ao ensino superior caiu em 12% nos últimos cinco anos, enquanto o número de alunos continuava a crescer; na Califórnia, as verbas públicas para o ensino superior caíram em 20%.

Ao longo dos últimos 30 anos, surgiu uma desconexão chocante entre os imensos avanços de renda dos mais ricos e as dificuldades dos trabalhadores. Pode-se propor o argumento de que o interesse da elite norte-americana seria melhor atendido pela preservação dessa desconexão, o que significa manter baixos a qualquer custo os impostos dos mais ricos, não importando as consequências que a infraestrutura que serve aos mais pobres sofra.

Assim, sempre que você ouvir que os republicanos são o partido dos valores tradicionais, tenha em mente que, na realidade, eles romperam com a tradição dos EUA de valorizar a educação. E o fizeram porque acreditam que aquilo que você não sabe não pode prejudicá-los.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador