A supremacia branca está em marcha, e Trump tem parte na culpa

Alguém ficaria então chocado ao saber que os crimes de ódio geralmente aumentaram precipitadamente desde que Trump apareceu no cenário político nacional? Em todo o país, os crimes de ódio aumentaram 17% em 2017, de acordo com as estatísticas do FBI

Por Moustafa Bayoumi

No The Guardian

Na última sexta-feira, após a notícia terrível de que um atirador racista matou 50 muçulmanos em Christchurch, Nova Zelândia, um repórter na Casa Branca perguntou a Donald Trump se ele acreditava que o nacionalismo branco era uma ameaça crescente em todo o mundo. “Eu realmente não acho”, respondeu Trump. “Eu acho que é um pequeno grupo de pessoas.”

No mesmo dia, a conselheira da Casa Branca, Kellyanne Conway, descartou casualmente o racismo assassino do suposto atirador, preferindo rotulá-lo como “eco-terrorista”.

E dois dias depois, o chefe de gabinete da Casa Branca, Mick Mulvaney, apareceu no Fox News Sunday. Chris Wallace, o anfitrião, perguntou a Mulvaney se o presidente “considerou fazer um discurso importante condenando a intolerância anti-muçulmana, de supremacia branca”.

“O presidente não é um supremacista branco”, disse Mulvaney, rindo. “Não tenho certeza de quantas vezes temos que dizer isso.”

Bem, Trump pode negar, Conway pode se desviar e Mulvaney pode repetir sua fala quantas vezes quiser, mas o registro do presidente fala mais alto – muito mais alto – do que qualquer uma de suas palavras. Trump pode tentar evitar a questão, mas o fato é que uma supremacia branca perigosa e global está em marcha, e o próprio Trump é pelo menos parcialmente culpado.

Considere como, em janeiro de 2017, um homem invadiu uma mesquita na cidade de Quebec e matou seis pessoas enquanto oravam. Um ardente defensor de Trump, o homem disse temer que os refugiados que chegam ao Canadá sejam uma ameaça para ele e sua família.

Leia também:  Com aprovação de mais agrotóxicos, apicultores temem novo extermínio de abelhas

O atirador da Nova Zelândia rabiscou o nome do atirador da cidade de Quebec em um de seus cartuchos de munição. O atirador da Nova Zelândia também aplaudiu diretamente Trump em seu próprio manifesto. “Você era/é um defensor de Donald Trump”, o documento pergunta (os dois diferentes tempos verbais estão lá presumivelmente porque o atirador não sabia se sobreviveria ao seu próprio ataque terrorista). “Como símbolo de identidade branca renovada e propósito comum? Claro”, escreve ele. “Como formulador de políticas e líder? Caro deus não.” (Porque o atirador questionou a habilidade de Trump em formular políticas e não absolve Trump de qualquer coisa. Deve ficar claro para qualquer um que Trump prefere infinitamente jogar à sua base do que governar efetivamente.)

De fato, de acordo com o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), os ataques de extrema-direita na Europa aumentaram 43% entre 2016 e 2017. No cenário interno, o aumento é ainda mais preocupante. De acordo com o CSIS, o número de ataques terroristas perpetradores de extrema-direita nos Estados Unidos mais do que quadruplicou entre 2016 e 2017.

As conexões íntimas entre o presidente e os nacionalistas brancos são bem conhecidas. Duvido que alguém precise ser lembrado de que o presidente se recusou a condenar os nacionalistas brancos que marcharam pelas ruas de Charlottesville, Virgínia, em agosto de 2017, gritando coisas tão nojentas como “os judeus não nos substituirão”. Heather Heyer, uma contra-manifestante, também foi morta durante o protesto. Dias depois, o ocupante da Casa Branca defendeu os manifestantes e afirmou que havia “algumas pessoas muito boas em ambos os lados” daquele comício.

Leia também:  “PSDB mais à direita pode atrair eleitor de Bolsonaro para a democracia”

Quem pode esquecer que este é o presidente que afirmou “Eu acho que o Islã nos odeia” durante uma entrevista da CNN em 2015 enquanto estava na campanha? E quem exatamente é o “nós” em sua declaração? Usando poucas palavras, Trump foi capaz de repetir uma mentira descarada sobre o Islã e fomentar divisões desnecessárias e perigosas entre os povos. Fala-se de uma proibição muçulmana (agora vigente e rotineiramente de desmembrar as famílias), sinalizando aos nacionalistas brancos em todos os lugares que os muçulmanos podem e devem ser tratados de forma diferente de todos os outros simplesmente por serem muçulmanos. O número de grupos de ódio anti-muçulmanos organizados quase triplicou em 2017, um aumento que o Southern Poverty Law Center creditou em parte à “retórica incendiária” de Trump.

Alguém ficaria então chocado ao saber que os crimes de ódio geralmente aumentaram precipitadamente desde que Trump apareceu no cenário político nacional? Em todo o país, os crimes de ódio aumentaram 17% em 2017, de acordo com as estatísticas do FBI, o terceiro ano consecutivo para ver um aumento (os números de 2018 ainda não estão disponíveis).

Listar todas as piscadelas e acenos (e empregos bem remunerados) que Trump deu aos racistas declarados levaria muito tempo e seria um empreendimento muito deprimente. Também seria desnecessário, já que mesmo apenas um exemplo é suficiente para mostrar como Trump viola o costume da presidência moderna ao incentivar uma orla lunática e racista à custa de nossa convivência pacífica.

O presidente – qualquer presidente – define o tom nacional para o que é discurso permissível e discurso inadmissível na arena política. Trump, por outro lado, apenas se diverte no inadmissível. Antes mesmo de os fiéis muçulmanos em Christchurch terem sido recolhidos e enterrados, o presidente twittou que a Fox News deveria restabelecer Jeanine Pirro, que havia sido suspensa da rede por seus desprezíveis comentários anti-muçulmanos dirigidos ao deputado Ilhan Omar.

Logo depois que um suposto racista assassinou 50 pessoas na Nova Zelândia por causa de uma suposta “invasão” de imigrantes que “substituirão o povo branco” (como afirma o manifesto do atirador), Trump anunciou seu primeiro veto presidencial, necessário para garantir fundos para sua fronteira dizendo: “As pessoas odeiam a palavra invasão, mas é o que é.”

Leia também:  Bolsonaro pediu conservadores no 2º escalão do MPF a candidato à PGR

Muitas vezes me pergunto o quão estúpidos esses políticos e seus camaradas pensam que somos (e com a mesma frequência ficamos maravilhados com o quão estúpidos somos com frequência).

Trump, Conway e Mulvaney podem nos desviar, distrair e dividir o máximo possível, mas nenhuma de suas palavras pode apagar o fato de que o presidente está inequivocamente ligado a essa violência política de extrema-direita que às vezes é realizada diretamente com ele. Deixe-me ser claro. Trump não é criminalmente responsável por esses atos. Isso seria uma ideia ridícula. Mas ele é politicamente responsável e entender que a distinção será o primeiro passo para rejuvenescer nossa política.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Trump, assim como o Bolso, tem muito mal sentimento sobre muitos, tanto que falam (e agem) em exterminar, separar, criar muros. Não foram atos falhos que há poucas horas o Bolso disse que está ai para destruir. Como Collor que dizia que era contra tudo isto que está ai (Collor, um pouco mais civilizado usou a frase como blague de campanha), só que o Bolso se acha contra todo o sistema que está ai. Uma coisa de louco em sua fala nestes dias é que disse ser “culpa” de Deus a sua presença terrível entre nós e a sua eleição baseada em mentiras. Em seu delírio psicótico ele se acredita um verdadeiro messias, não só no nome. Ele tem nojo do Brasil e do seu povo. Há algumas horas declarou que tem orgulho e não admiração pelos EUA. Ora, quem pode/deve ter orgulho dos EUA, estadunidense é, ou se acha.
    Este senhor e sua família, quanto mais tempo e abrangência tiverem em suas tristes falas, mais males, medos, tristezas e dores trarão. É a supremacia da imbecilidade pairando sobre o mundo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome