A Universidade Federal Indígena de Roraima, por Telmário Mota

A Universidade Federal Indígena de Roraima terá cursos de biologia, geologia, agronomia onde os indígenas e não indígenas aprenderão o que a ciência diz sobre esses temas, mas poderão também levar seu conhecimento tradicional para as pesquisas relacionadas a esses assuntos feitas na própria Universidade

Por Telmário Mota

Nos últimos 15 anos foram criadas no Brasil 18 Universidades Federais. Isso é muito bom para o povo brasileiro. Mas acredito que nenhuma delas poderá ter o impacto simbólico da primeira Universidade construída dentro de uma reserva indígena no Brasil e talvez no Mundo, a Universidade Federal Indígena de Roraima – UFIRR.

Uma universidade indígena, para que? Alguns devem estar se perguntando. Ora, eu inverto a pergunta: e por que não uma Universidade Federal Indígena?

Minha experiência diz que o que mais falta à população de Roraima é atendimento médico e educação de qualidade, emprego, renda e desenvolvimento sustentável, sem destruição da floresta.

A Universidade Federal Indígena de Roraima é uma ideia dos meus companheiros indígenas, minha e, principalmente, do meu amigo semeador de universidades, o Reitor Dr. José Hamilton Gondim Silva.

Ela tem exatamente o objetivo de atender essas três necessidades: educação, saúde e desenvolvimento sustentável.

Os indígenas podem ter o que aprender sobre a ciência moderna, mas nós também temos muito a aprender com eles, sobre a região onde vivem, as plantas, o solo, as ervas medicinais, os animais da floresta, os peixes e até o modo de vida mais harmonioso com a natureza. Uma herança riquíssima em conhecimento para a saúde e desenvolvimento mundial que estão se perdendo com o avançar das gerações.
A Universidade Federal Indígena de Roraima terá cursos de biologia, geologia, agronomia onde os indígenas e não indígenas aprenderão o que a ciência diz sobre esses temas, mas poderão também levar seu conhecimento tradicional para as pesquisas relacionadas a esses assuntos feitas na própria Universidade.

Leia também:  Moro encolheu e ficou menor que Bolsonaro, diz Cora Ronai

Atualmente há 68 Universidades Federais, 24 estão apenas nos Estados de Minas Gerais (11), Rio Grande do Sul (07) e Bahia (06). Roraima tem apenas uma Universidade Federal, enquanto não existe Universidade alguma para atender os indígenas no Brasil. E nenhum estado seria mais apropriado do que Roraima, que possui a maior proporção de indígenas do Brasil, 18%.

E nenhum lugar seria mais apropriado do que a Reserva Raposa Serra do Sol, talvez a única grande reserva indígena brasileira com uma rede urbana, rodoviária, elétrica e de telecomunicações já instaladas dentro. A preexistência dessas redes são condições fundamentais para o sucesso do empreendimento e somente a Raposa Serra do Sol possui esses pré-requisitos entre as grandes reserva amazônicas.

Universidade Federal Indígena de Roraima – UFIRR será construída na comunidade de Placa que fica em um ponto equidistante entre os municípios de Normandia, Uiramutã e Pacaraima, o que permite atender perfeitamente aos moradores e estudantes instalados nessas três importantes cidades, que já possuem toda infraestrutura pública e comercial necessária para atender uma adicional população estudantil. A comunidade de Placa também já possui toda a infraestrutura, incluindo transporte, eletricidade e telecomunicações.

Dessa forma, este projeto poderia beneficiar diretamente os municípios de Normandia, Uiramutã e Pacaraima, para que os jovens indígenas e não-indígenas possam ter uma formação adequada para exercerem atividades produtivas e sociais nascomunidades de toda Amazônia.

Esse projeto contribuirá para o desenvolvimento agrícola, florestal, mineral e tecnológico da região, assim como na área social, especialmente em saúde e educação, que sofrem com a falta de recursos humanos dispostos a viver nas áreas mais distantes do estado e de todo o Extremo Norte do Brasil. A UFIRR formará médicos e professores indígenas e cablocos que se alegrarão em servir à população nos confins da Amazônia, o que nem sempre acontece com profissionais formados nas grandes cidades.

Leia também:  Um kafka cortado para o ministro, por Urariano Mota

Hoje os tempos estão difíceis em Roraima. Mas se preparem! Com planejamento e investimentos no presente, o futuro de Roraima será glorioso. Nada gera mais retorno à sociedade do que educação!

Telmário Mota – Senador da República

2 comentários

  1. Parabéns aos índios do Brasil. Esta universidade que deverá ser seguida por outras do mesmo tipo, poderá ser um marco na inclusão social indígena com permanência e aperfeiçoamento de suas raízes culturais. Nela não poderá faltar, entretanto, um curso de alto nível de Antropologia. É fundamental que este curso de Antropologia seja o mais prestigiado da universidade. Os índios têm que compreender suas origens e sua posição no mundo a partir do mais profundo conhecimento científico disponível.

  2. Rezo para que as universidade saia mesmo do papel. E espero que nela haja lugar para pesquisas não só na área de Antropologia – como disse o Severino Januário – mas também de pesquisa das línguas indígenas, trabalho que, até hoje só tem sido feito, de maneira consistente pelos missionários empenhados em evangelizar esses povos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome