Ampliar programas sociais pode levar Bolsonaro a perder apoio das elites

Por Helena Chagas

Em Os Divergentes

Pobreza aumenta mas Bolsa Família diminui

É óbvio que tem alguma coisa errada. O número de pessoas vivendo na extrema pobreza no país cresceu cerca de 30% nos últimos cinco anos, mas os recursos do orçamento destinados ao Bolsa Família em 2020, R$ 29, 5 bilhões, são menores do que os do ano passado, que foram de R$ 32,5 bilhões, equiparando-se, em valores nominais, ao que foi gasto há dois anos.

Todo mundo sabe que esse não é exatamente um governo voltado para os mais vulneráveis, mas a conta política começa a assustar os governistas que estão de olho nas eleições. Não por outra razão, a ala política, representada por Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Osmar Terra (Cidadania) entregou ao presidente Jair Bolsonaro sua proposta de reformulação do principal programa social do governo.

Querem botar mais R$ 16 bilhões no Bolsa Família — que já admitem reduzir para R$ 10 bi — e mudar seu nome, para que passe a ser uma marca eleitoral do governo Bolsonaro. Estão propondo mudanças perigosas, que podem desfigurar o programa, como a de condicionar o pagamento de um bônus a famílias de estudantes que tenham bom desempenho escolar — jogando nas costas de uma criança ou adolescente que vive em condições desfavoráveis a responsabilidade pela renda familiar.

No momento, porém, esse não é o maior dos problemas, que consiste na resistência da equipe econômica a dar mais do que parcos R$ 2 bilhões para recompor o orçamento do Bolsa Família. De fato, porque o super-hiper-megapower-blaster liberal Paulo Guedes daria mais dinheiro para a área social? Não foi convidado a ser Posto Ipiranga para isso, e nem Bolsonaro acha que foi eleito para governar para os pobres.

Leia também:  Bolsonaro e o ocaso da teoria política moderna, por Mauro Iasi

Só que, seguidamente, o presidente da República, mordido pela mosca azul da candidatura à reeleição, vem dando sinais de que vai, cada vez mais, chutar os cânones da ortodoxia econômica por razões eleitorais — sem falar nas ideológicas. Esquecendo-se, talvez, que o que lhe resta de apoio nas elites econômicas está estreitamente ligado à agenda de Guedes.

As apostas em Brasília são de que Bolsonaro vai obrigar Paulo Guedes a dar mais dinheiro para o Bolsa Família — com todas as consequências que esta queda-de-braço entre políticos e economistas liberais vai provocar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Oras, qual elite? Meia dúzia de banqueiros abutres??????
    O povo está se submetendo a trabalhar em condições e horários desfavoráveis para ganhar 600 reais em fast foods nos quais trabalham com a barriga vazia……sem ter dinheiro nem para comprar o gás…..
    E os milicianos preocupados com os rentistas abutres e destrambelhados terraplanistas?????

  2. Trabalho em Belo Horizonte no Cadastro único e programa Bolsa família. Nossa percepção ao consultar a liberação de novos benefícios é que NENHUM NOVO BENEFÍCIO (ABSOLUTAMENTE NADA) foi concedido a famílias que estão ingressando agora no Bolsa Família ou mesmo a famílias quer tiveram seu benefício cancelado mas tem direito a recebe-lo novamente desde Abril de 2019.
    Me causa muita estranheza que este fato não seja noticiado em lugar nenhum, nem na grande mídia corporativa (o que era de se esperar pelo apoio que dão ao capitão fascista) e nem na mídia alternativa e blogs de esquerda (como este aqui do Nassif que mesmo em uma reportagem sobre o assunto não tocou neste fato).
    O que acontece com o jornalismo brasileiro?? Ninguém revela mais a verdade? Ninguém quer noticiar um fato tão grave?? Ninguém diz que por trás do “benefício” do abono de natal dado a poucos do Bolsa Família se esconde a falta de reajuste dos valores de referência e valores pagos do Bolsa Família (sem reajuste desde o golpe de 2016). Por que para a imprensa interessa mais o populismo dos fascistas de extrema direta do que o sofrimento das família miseráveis?
    Chega a ser nojenta essa omissão!!

  3. Concordo com o Bolsonaro. Ele foi eleito para acabar com os programas sociais (que são coisas de comunas) e botar esse povo vagabundo pra trabalhar.
    É pra isso que foi eleito. Recebendo o voto, inclusive, de uma grande parcela dos que dependem do Bolsa Família pra sobreviver. Afinal, se eles estão pedindo pra serem esfolados porque eu vou argumentar contra?

    1
    1
    • Esvazie-se do site, fascista! Este site é de esquerda e você não tem lugar aqui, fascista indecente e nojento! Espero que o moderador bana você para sempre!

  4. Que o SUS é tudo isso, não há dúvida! Porém, a respeito do financiamento, grande parte dos recursos são drenados pelas fraudes e pela ma gestão. Resolvendo essas duas coisas ruins, aliados a correção dos valores do financiamento das ações e fiscalização eficiente do uso dos recursos para os fins adequados, teremos um SUS que de fato resolva os problemas de saúde da população de forma eficiente.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome