Argentina: a poucos meses da eleição decisiva

Fracasso das políticas neoliberais e aumento da pobreza podem produzir o primeiro revés da onda de direita na América do Sul. Mas kirchnerismo precisa recuperar o consenso das esquerdas e vencer em Buenos Aires, epicentro da disputa

Por Katu Arkonada

Em Outras Palavras

Tradução de Rôney Rodrigues

Em 2015, era derrotado nas urnas argentinas o primeiro governo nacional-popular desde que começara o ciclo progressista em 1998. Macri ganhava com balõezinhos coloridos, mas também por entender melhor a política do que um kirchnerismo que esgotava sua mística e não encontrava substituto para Cristina Fernández.

É por isso que as eleições de 27 de outubro são fundamentais para determinar se a velha-novadireita neoliberal se consolidará como uma alternativa ao setor progressista, ou se desaparecerá em uma Argentina com mais de 13 milhões de pessoas na pobreza, a taxa mais alta da última década (33%). Para analisar esse cenário eleitoral é necessário levar em consideração ao menos cinco fatores:

Cristina. Sua decisão de concorrer à vice-presidência facilita a síntese político-eleitoral de uma força de oposição que já estava na rua desde dezembro de 2017, semanas depois da esmagadora vitória eleitoral do macrismo nas eleições legislativas, quando foram lançadas uma série de reformas neoliberais no mundo do trabalho e parecia claro que o macrismo chegara para ficar e se tornar hegemônico.

O “roque” com Alberto Fernández consegue sintetizar e emparedar esquerda e direita, incorporando setores empresariais do círculo vermelho (vermelho para o Grupo Clarín) ou o empresariado da oligarquia argentina (mineiro, siderúrgico, energético ou a Câmara Argentina da Construção) até a CTA [Central dos Trabalhadores da Argentina] Autônoma, que nunca foi kirchnerista; ou o Movimento Evita, que tinha posições críticas. Para completar e fechar o movimento, a inclusão do sindicalismo peronista da CGT [Confederação Geral do Trabalho] de [Hugo] Moyano, ou de Sergio Massa como primeiro candidato a deputado por Buenos Aires, centraliza e potencia o projeto.

Leia também:  O ‘fique em casa’ levou mesmo ao aumento dos preços?, por Emilio Chernavsky

Fundo Monetário Internacional (FMI). O FMI tem sido um fator de organização da política econômica e, por isso, do governo macrista. O candidato a vice-presidente Miguel Ángel Pichetto parece ser uma concessão, ou melhor, uma imposição do próprio FMI, pois o colocar um peronista na fórmula implica em dar estabilidade à restituição neoliberal, segundo uma análise gringa da política, em uma espécie de menemismo atualizado.

E mesmo que, segundo analistas políticos argentinos, Pichetto tenha pouco território eleitoral, sua presença na composição de Macri, que permanece como o único não-peronista das e dos candidatos à presidência, garante uma imagem de centralidade institucional que lhe permite enfrentar o binômio Fernández-Fernández.

Consenso Federal. A terceira candidatura da disputa, uma composição entre o ex-ministro da Economia kirchnerista, Roberto Lavagna, e o governador de Salta, Juan Manuel Urtubey, pode ser determinante em um hipotético segundo turno. O mais provável é que essa terceira via não tenha a força territorial que Sergio Massa acumulou em 2015, com 21% dos votos, mas um resultado entre 5 e 10% de apoio popular poderia pender a balança para um dos lados no segundo turno. E, ainda que minoritário, o apoio que possa obter o trotskismo da Frente de Esquerda (FIT), que obteve 3% em 2015, e o deslocamento do voto (para a abstenção ou para composição FF) em um possível segundo turno, também é uma variável para se levar em conta.

Buenos Aires. A eleição que será realizada para governador da Província de Buenos Aires, o maior distrito eleitoral do país, também no dia 27 de outubro, será outro fator crucial para as eleições presidenciais argentinas. Nas eleições para governador não há segundo turno, o que significa que se o candidato kirchnerista Axel Kiciollof conseguir ganhar a eleição, o empresariado se alinhará automaticamente com a fórmula Fernández-Fernández.

Leia também:  “Big Six”: Mudança no Ranking Bancário do Golpe à Pandemia, por Fernando Nogueira da Costa

Mesmo assim, o resultado da própria Cidade Autônoma de Buenos Aires (CABA) será importante. É muito provável que o macrista Larreta seja reeleito para o cargo de chefe de governo da cidade, mas o kirchnerismo apresenta Matías Lammens, presidente do Club Atlético San Lorenzo e com popularidade entre os cidadãos progressistas. Se Lammens conseguir aumentar o teto de votos kirchnerista, do atual 20% para 30%, a candidatura de Fernández-Fernández ganha um impulso nacional a mais.

PASO. As eleições primárias, também chamadas Primárias, Abertas, Simultâneas e Obrigatórias (PASO), que serão realizadas no domingo do dia 11 de agosto, serão o outro elemento-chave para as eleições. Nesse meio termo entre uma macropesquisa e uma radiografia eleitoral, a possibilidade de que Alberto Fernández chegasse a obter cerca de 40% e ganhar vários pontos de vantagem sobre Macri, poderia também — e desde já — conquistar o voto empresarial para outubro.

Esses são os elementos que vão definir uma eleição muito polarizada entre o kirchnerismo, que teve que se transformar em um metamovimento, um tipo de catch-all party para a centro-esquerda e o progressismo, e um macrismo que quer se mostrar como opção viável de centro-direita. Provavelmente a disputa possa voltar, de novo, a ser entre as classes médias progressistas e as classes médias conservadoras. Mas o fato é que de um lado do muro estarão os setores populares e, do outro, as elites antiperonistas.

As ideias apresentadas nessa análise são resultado dos chimarrões tomados no domingo, dia 14 de julho, em Buenos Aires, com Paula Klachko, Matías Caciabue, Pili Giménez, Solange Martínez e Seyla Riera.

 

1 comentário

  1. Ou seja: ficamos na mesma. Não dá para saber para onde sopram de fato os ventos políticos na Argentina. Se as forças de Macri vencerem, continuando o império neoliberal, apesar das péssimas condições das populações mais pobres, as forças desse mesmo modelo econômico ligado ao grande capital (nacional e internacional) liderado pelos EUA sairão fortalecidas no Brasil, não se sabe a que ponto, já que os que nos governam chegaram ao poder através de um golpe de estado, e a despeito de as classes médias, que em grande apoiou esse movimento político, se verem também fortemente impactadas como toda a população pobre, pelas medidas neoliberais dos dois governos golpistas levados ao poder, o segundo ainda no início, mas com sérias dificuldades para resolver os problemas da economia e implantar o modelo neoliberal, e o pior: aumentar seu apoio na população. Tanto, que muitos admitem que poderá sobrar como alternativa fechar ainda mais o regime golpista, partindo para o prendo e arrebento, no sentido de impedir que as forças contrárias ao regime partam para uma atuação mais unida, aglutinando o povo para protestar e pressionar. Se nada superveniente acontecer…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome