Coronavírus e o pensamento mágico ao qual nos agarramos, por Daniel Dalmoro

Para o vulgo, a ciência é apenas outra crença e os métodos de uma pesquisa exitosa não diferem em muito de uma boa reza

Arte: Agência Pública

Uma das (muitas) coisas que a pandemia de coronavírus escancarou é nossa (extrema) dependência do pensamento mágico. Trata-se de algo desde sempre evidente e utilizado, mas que neste momento ganha contornos grotescos – justo por não estarmos (ainda) no fim da linha, quando vale apelar para (quase) qualquer coisa.

Como seres inseridos na cultura e sujeitos do inconsciente, penso que o que chamo aqui de “pensamento mágico” seja algo normal na nossa forma de se relacionar com o mundo: não damos conta de compreender plenamente o que acontece em nosso entorno, não somos capazes de entender tudo o que se passa em nosso interior, o apelo a causalidades simplistas e “mágicas” é uma forma de podermos lidar com esses desconhecimentos e seguirmos nossa vida quotidiana. A questão maior é até que ponto esse tipo de pensar (e sentir) está arraigado em nós, forçando negar a realidade óbvia – a começar pela nossa própria ignorância (e impotência) – em favor de projeções simplistas, frutos do desejo – individual ou socialmente compartilhado.

Os exemplos nesta pandemia abundam. Logo no início, minha mãe conta que uma mulher na farmácia a interpelou e explicou: bastava não ficar pensando no vírus, que isso resolvia: o problema era que o pensamento atraía o vírus. Minha mãe, ainda que sem formação universitária, é consideravelmente cética e inteligente, respondeu que não sabia do vírus ser capaz de ler pensamentos, e por ora preferia seguir o isolamento social, mesmo. A mulher era a versão quântica da ação do presidente: enquanto no mundo se discutia como minimizar a pandemia e proteger a população, aqui discutíamos se o vírus existia realmente (afinal, ninguém nunca viu o vírus transitando pela cidade), se a pandemia era de verdade; e caso fosse, se era fruto do avanço humano sobre biomas desconhecidos ou uma arma comunista feita em laboratório. Mortos? Todo mundo vai morrer um dia.

Desde o início, pastores mercadores da fé e aproveitadores da ignorância já venderam rezas milagrosas aos borbotões, já exorcizaram o vírus, intimaram-no a sair do país – e isso feito não como um pedido de ajuda a um deus todo poderoso e déspota, mas como ordem a um deus vertido em office boy de treisoitão na cintura. E se não é deus em pessoa, ciências milagrosas que despontam: por quanto tempo, sem qualquer base que não achismos, discutimos a cura instantânea e perfeita com cloroquina, ao invés de insistirmos no isolamento social? Com a ciência não messiânica demonstrando que a cloroquina não é tão milagrosa, busca-se um novo elixir: o vermífugo do astronauta não durou dois dias, agora temos o anticoagulante – os EUA já tiveram água sanitária. E não se trata de dizer que há um remédio com possibilidade de alta eficácia no tratamento contra o vírus, o anúncio é que a descoberta seria da cura pura e simples: um estalar de dedos, dois comprimidos e a vida normal de volta em quarenta e oito horas.

Leia também:  Estatais financiam canais que veiculam fake news no YouTube

Como disse, esse tipo de pensamento só floresce com mais força agora, mas não é novidade. Lembro do professor de tapeçaria no Senai, que anunciava que sei lá que raiz curava tal doença, que havia um óculos que acabava com a miopia, mas que os médicos e as farmacêuticas ocultavam da população porque com a cura acabaria sua fonte de lucro – médicos, segundo ele, não são confiáveis. Claro, médicos prescrevem, muitas vezes, tratamentos longos, custosos (economicamente e mesmo de tempo e paciência), não raro querem alterar dietas, hábitos de vida do paciente – e comumente cometem erros médicos por displicência. A internet está cheia de diagnósticos irrefutáveis e curas infalíveis: médico para quê? Perda de tempo (e tempo é dinheiro!). Que venha o novo emplastro!

Das religiões, os exemplos são ostensivos, desnecessários de serem elencados. Mesmo em certas camadas da classe média dita progressista e ilustrada abundam crenças pseudoreligiosas (ou seriam pseudocrenças religiosas) de puro pensamento mágico: coaching quântico, animal ancestral, vidas passadas, astrologia, reiki e outras coisas do tipo. Porém, a “boa” religião, aquela que não se utiliza da boa-fé alheia para enriquecer e/ou acumular poder (e não me refiro apenas a seitas cristãs), também ela trabalha com o pensamento mágico, e se souber seu papel, serve justo para canalizar essa necessidade, assim como para conformar a pessoa à sua insuperável ignorância, por mais conhecimento que adquira (neste ponto, lembro sempre que me decidi ateu e parei com intermináveis discussões sobre deus ao ler um artigo do Frei Betto, em que ele pontuava que fé e conhecimento são duas áreas separadas, sem correlação). Há também a pseudociência – e nem falo dos sites de internet, e sim dos charlatões com PhD, mesmo: antes de Didier Raoult e o milagre da cloroquina, tivemos Lair Ribeiro acabando com o câncer de Marcelo Rezende sem quimioterapia (dizem que depois de morto, a doença estancou).

A espera do milagre pela ciência, se em parte se dá pela nossa subjetivação ainda fortemente influenciada pelo pensamento religioso – em que a necessidade de crer é imperativo, duvidar (sem ser em nome de outra crença) seria o inferno na Terra -, em outra é fruto da própria omissão das ciências e da academia em favor um ensino mais amplo e mais robusto da ciência, seus pressupostos, suas bases. O que temos é a apresentação, seja no ensino básico, seja na imprensa, de uma vulgata científica que apela à crença, a vulgarização extremamente rasa e rasteira de resultados ou, pior, de possíveis resultados. Para o vulgo, a ciência é apenas outra crença e os métodos de uma pesquisa exitosa não diferem em muito de uma boa reza: não adianta culpar o ignorante se quem tem o conhecimento e a possibilidade de instruí-lo é negligente ao repassá-lo. No cinema, uma boa caricatura de como a ciência é chega ciência aos grande público, de como são vistos os cientistas, está num filme dos seus primórdios: Viagem à Lua, do Georges Meliès, de 1902. Nele, homens com conhecimentos vindo da tradição (ao estilo da escolástica), vestidos em túnicas de magos, que fazem mágicas (como transformar as lunetas em banquetas) e tem ideias mirabolantes (como viajar à lua)! E só na hora de se apresentarem fora de seu círculo é que vestem fato completo, para ganhar a impressão de pessoas sérias e sisudas.

Leia também:  Não há como prever quando América Latina atingirá pico do coronavírus, diz OMS

Por fim, o pensamento mágico na política e no pensamento social. Apesar de todos os alertas dos cientistas, dos pesquisadores, da OMS, muitos não acham que vai ser assim tão grave, porque o Brasil seria, sei lá, uma terra abençoada por deus, porque o brasileiro pega imunidade de tudo pulando no esgoto. Antes do grotesco com o vírus, já tínhamos um exemplo grotesco com o “vírus da corrupção”: era tirar o PT (depois virou acabar com o PT), que a corrupção acabaria no país: 500 anos de história permeadas por relações pouco republicanas e alienar um partido resolveria. Ou então as reformas milagrosas dos neoliberais: das privatizações de FHC à reforma previdenciária de Bolsonaro-Guedes-Globo-STF, passando pela reforma trabalhista de temer. Que tal o fato de um homem, dotado apenas da vontade, ser capaz de mudar “tudo isso que está aí”? Convém lembrar que antes dele, no início deste século, havia quem dissesse que era “só você querer que amanhã assim será”, miraculosamente, num estalo de dedo: em 48 horas o Brasil se resolveria. Ainda que hoje esse pensamento mágico na política seja instrumentalizado pela extrema direita (PSDB de Doria Jr é extrema direita, e sua repaginação durante o coronavírus não oculta sua política genocida nas periferias), ele já o foi também pela esquerda, que muitas vezes não sentiu necessidade de combatê-lo. Novamente a um exemplo do cinema: Encouraçado Potenkin, de Sergei Einsensteim (1925): basta um chamado à consciência de um dos marinheiros revoltados para que os artilheiros da embarcação deixem de cumprir a ordem do comandante, sem ninguém titubear, e estar pronta a revolta dos opressores contra os oprimidos. Consciência de classe instantânea, não dá tempo nem de preparar um miojo.

Leia também:  Tacla Duran revela pagamento a "sócio de Rosângela Moro" para "não ser preso na Lava Jato"

Talvez quem chegou até este ponto do texto esteja se perguntando: e como sair desta encruzilhada? Imaginar que haja uma resposta e que ela viria num texto é outro sintoma de apego a um pensamento mágico. O que podemos saber é que não há uma resposta pronta, sequer que acharemos algo de aplicação imediata para sairmos desse cipoal. Se a crise do coronavírus abre uma janela de oportunidades para começar a nos desvencilhar do pensamento mágico nessa (des)medida (o podcast Luz no Fim da Quarentena, do Foro de Teresina, me parece ser uma boa forma de divulgação científica sem vulgarização, mas não tenho condições de avaliar se alguém sem qualquer familiaridade com ciência dá conta de acompanhá-lo), é também uma janela de oportunidades para os oportunistas de plantão aprofundarem esse irracionalismo.

O que não podemos é seguir achando que a falta de reflexão e autorreflexão é privilégio de determinado grupo – de direita ou esquerda: por conta do espírito do tempo, estamos imersos nesse desejo de respostas rápidas, de fácil aplicação, que não demandam muitos esforços e não tem efeitos colaterais, alternativas que só podem ser milagres ou engodos. Ou aceitamos que precisamos trabalhar, trabalho pequeno, de dia a dia, sem glamour, com raros eventos interessantes para serem postados nas redes sociais, acompanhado de profunda reflexão crítica de nosso fazer e de nossas crenças – assim como nossa necessidade de crer -, ou não haverá novo mundo como consequência da pandemia: apenas novos elementos de um velho mundo conhecido, cômodo e sufocante.

 

28 de abril de 2020

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora