Ela é uma lenda na luta contra o HIV. Agora ela está enfrentando o Covid-19

O vice-presidente, Mike Pence, supervisiona uma força-tarefa liderada pelo secretário de saúde, Alex Azar, mas disse que Birx é o seu "braço direito"

Por Amanda Holpuch

No The Guardian

Quando a Aids chegou aos anos 80, a doutora Deborah Birx transformou seu desgosto e confusão em pesquisa e tratamento.

Das três pessoas que lideraram a resposta americana ao coronavírus, apenas uma, Dra. Deborah Birx, esteve anteriormente na linha de frente contra um vírus misterioso que os cientistas não conseguiram parar.

Era a década de 1980 e Birx havia saído da faculdade de medicina. O vírus era o HIV.

No centro médico em que Birx trabalhava como médica do exército americano, jovens saudáveis ​​estavam morrendo em massa de uma doença que ninguém poderia nomear.

“Quando você é formado em medicina e está nos anos 80, e tem todo esse material de alta tecnologia e essa capacidade de diagnosticar tudo”, disse Birx em uma entrevista em setembro de 2019 ao Centro Presidencial George W. Bush, “quando você não só não conseguia diagnosticar, você não sabia qual era o problema e não sabia como tratá-lo, era devastador. ”

Mas, em vez de ser intimidada, Birx transformou o coração partido e a confusão em pesquisa e tratamento. Ao fazer isso, ela embarcou em uma carreira dedicada à interrupção do HIV e Aids.

Tendo enfrentado os líderes globais da saúde, enquanto supervisionava um programa responsável por salvar milhões de vidas, Birx se tornou uma lenda na comunidade global da saúde.

Agora, sua tarefa é impedir a propagação do Covid-19.

“Quando se trata de tomar decisões difíceis, ela o faz”, disse Carlos del Rio, professor do departamento de saúde global da Universidade Emory, que conhece Birx há mais de 20 anos. “E isso, para mim, é o que precisamos agora.”

Leia também:  Lendari escreve ao leitor: "Não permita que pequenas editoras fechem as portas"

Birx também precisará gerenciar seu papel em uma tumultuada Casa Branca, onde foi colocada como uma das três pessoas que lideram a resposta ao coronavírus nos EUA.

O vice-presidente, Mike Pence, supervisiona uma força-tarefa liderada pelo secretário de saúde, Alex Azar, mas disse que Birx é o seu “braço direito”. É um arranjo incomum, mas Birx, um dos poucos indicados políticos de Barack Obama a sobreviver nos anos Trump, deixou claro que ela pode operar em um ambiente como esse.

Em 2014, Obama a nomeou sua embaixadora-geral e coordenadora global da Aids. O último papel deu a ela o controle do maior esforço de qualquer país para interromper uma única doença, o Plano de Emergência do Presidente para Ajuda à Aids, ou Pepfar. Segundo o departamento de estado, mais de 17 milhões de vidas foram salvas.

Na tomada de posse de Birx, o secretário de Estado, John Kerry, compartilhou como sua previsão e inteligência sobre a doença podem ter salvado sua própria vida em 1983, quando a Aids ainda era um mistério.

Birx estava dando à luz sua primeira filha e havia perdido uma quantidade significativa de sangue, disse Kerry. O médico ordenou uma transfusão, mas Birx havia lido um relatório sobre a doença misteriosa e os riscos desse processo.

“Não deixe que eles me dêem sangue”, ela gritou, antes de desmaiar de dor.

O marido seguiu suas ordens, interrompendo uma transfusão que o hospital mais tarde revelou que teria sido contaminada pelo HIV.

Leia também:  Mandetta, um técnico com práticas políticas clássicas

“Isso a fez pensar muito não apenas sobre os perigos dessa nova doença, mas também sobre sua responsabilidade de combatê-la”, disse Kerry.

Em uma entrevista em setembro de 2019, Birx explicou como os sacrifícios de soldados infectados ajudaram a definir seu compromisso em combater a doença.

“Eles morreram com tanta coragem e vontade de tentar coisas diferentes, percebendo que isso pode não ajudá-los, mas ajudaria a pessoa por trás deles”, disse ela. “Eu nunca vi esse nível de altruísmo, entre apenas a morte e o desespero, dos próprios pacientes.”

Ela passou as duas décadas seguintes ajudando a liderar um influente teste de vacina contra o HIV e fornecendo contribuições importantes para a compreensão da doença nas forças armadas, onde foi promovida a coronel. Ela foi atraída para o exército depois que George W. Bush fundou a Pepfar em 2003.

O programa começou quando os medicamentos para gerenciar o HIV / Aids e impedir sua transmissão estavam disponíveis nos EUA, mas não na África, onde milhões estavam morrendo. Birx ingressou dois anos depois, supervisionando os programas liderados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Seu trabalho levou-a ao redor do mundo para estudar, aprender e garantir que o financiamento de dinheiro dos EUA seja usado de forma eficaz. Del Rio, que preside o conselho científico da Pepfar, disse que Birx confrontou os líderes mundiais da saúde usando indevidamente os fundos americanos.

“Ela não diz: ‘Nós lhe daremos outra oportunidade'”, disse ele. “Ela defende um ministro da saúde e diz: ‘Sinto muito, mas não estamos fazendo isso.'”

Leia também:  Raio-X da epidemia de coronavírus na África

A certa altura, a Organização Mundial da Saúde pediu que as pessoas parassem de usar um medicamento para HIV / Aids. Os cientistas da Pepfar pensaram que era a decisão errada. Birx os ouviu e depois ignorou a OMS.

“No final do dia, ela estava certa”, disse Del Rio. “Esta é a decisão certa. Ela ouviu os dados, olhou para os dados e disse: ‘Vamos continuar’. Ela é uma líder ousada. Eu tenho muito respeito por ela.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome