Cristina Kirchner: O acerto de contas com o passado nebuloso dos barões da imprensa argentina

A presidenta da Argentina, Cristina Kirchner e seu governo deram um exemplo de altivez, coragem política e senso de justiça e acerto de contas com o passado.
Kirchner resolveu enfrentar o maior grupo de comunicação do país, Grupo Clarín, algo como enfrentar a Organziações Globo no Brasil.  Isso não é pouco, após bem sucedida ação parlamentar que criou a Ley de  Medios, que possibilita a regulação para o setor em bases claras e equilibradas, democratização, amplitude de alcance e permissão para publicidade para as rádios comunitárias, entre outras ações. Pois bem, o governo argentino partiu para o ataque e, munido de um dossiê de cerca de 20 mil páginas acusa a apropriação indébita da empresa fornecedora de celulose, Papel Prensa, por parte do Clarín e do La Nación  durante o período de ditadura, além da participação desses grupos de comunicação em crimes durante o regime militar,  quando também agiram em sociedade com o regime autoritário no controle social da população argentina, através de seus editoriais partidários da pró-ditadura.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Maduro anuncia medicamento que "cancela 100% do coronavírus"

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome