Em meio ao caos, Bolsonaro faz visita de cunho populista em Coremas, na Paraíba

Sempre muito sorridente e simpático, nem parece aquele que há pouco tempo ameaçou bater em uma mulher no Congresso

Por Fernando Batista 

De longe Bolsonaro é o retrato do oportunismo, aos poucos isso fica escancarado; seus atos são minimamente definidos, o que se vê é um pré-candidato preparando o terreno para a próxima eleição presidencial.

17 de setembro, o Presidente desembarca em Juazeiro do Norte/CE, seu destino é Coremas, que fica no interior da Paraíba; local onde inaugurará mais um complexo de Usinas Fotovoltaica (solar).

A cidade de Coremas faz parte de um projeto piloto na criação de energia renovável na região da Paraíba. O empreendimento que está em sua terceira fase é do grupo privado Rio Alto Energias Renováveis.

Ao desembarcar, o presidente, sem mascará e sem qualquer pudor, saiu pelas ruas da cidade cumprimentando os seus eleitores com apertos de mão.

Atualmente passamos das 134 mil mortes pelo Covid-19, como sempre, o homem do mais alto cargo da nação não dá a mínima.

Entre Terraplanistas e Olavistas que surgem em meio aos calabouços da internet, nos deparamos com um Presidente descrédulo e adepto das tão distintas teorias conspiratórias.

Não dá e nunca deu a devida atenção à pandemia que assola nosso povo, nossa economia e nossas vidas; como também não o faz com os incêndios que devastam o Pantanal atualmente.

Sustenta a ideia de que os incêndios são criminosos e que não há muito o que fazer; entretanto, não menciona que os cortes nas verbas do Ibama e ICMBIO, que são órgãos responsáveis pelo controle, combate e prevenção de atentados ambientais, favorecem o aumento dos incêndios criminosos e degradação do meio ambiente.

Assim como os Estados Unidos sofrem com o avanço do movimento QAnon – a nova teoria da conspiração que se prepara para entrar no Congresso – o Brasil sofre com as teorias mirabolantes da gestão atual, tendo que lidar com distorções repugnáveis dos dados.

Leia também:  Rodrigo Maia nega estender estado de calamidade

Bolsonaro fecha os olhos para o caos atual, aproveita para fazer sua campanha para próxima eleição junto daqueles que um dia ofereceu “capim” como refeição, fazendo referência ao asno.

Usa de programas atuais face a pandemia para alavancar sua popularidade, o antes recriminador das políticas públicas dos governos lulistas; hoje enxerga nelas a sua possibilidade de reeleição.

Bolsonaro sabe que sua popularidade na região Norte e Nordeste nunca foi das melhores, mas enxerga nelas uma possibilidade de reeleição.

Sempre muito sorridente e simpático, nem parece aquele que há pouco tempo ameaçou bater em uma mulher no Congresso.

O verdadeiro lobo na pele de cordeiro, hoje faz campanha com auxílio emergencial, contudo, não menciona que a sua intenção inicial era de míseros R$ 200,00 mensais, e o valor somente foi elevado devido a força da bancada de oposição no congresso.

Em meio ao aumento desenfreado dos itens da cesta básica, vemos o atual ministro da Economia dizer ser porque “a vida do pobre melhorou”.

Não sabemos o que nos espera em 2022, contudo, sabemos que há sim um movimento já iniciado para reeleição; passando por cima de tudo e todos que ousarem entrar no seu caminho.

Mas, a verdadeira face um dia há de ser mostrada, espero que logo; dentro tantos problemas, somos levados ao abismo como pais e nação.

Fernando Batista Vieira é advogado e coordenador da Jovem Advocacia de São Caetano do Sul – SP

Leia também:

Nazismo, tráfico negreiro, escravidão e atualidade. Devemos combatê-los

 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome