Ex-presidente do Paraguai é alvo da operação Lava Jato

PF cumpre 17 mandados de prisões preventivas e 3 temporárias; Horacio Cartes é suspeito de ocultar patrimônio com ajuda de doleiro Dario Messer

Horacio Cartes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – A Polícia Federal realiza nesta terça-feira (19) mandados de prisão expedido na Operação Patron, desdobramento da Lava Jato do Rio de Janeiro. Um dos mandados atinge o ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes.

Ele deixou a presidência do país vizinho em agosto do ano passado. Em 2012, como parlamentar, Cartes foi acusado pelo ex-presidente paraguaio Fernando Lugo de arquitetar o golpe que resultou em seu impeachment-relâmpago.

Cartes, que hoje é senador, também é apontado por impedir que o atual presidente Mario Abdo Benitez fosse alvo de uma tentativa de impeachment, pela acusação de ter fechado um acordo com o Brasil, prejudicial ao Paraguai, para a divisão de energia de Itaipu.

O mandato que sofreu hoje de prisão é um dos 17 expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, à pedido da força-tarefa da Lava Jato no Rio. A procuradoria solicitou ainda 3 prisões temporárias e 18 mandados de busca e apreensão que estão sendo cumpridos.

Cartes é suspeito de ter ocultado patrimônio com o auxílio do doleiro Dario Messer, preso em julho deste ano. Outro alvo da operação de hoje é o doleiro Najun Turner, preso em São Paulo.

Os investigadores apontam que o grupo ocultou cerca de US$ 20 milhões, sendo US$ 17 milhões em um banco nas Bahamas e o restante no Paraguai.

Cartes é dono do banco Basa, antigo Amambay, investigado em 2004 por uma comissão parlamentar brasileira a partir de dados enviados pelo departamento de combate às drogas dos Estados Unidos, o DEA.

Leia também:  ABJD-SP repudia ação da PM-SP que vitimou 9 pessoas em Paraisópolis

Nos anos 1980, o político e banqueiro chegou a ser preso por evasão de divisas. Em 2011, documentos do Wikileaks, revelados pelo jornalista Glenn Greenwald, mostraram que os Estados Unidos investigaram as relações de Cartes com lavagem de dinheiro e esquema internacional de narcotráfico.

Além de político e bancário, Cartes é fabricante de cigarros. Ele também foi presidente de um dos principais clubes de futebol no Paraguai, o Libertad, entre 2001 e 2013, e dirigente na Associação Paraguaia de Futebol.

*Com informações da Folha de S.Paulo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome