Governo Bolsonaro se rende ao presidencialismo de coalizão

Presidente em exercício, Hamilton Mourão, disse que Planalto pode oferecer aos partidos políticos cargos em órgãos federais ou ministérios para compor a base aliada no Congresso Nacional

À direita, presidente Jair Bolsonaro. À esquerda, o vice, general Hamilton Mourão. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Jornal GGN – O governo Bolsonaro se rendeu ao presidencialismo de coalizão após entender que a retórica de atacar o jogo de forças com o poder Legislativo foi responsável por paralisar o desempenho nos primeiros três meses de Planalto.

Nesta quarta-feira (03), enquanto ainda segue como presidente em exercício, antes de Bolsonaro desembarcar em solo brasileiro, Hamilton Mourão disse à imprensa que o governo pode oferecer aos partidos políticos cargos em órgãos federais nos estados ou nos ministérios para manter sua base aliada no Congresso Nacional e garantir apoio nas votações de projetos governistas, especialmente a reforma da Previdência.

“Primeiro lugar, o governo tem que ter clareza em apresentar suas propostas, de modo que traga os partidos em torno dessas propostas. Esse é o ponto focal. A partir daí, no momento em que esses partidos estejam concordando com o que o governo pretende fazer, é óbvio que terão algum tipo de participação, seja cargos nos estados ou em algum ministério, isso é decisão do presidente”, disse segundo informações da Agência Brasil.

Nesta manhã, Mourão recebeu no gabinete da Vice-Presidência, em Brasília, parlamentares do PRB, mas disse que foi uma visita de cortesia. Ele ressaltou ainda que os articuladores do Palácio do Planalto com o Congresso nacional são os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e da Secretaria de Governo, Alberto Santos Cruz.

Leia também: CCJ do Senado aprova PEC do Orçamento Impositivo com alterações que ajudam levemente ao governo

Leia também:  Nova Previdência será tão dura com mulheres que Tabata Amaral celebra migalhas

O presidente Jair Bolsonaro tem encontro marcado nesta quinta-feira (04) com lideranças partidárias do PSDB, MDB, PP, DEM, PSD e PRB. O objetivo é buscar apoios e construir uma base aliada no Congresso.

Em entrevista à Folha de S.Paulo no dia 20 de março, o professor aposentado da USP e docente na escola de economia da Fundação Getúlio Vargas, Fernando Limongi, um dos principais estudiosos do sistema político brasileiro, avaliou que a disposição do governo Bolsonaro de articular apenas com bancadas temáticas, colocando de lado as lideranças partidárias, colocava em risco a própria governabilidade do Planalto.

O discurso contra acordos com os partidos no Congresso demonstrava ainda despreparo de Bolsonaro como líder do Executivo.

“É muito pouco provável que o governo seja capaz de governar sem costurar acordos com partidos. É assim no mundo inteiro. Partidos organizam o processo político. Nasceram dessa necessidade”, explicou Limongi pontuando que “não há relação necessária entre governo de coalizão e corrupção” – um dos argumentos retóricos utilizados por Bolsonaro para evitar dividir forças com o Congresso.

“Além disso, basta ler os regimentos internos do Senado e da Câmara para ver que os partidos são peças-chaves do processo decisório. Por força dos regimentos, líderes partidários definem quais matérias serão votadas, quando e como. Sem a participação dos líderes, as coisas não andam. Os líderes de bancadas temáticas não têm essas prerrogativas. É simples assim. É básico”, completou o cientista político.

2 comentários

  1. Declarou que governar o Brasil é um abacaxi, só para incompetentes, aliás, o que não falta neste país, só acumula fraxassos, com exceção a outros verdadeiros presidentes, Getúlio Vargas eJK.

  2. Humm… Quer dizer que a indisponibilidade do Executivo em acatar as demandas dos partidos por cargos e poderes, pela divisão do butim, era só o bode na sala, hein?

    A considerar tudo que cerca esse governo de agora, inclusive com o Ministério da Justiça e o Judiciário tomados pelos golpistas, creio que podemos esperar muita, muita corrupção ativa, passiva, peculato, tráfico de influência por aí…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome