Governo estuda transformar Mais Médicos em “Mais médicos pelo Brasil”

Proposta tenta disfarçar o fracasso com a saída dos médicos cubanos, criando um plano de carreira para atrair brasileiros às cidades de alta vulnerabilidade

Programa Mais Médicos. Foto Agência Brasil

Jornal GGN – Com o fracasso da tentativa de recompor o programa Mais Médicos após a saída dos profissionais cubanos, o governo Bolsonaro procura agora reformular a proposta criada no governo Dilma Rousseff.

Segundo informações da coluna Painel, da Folha de São Paulo, o Ministério da Saúde está formulando um programa que terá uma espécie de plano de carreira para atrair brasileiros às regiões mais pobres e afastadas do país, onde o Mais Médico cumpria o papel de garantir o atendimento.

Outra reportagem recente, também da Folha, mostra que nos últimos três meses, desde a saída dos cubanos, 15% dos brasileiros que entraram no Mais Médicos abandonaram seus postos de trabalho – 1.052 profissionais do total de 7.120 inscritos.

O ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) disse que a nova ideia é instituir um programa de educação continuada para ampliar o vínculo dos profissionais médicos com a proposta de atender nos rincões do país. O governo quer ainda alterar o nome para algo como programa “Médicos pelo Brasil”.

Leia também: Quando a decisão de governantes atenta contra vida humana, por Janio de Freitas

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Angra dos Reis na rota do contrabando internacional de pepinos-do-mar

6 comentários

  1. Enganaram-se todos…
    os que duvidaram que todas as áreas seriam guiadas por conceitos oriundos da cultura, doutrina e sacrifícios dos sistemas militares

    alguns até gritaram em junho/2013 que apenas procuravam uma maneira mais eficiente de servir aos desassistidos. Taí!

    ou considerarão como dever cumprido apenas a mudança do nome do programa?

  2. O principal treinamento dos médicos cubanos está baseado na medicina preventiva, consequentemente tem mais preparo para um atendimento com pouca tecnologia. O médico brasileiro treinado principalmente para a medicina curativa, assistencialista e consequentemente está habituado a amparar sua medidas em tecnologia diagnóstica. Tem baixo rendimento em medicina familiar, passando a ser um período de transição na sua carreira.

  3. A gente conhecia brasileiro coxinha; pobre de direita; bolsominion…
    Agora temos também cubano coxinha: aquele esperto que achou que com o bozo, tudo ficaria melhor, e que o “regime de escravidão” que eles viviam trabalhando no país acabaria.
    Imaginavam-se vivendo com 11 contos só pra eles e ainda a possibilidade de cidadania e, quem sabe, consultório particular.
    Agora, os que conseguiram emprego, estão trabalhando em estética, espremendo espinhas da cara das madames lá do sul.

  4. Só pra fazer uma ressalva a gente trabalha com a medicina preventiva. Assistencial e de emergência mesmo sendo de um país com menos tecnologia não significa que não tenha conhecimento delas. E impressionante como a mídia insiste em demonizar a gente . Não temos CRM mas no programa está cheio de médicos sem CRM e então?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome