Greve dos bombeiros continua no RJ

Do G1

Com faixas de ‘resistir é preciso’, bombeiros seguem em frente à Alerj

Com cartazes, eles pedem melhores salários e libertação dos presos.
Governador divulgou nota criticando a ação dos bombeiros. 

Bombeiros e parentes dos 439 presos seguem, na manhã desta segunda-feira (6), acampados na escadaria da Assembleia Legislativa (Alerj), no Centro do Rio. Com faixas e cartazes de ‘resistir é preciso’, eles pedem melhores condições de salários e também a libertação dos bombeiros presos, no domingo (5). Os detidos foram transferidos para o Quartel de Charitas, em Niterói, na Região Metropolitana.

Além do protesto na escadaria da Alerj, na noite de domingo (5), bombeiros também fizeram uma passeata pela Ponte Rio-Niterói. O policiamento em frente ao Quartel Central dos Bombeiros, invadido pelos manifestantes na noite de sexta-feira (3), permanece reforçado. 

Nota do governador

O governador do Rio, Sérgio Cabral, divulgou nota à imprensa na tarde de domingo, afirmando que as prisões dos bombeiros rebelados que invadiram, na noite de sexta-feira (3), o Quartel General da corporação, no Centro, são punições devido à “imprudência” e “imensa irresponsabilidade” dos grevistas. 

Clique aqui e veja a íntegra da nota do governador. 

Salva-vidas seguem trabalhando nas praias

Mesmo com a paralisação em protesto por melhores salários e contra a prisão de 439 bombeiros, os salva-vidas trabalhavam, no domingo, nos postos à beira da orla de Copacabana, Ipanema e Leblon. O G1percorreu todas as praias e conversou com os bombeiros. Eles estavam como voluntários e sem o uniforme da corporação.

“Estamos em greve, mas estamos aqui como voluntários, porque não vamos deixar ninguém morrer sem socorro porque não ganhamos bem”, disse um cabo que está há 13 anos nos bombeiros e que estava de plantão na tarde de domingo, no Posto 8 de Ipanema.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome