Sobre a acusadora de Assange

Por Julio1

LN,

Na realidade há muito material na Suécia sobre o caso Assange. Pode ser lido com ajuda de tradutores automáticos ( no Google Chrome, por exemplo). A tradução para o inglês fica melhor que no português.

Há na Suécia um sujeito que fez um serviço tipo  “Stanley Burburinho Sueco”, chamado Goran Rudling. Foi atrás do caso Assange já muito antes do Cablegate. Postou o resultados de suas pesquisas em 30 de setembro de 2010 em http://www.samtycke.nu/2010/09/fallet-assange-uppgifter-raderas-om-och-om-igen/#more-886

Surge daí que

-Julian Assange passou vários dias na casa de Anna Ardin na Suécia, a convite;

-Aparentemente fizeram sexo;

umdi-um dia depois do alegado estupro, Anna Ardin postou no twitter um pedido de ingressos para uma festa para ela ir com Julian;

–Novo post no twitter daquela noite dizendo que estava com pessoas encantadoras e inteligentes, na tal festa;

–Alguns dias depois descobre que Julian Assange manteve na Suécia relações sexuais com outra mulher;

–Elas entram em contacto e decidem ira à justiça por estupro;

–Anna Ardin apaga as mensagens do twitter!!!

–Rudling percebe que as mensagens foram apagadas;

–Descobre também que há um segundo micro-blog de Anna Ardin (ou Bernardin), cópia do primeiro, em bloggy.se;

–No segundo as mensagens não foram apagadas;

–Rudling posta comentário em um post de outra blogueira(Sara Gummerud), que comenta o tema Assange/Ardin/estupro, dizendo que ainda há os tweats em bloggy.se;

–As mensagens no micro-blog de Anna Ardin em bloggy.se são apagadas imediatamente

Leia também:  Pesquisa revela ignorância dos jovens adultos sobre o que foi o Holocausto

–Goran Rudling documentou tudo.

Aparentemente a cubana radicada na Suécia Anna Ardin tentou apagar traços de sua relaçào com Assange foi consensual. A acusaçào de estupro tendo viso a tona apenas depois que se descobriu que Assange nào tinha inteções de longo prazo com ela, nem com a segunda mulher.

Há suspeitas de ligações de Anna Ardin com a CIA, mas até o momento são fracas. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome