Keynes era realmente um conservador, por Bruce Bartlett

"Na guerra de classes", disse Keynes, "me encontrarás do lado da burguesia educada". Para economista, se o Estado não intervir na economia, as pessoas vão abandonar o capitalismo

Propostas de Keynes podem ter salvo Capitalismo em tempos onde Socialismo surgia como alternativa à exploração dos trabalhadores

do Evonomics

Por Bruce Bartlett

Há dez anos, os conservadores criticaram o pacote de estímulo de US$ 787 bilhões promulgado pelo presidente Obama. Mais recentemente, os custos dos cortes de impostos do presidente Trump devem totalizar US$ 2,3 trilhões em 10 anos. Mas os conservadores ainda criticam os gastos em programas progressistas como The Green New Deal* ou Medicare for All** com perguntas sobre “como você vai pagar por isso?”.

Os que estão à direita têm usado o mesmo argumento desde que o economista britânico John Maynard Keynes popularizou a ideia de usar déficits orçamentários para estimular o crescimento em seu livro de 1936, The The General Theory of Employment, Interest and Money (A teoria geral do emprego, juros e dinheiro).

Isso explica porque, até mais que Karl Marx, entre os economistas de livre mercado Keynes é considerado a principal bête noire (besta escura). Eles acreditam que os governos não devem jamais combater as crises econômicas. Consequentemente, acreditam implicitamente que todas as recessões são o resultado de falhas maciças e simultâneas de empresas e trabalhadores privados, que devem, portanto, arcar com todos os custos do ajuste.

Ao se opor à intervenção do governo, os economistas liberais estão dizendo que o mercado livre não cometeu erros ou que não se deve fazer nada para ajustar aqueles que possam ter cometido erros.

O que Keynes entendeu é que os governos são os principais responsáveis ​​pelas recessões. Em crises realmente severas, como sofremos na década de 1930 e estamos sofrendo hoje em dia, a ação do governo é essencial para mudar a economia; o setor privado simplesmente não pode fazer isso por conta própria. Ele também entendeu que as sociedades democráticas não podem tolerar altos níveis de desemprego. Em algum momento, as pessoas vão abandonar o capitalismo por algum tipo de socialismo, o que também ameaçaria a democracia.

Os esforços de Keynes foram motivados por um forte desejo de manter a ordem capitalista liberal. Conservadores honestos sempre entenderam isso. Em 1945, o economista David McCord Wright observou que um candidato político conservador poderia facilmente executar uma campanha “amplamente com citações de A Teoria Geral”. No ano seguinte, o economista Gottfried Haberler, da escola conservadora austríaca, admitiu que as recomendações políticas específicas dos keynesianos para a economia não eram de todo revolucionárias. “Eles são de fato muito conservadores”, ele admitiu.

Peter Drucker, um admirador conservador de Keynes, o via como não apenas conservador, mas ultraconservador.

Leia também:  Keynes previu a Alemanha nazista em 1919, diz cientista político no NYT

“Ele tinha duas motivações básicas”, explicou Drucker em entrevista à Forbes em 1991. “Um era destruir os sindicatos e o outro era manter o livre mercado. Keynes desprezava os keynesianos americanos. Toda a sua ideia era ter um governo impotente que não faria nada além de, por meio de políticas tributárias e de gastos, manter o equilíbrio do livre mercado. Keynes era o verdadeiro pai do neoconservadorismo, muito mais do que o [economista F.A.] Hayek! ”

John Kenneth Galbraith, cuja política estava bem à esquerda de Keynes, sem mencionar Drucker, concordou com essa avaliação. “O amplo impulso de seus esforços, como o de Roosevelt, foi conservador; para que o sistema suportasse e sobrevivesse ”, escreveu. Mas Galbraith acrescentou: “Esse conservadorismo nos países de língua inglesa não atrai os conservadores verdadeiramente comprometidos”.

Como o próprio Keynes explicou, “a guerra de classes me encontrará do lado da burguesia educada”. Ele expressou desprezo pelo Partido Trabalhista britânico, chamando seus membros de “sectários de um credo ultrapassado, que resmungava o marxismo fabiano envelhecido pelo musgo.” Ele também chamou o movimento de“ imensa força destrutiva” que respondia ao“ lixo anticomunista com lixo anticapitalista”.

Era óbvio para os da esquerda política e da União Soviética que Keynes era um dos maiores inimigos do socialismo, mesmo que alguns à direita ainda o considerassem um criptocomunista [que é mais não aparenta ser comunista].

O socialismo de Estado, disse ele, “é, de fato, pouco melhor do que a sobrevivência empoeirada de um plano para enfrentar os problemas de 50 anos atrás, baseado em um mal-entendido do que alguém disse cem anos atrás”.

De fato, disse ao dramaturgo George Bernard Shaw, todo o objetivo da teoria geral de Keynes era derrubar os fundamentos ricardianos do marxismo.

Keynes frequentemente expressava desdém pelo comunismo soviético. “A Rússia Vermelha detém demais o que é detestável”, escreveu ele, chamando o comunismo de “um insulto à nossa inteligência”. Os comunistas, Keynes acreditava, eram pessoas que produziam o mal na esperança de que o bem pudesse advir. E ele tinha pouco respeito por Marx, chamando-o de “um pobre pensador” e O Capital “um livro econômico obsoleto, que eu sei não apenas como cientificamente errôneo, mas sem interesse ou aplicação para o mundo moderno”.

Keynes compreendeu completamente o papel central do lucro no sistema capitalista. Essa é uma das razões pelas quais ele se opôs tão fortemente à deflação e por que, no final das contas, sua cura para o desemprego era restaurar os lucros de empregadores. Ele também apreciou a importância do empreendedorismo: “Se os espíritos dos animais estiverem esmaecidos e o otimismo espontâneo vacilar … a empresa desaparecerá e morrerá”. E ele sabia que o ambiente geral de negócios era crítico para o crescimento; portanto, a confiança nos negócios era um fator econômico importante. Como Keynes reconheceu, “a prosperidade econômica depende … de uma atmosfera política e social agradável ao homem de negócios comum”.

Leia também:  Notas sobre o bonapartismo, o fascismo e o bolsonarismo

Um tema importante de A Teoria Geral do Emprego é a importância de manter a liberdade de ajuste dos preços, necessária para o bom funcionamento da economia. Isso fez de Keynes um forte oponente dos controles de preços e do planejamento econômico nacional, que estava muito em voga após a Segunda Guerra Mundial. “A vantagem da eficiência da descentralização das decisões e da responsabilidade individual é ainda maior, talvez, do que o século XIX supunha; e a reação contra o apelo ao interesse próprio pode ter ido longe demais ”, escreveu.

De fato, todo o argumento de A Teoria Geral do Emprego consistia em preservar o que era bom e necessário no capitalismo, além de protegê-lo contra ataques autoritários, separando a microeconomia, a economia de preços e a empresa, da macroeconomia como um todo. A fim de preservar a liberdade econômica no primeiro, que Keynes achava fundamental para a eficiência, era inevitável aumentar a intervenção do governo no segundo. Enquanto os comerciantes livres puros lamentam o desenvolvimentismo, a alternativa contrária à isso, via Keynes, era a completa destruição do capitalismo e sua substituição por alguma forma de socialismo.

“É certo”, escreveu Keynes, “que o mundo não tolerará mais o desemprego que … está associado – e, na minha opinião, inevitavelmente associado – ao individualismo capitalista atual. Mas pode ser possível, através de uma análise correta do problema, curar a doença, preservando a eficiência e a liberdade. ”

Na visão de Keynes, bastava a intervenção do governo limitar-se à macroeconomia – ou seja, usar a política monetária e fiscal para manter os gastos totais (demanda efetiva), que sustentariam o crescimento e eliminariam a pressão política por ações radicais para reduzir o desemprego.

“Não é a propriedade dos instrumentos de produção que é importante para o Estado assumir”, escreveu Keynes. “Se o Estado for capaz de determinar a quantidade agregada de recursos dedicados ao aumento dos instrumentos e a taxa básica de recompensa para quem os possui, terá conseguido tudo o que for necessário.”

Leia também:  Privatização: o que significa vender empresas estratégicas para a soberania nacional?

Um dos alunos de Keynes, Arthur Plumptre, explicou a filosofia de Keynes da seguinte maneira: Na sua opinião, o “caminho para a servidão” de Hayek poderia vir tão facilmente da falta de governo quanto de demais. Se fosse permitido que o alto desemprego continuasse por muito tempo, Keynes achava que o resultado inevitável seria o socialismo – controle total do governo – e a destruição da liberdade política. Esse resultado altamente indesejável teve que ser resistido e só poderia ser mantido à distância se a aderência rígida ao laissez-faire [deixar fazer do livre mercado] ceder, mas não muito. Como Plumptre disse, Keynes “tentou criar os controles mínimos do governo que permitiriam que a livre empresa funcionasse”.

A ameaça do totalitarismo pode não ser tão grande hoje como na década de 1930. Mas seria ingênuo acreditar que era possível que o governo permanecesse sem fazer nada diante da maior crise econômica desde a Grande Depressão, como muitos economistas conservadores aconselharam. A alternativa ao estímulo poderia ter sido algo muito pior do ponto de vista conservador, como Keynes bem entendeu.

– Bruce Bartlett é ex-economista do Departamento do Tesouro e autor de “The New American Economy: The Failure of Reaganomics and a New Way Forward”. Ele tem uma coluna na Forbes.com para a qual escreve semanalmente. Twitter: @BruceBartlett.

*O Green New Deal, em português Novo Acordo Verde, é uma série de propostas econômicas sustentáveis que procura, ao mesmo tempo, reverter o desequilíbrio climático e as desigualdades econômicas. O nome faz referência ao News Deal, programas econômicos aplicados pelo então presidente dos Estados Unidos Franklin Roosevelt para combater a Grande Depressão, decorrente da crise de 1929. O Green New Deal foi proposto neste ano pelo Congresso norte-americano, com base no relatório especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas publicado de 2018.

**O Medicare for All é o sistema de seguros de saúde dos Estados Unidos, destinado para pessoas a partir dos 65 anos ou que são enquadradas com rendimento insuficiente para pagar seu próprio plano de saúde.

O GGN prepara uma série de vídeos que explica a influência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Clique aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome