Luta por uma Europa aberta continua 80 anos depois

A Polônia relembra as oito décadas do início da Segunda Guerra. Sobretudo os alemães têm o dever de lutar contra o nacionalismo e a xenofobia e defender as conquistas do pós-guerra, opina o jornalista Jens Thurau

Da DW Brasil

Há 80 anos, a Alemanha invadia a Polônia, iniciando a Segunda Guerra Mundial. E, porque as consequências do que ocorreu décadas atrás ainda afetam tantas pessoas, muitas vezes parece que acabou de acontecer.

Depois da guerra, a geração que viveu o conflito permaneceu, em maior parte, em silêncio. Os filhos e netos questionaram e, a muito custo e insistência, e muitas vezes muito tardiamente, se foi falado sobre todas as coisas terríveis que os alemães haviam feito com os povos vizinhos. Desde então, muito foi superado e esclarecido, mas ainda permanecem lacunas, feridas e distâncias. E elas vão ficar por muito tempo, talvez para sempre.

Politicamente, o período pós-guerra também não foi pacífico, visto globalmente. Quando as armas já silenciavam na Europa, os Estados Unidos jogaram a bomba atômica no Japão. Depois vieram as guerras da Coreia e do Vietnã, as guerras no Oriente Médio, os regimes militares na América do Sul. Novos conflitos também eram percebidos na vizinhança direta da Europa: a Iugoslávia se desintegrou sangrentamente em suas nacionalidades; o ataque aos EUA em 11 de setembro de 2001 também atingiu fortemente a Europa. Mas, durante muito tempo após a guerra, a grande maioria desejava uma coisa acima de tudo: destruição nunca mais, nacionalismo nunca mais!

A Alemanha se reconciliou com a França e com seus outros vizinhos ocidentais, Willy Brandt caiu de joelhos em Varsóvia. A União Europeia cresceu e cresceu, um projeto de paz ofensivamente intitulado dessa forma pelos políticos. O Muro de Berlim caiu, a Guerra Fria terminou e, por um breve momento, pareceu que um mundo novo e multilateral poderia realmente emergir.

Leia também:  Pesquisa revela dado inédito sobre aborto: maioria acha que tomou decisão certa

Nelson Mandela tornou-se presidente na África do Sul. Bill Clinton veio a Berlim em 1994 e gritou para o povo: “Tudo é possível!” Sim, parecia. Os Estados da Europa Oriental aderiram à UE, como se isso fosse algo óbvio. Eles são, sim, tão europeus quanto os Estados do oeste do continente.

Agora, em 2019, 80 anos após o início da Segunda Guerra Mundial, é possível ver rostos amedrontados, especialmente de pessoas mais velhas. O nacionalismo está de volta, junto com campanhas difamatórias contra pessoas que vêm de outros lugares ou têm aparência diferente. Há um populista na Casa Branca e outro em Londres.

Os políticos sensatos lutam pelo projeto de paz da UE. Quase ninguém se atreve mais a lembrar uma das razões originais desse bloco de Estados: a Europa unificadora e sem fronteiras. Em breve, a geração jovem (se não ocorrer um milagre) experimentará o que ocorre quando um país como o Reino Unido constrói novos muros.

Por isso, dias de celebração, como este agora na Polônia, estão se tornando cada vez mais importantes. Mas muito mais ainda é a conversa com as poucas testemunhas oculares sobreviventes, que tiveram que testemunhar com seus próprios olhos as atrocidades inimagináveis ​​da época. O centro político cívico na Europa, especialmente na Alemanha, deve estar pronto para lutar pelas conquistas do pós-guerra, por democracia, humanidade, internacionalidade. Assim como o povo corajoso da Alemanha Oriental fez em 1989.

Novamente há inimigos da democracia suficientes. Eles não virão com tanques como antes, os soldados não são mais necessários para a guerra cibernética moderna, pelo menos dificilmente o são na Europa. A democracia, no entanto, só pode ser defendida de dentro, a partir do meio da sociedade. Não é verdade que os populistas, os coléricos, os agitadores estejam em maioria em toda parte. O problema é que os sensatos se calam. Acabar com isso deve ser o aprendizado, 80 anos após o início da guerra. E a lembrança pública das atrocidades daquela época faz parte disso.

1 comentário

  1. Dá para entender esse sentimento. O pessoal se fecha porque reparou que alguns não só não se abrem como abusam dos que o fazem.

    “Vocês dizem que é para a gente abrir mas com isso nós ficamos com o prejuízo e vocês, com o lucro. Ficar mandando o outro se abrir e tratá-lo como inimigo, espioná-lo, sabotá-lo, aterrorizá-lo… e dá-lhe ‘lawfare’, ‘soft power’, aí não dá.”

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome