Maia volta a acenar para Bolsonaro e se diz contra texto alternativo para Previdência

"Não tem essa coisa de texto alternativo, o texto vai ser o de maior economia" diz presidente da Câmara dos Deputados

Bolsonaro e Rodrigo Maia. Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – “Vamos discutir em cima de um valor e fechar o texto. Não tem essa coisa de texto alternativo, até porque o texto do governo já vai ser modificado na comissão especial, por exemplo, o BPC e a aposentadoria rural que não passam”, declarou Rodrigo Maia (DEM-RJ) em entrevista para o blog de Andreia Sadi, no G1.

O presidente da Câmara dos Deputados, portanto, mostra que é contrário a apresentação de um texto alternativo ao texto da reforma da Previdência produzido pelo Planalto. O assunto para a preparação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que substituiria à que foi produzida pela equipe econômica de Bolsonaro surgiu no sábado (18), quando deputados do chamado centrão disseram que estudam apresentar um pacote novo.

“Dentro da lógica de blindar a pauta econômica e dar um protagonismo maior para a Câmara já que é a Câmara que tem assumido a responsabilidade de enfrentar as reformas estruturantes que o país precisa, nós hoje consideramos como hipótese a ideia de um projeto substitutivo ao projeto encaminhado pelo governo, partindo obviamente da premissa de um impacto fiscal na ordem do impacto proposto pela proposta do governo, que é de R$ 1 trilhão”, disse o deputado Marcelo Ramos (PR-AM) ao Jornal Nacional da TV Globo.

Maia, por sua vez, disse que ainda é “muito cedo” para colocar essa discussão em pauta e que o relatório do pacote entregue pelo governo ao Congresso ainda está sendo trabalhado pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP).

Leia também:  Quem são os fascistas brasileiros hoje?, por José Policarpo

A PEC da reforma da Previdência foi entregue ao Congresso pelo governo no dia 20 de fevereiro. Em Abril, do texto foi aprovado com quatro alterações pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A PEC agora está sob análise da comissão especial da Câmara. Se passar dali, o próximo passo será a votação em 2 turnos no plenário antes de seguir para o Senado.

Maia também foi perguntado sobre a votação da Medida Provisória que reestrutura de forma administrativa o governo federal. Ela é uma das 11 MPs em tramitação no Congresso e que expiram até dia 3 de junho. Se o governo não conseguir apoio suficiente no Congresso e a medida provisória da estruturação da Esplanada vencer o prazo de discussão, Bolsonaro será obrigado a retomar a estrutura anterior, com 29 ministérios alterando toda a lógica que montou para seu governo.

Maia disse que até quinta-feira (23) espera conseguir um acordo para votar a MP. Na última semana, Bolsonaro sofreu derrotas em torno dessa Medida Provisória. Por maioria, a comissão que analisou a MP na Casa decidiu tirar o Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) da pasta da Justiça, transferindo-a para o Ministério da Economia, além de outras medidas como devolver à Funai a demarcação de terras indígenas. O texto seguiu para os plenários da Câmara e Senado.

3 comentários

  1. Tem muito gente se precipitando, achando que o boçalnaro está pra cair, etc. É a mesma coisa do Temer: botaram ele lá! Vão tirar?!
    Maia, centrão, et caterva são antipetistas e pró mercado, ora, ora; estão dispostos a passar as reformas por gosto, ideologia, interesse e raiva. Só não querem é ficar sendo chantageados pro resto da vida, ainda mais depois de entregarem as joias da coroa.

  2. O MAIA FAZ JOGO DE CENA PRA ENROLAR A TURMA como
    se dissesse – agora vai!!!
    vai pra pqaos p. com essa deforma infame….
    chega de aguentar essa gente torpe!!!
    ….

  3. O Rodrigo Maia não é corajoso, não serve como líder do congresso. Joga sempre en favor dos presidentes, tem medo dos internautas. O brasileiro está perdido nas mãos destes políticos que Jogam sempre en favor dos empresários e de quem tem mais.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome