Manifestação foi pacífica até chegar no centro de SP

Por Marco Antonio L.

Da Rede Brasil Atual

Protesto organizado perde controle diante de forte aparato policial em São Paulo

Movimento quer a revogação do aumento da tarifa de ônibus, que no início do mês subiu de R$ 3 para R$ 3,20  por

Tadeu Breda, da RBA 
mídia ninja sé

Policiais tentavam dispersar manifestantes na Praça da Sé com disparo de bombas de gás lacrimogêno

São Paulo – Aproximadamente 5 mil manifestantes, de acordo com os organizadores, e 3 mil, segundo a Polícia Militar, participaram de protesto ontem (11) contra o reajuste da tarifa de transporte público de São Paulo. A marcha saiu da Praça do Ciclista, na esquina da Avenida Paulista com a Rua da Consolação, e seguiu por esta até a Praça Roosevelt, na região central. O grupo, então, pegou um trecho da Ligação Leste-Oeste até a Rua Vergueiro. De lá seguiram para a Praça da Sé. As lideranças do MPL, que estavam em contato direto com o comando da PM para negociar trajetos e evitar confrontos, tinham a intenção de encerrar a passeata no Terminal Parque Dom Pedro II, também no centro. A polícia não permitiu.

A marcha havia transcorrido de maneira pacífica até este momento. Os manifestantes permaneceram longos minutos parados na entrada do terminal enquanto Mateus Preis, representante do MPL, e o tenente-coronel Pignatari, comandante do operativo policial, negociavam uma saída para o impasse.

O jovem insistia em que as manifestações pela redução da tarifa normalmente acabam em terminais de ônibus, como já ocorreu inclusive no Parque Dom Pedro II em 2010, por exemplo. Pignatari expressou seu temor de que uma parte do grupo se exaltasse dentro do terminal e praticasse atos de vandalismo, colocando em risco os cidadãos que estavam no local.

Pouco antes, um grupo de manifestantes havia contrariado as orientações da organização e tentado atear fogo em um coletivo. Alguns policiais que escoltavam e assessoravam o tenente-coronel, como o capitão Gianpaolo, pediam encerramento imediato da manifestação para evitar feridos – e urgiam o comandante a tomar uma decisão.

A essa altura, homens da Força Tática já estavam a postos, com seus tradicionais escudos e armas antimotins. Viaturas das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), tropa de elite da PM, começaram a chegar com homens fortemente armados. Pedras, paus e rojões voaram de um lado, bombas de efeito moral, gás lacrimogêno, balas de borracha, de outro.

A partir de então, a manifestação pela tarifa do transporte público em Sao Paulo deu lugar a um jogo de gato e rato entre manifestantes, que fugiam da agressão policial e tentavam se agrupar, e policiais com ordem expressa para dispersar a multidão. Dois helicópteros Águia, da PM, se uniram ao operativo, e também homens da Tropa de Choque.

No início do protesto, na Praça do Ciclista, havia 400 efetivos da polícia, de acordo com Pignatari. No final, o número nitidamente se multiplicou.

Enquanto boa parte dos manifestantes deu o protesto encerrado e foi para casa, escapando da repressão, os reforços policiais perseguiam grupos mais exaltados pelos arredores da Praça da Sé.

A reportagem da RBA assistiu à detenção de pelo menos cinco pessoas durante a jornada. Dezenas de bombas foram arremessadas, inclusive contra um grupo de usuários de crack. Ao fugir do aparato policial os manifestantes construíam pequenas barricadas com lixo em chamas para tentar evitar – sem sucesso – o avanço das viaturas.

Os veículos iam logo atrás dos homens da Força Tática, dando retaguarda e efetuando prisões.

Por volta das 21h, Pignatari dava por encerrado o operativo no centro da cidade. No entanto, mais tarde, na Avenida Paulista haveria mais confronto. Manifestantes que subiram a Avenida Brigadeiro Luiz Antonio fugindo das bombas se reagruparam nos arredores do Museu de Arte de São Paulo (Masp) e foram novamente reprimidos pelas autoridades.

“A dificuldade é que não existe uma liderança. E quando há algum rompimento de acordo, eles alegam que há pessoas de outros grupos que não obedecem as orientações. E eles reconhecem que perdem o controle”, argumentou o comandante do operativo. “Não é uma negociação firme, pois da parte dos manifestantes não existe uma figura única que possa assumir a responsabilidade de manter a ordem do grupo”, disse Pignatari.

RBA questionou Pignatari se a PM não seria capaz de fazer uma distinção entre os grupos que praticam atos de vandalismo e os manifestantes pacíficos – que foram a esmagadora maioria do protesto. “Não há diferenciação”, respondeu.

“A partir do momento em que todos integram a mesma massa… se fosse um grupo fechado, eles não permitiriam que pessoas desconhecidas aderissem ao movimento. A liderança deve ter responsabilidade. Eu estava negociando com um deles enquanto alguns outros agrediam a linha de policiais. Aí não há mais acordo. Não há conversa.”

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador