Manifestantes defendem enforcar políticos do Líbano após explosão

Milhares de manifestantes invadiram a Praça do Mártir de Beirute pedindo "vingança" contra a classe dominante de políticos amplamente responsabilizados pela explosão

Da CNN (No Líbano)

As forças de segurança libanesas dispararam várias rodadas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes anti-governo que estão nas ruas do centro de Beirute exigindo responsabilidade após a explosão de terça-feira que atingiu a cidade.

Milhares de manifestantes invadiram a Praça do Mártir de Beirute pedindo “vingança” contra a classe dominante de políticos amplamente responsabilizados pela explosão que devastou grandes áreas da capital do Líbano.

O ar estava pesado com gás lacrimogêneo enquanto as pessoas enchiam o principal local do protesto, com as manifestações se estendendo aos bairros vizinhos e à principal rodovia da cidade, nos maiores protestos desde um levante nacional em outubro passado.

Mais de 100 pessoas ficaram feridas nos protestos, incluindo 22 que foram transferidas para hospitais, segundo a Cruz Vermelha Libanesa.

A resposta das forças de segurança não pareceu dispersar muitos dos manifestantes furiosos. Uma mulher que caiu ao tropeçar nas pessoas correndo em sua direção, disse: “Eles bombardearam nossa cidade. Eu voltarei para dentro.” Com o rosto encharcado de lágrimas, ela pegou seus pertences, bem como algumas pedras, e voltou para a multidão.

“Você sobrevive a uma explosão em Beirute apenas para ser injetado com gás lacrimogêneo”, disse um homem na casa dos 20 anos enquanto segurava uma cebola na boca para mitigar os efeitos do gás.

Os manifestantes ergueram forcas simuladas no que foi apelidado de protestos do “Dia do Julgamento”, à medida que a dor deu lugar à raiva depois que mais de 154 pessoas foram mortas e dezenas continuam desaparecidas. Mais de 5.000 pessoas ficaram feridas.

Efígies de líderes políticos proeminentes, incluindo o ex-primeiro ministro Saad Hariri e o chefe do Hezbollah, Hassan Nasrallah, foram enforcados em laços, em alguns dos sinais mais explícitos de indignação pública que o país viu em anos.

Leia também:  Bolsonaro diz que acabou com ‘pacotes de maldades’ contra agronegócio

Os manifestantes seguravam cartazes com os dizeres: “Aqui é onde os laços devem ser pendurados.” A simulação de forca se tornou um símbolo chave das manifestações, que exigem que os responsáveis ​​pela explosão de terça-feira sejam responsabilizados, bem como contra a corrupção e má gestão do país.

A forca foi erguida no mesmo local onde várias pessoas foram enforcadas há mais de 100 anos pelo então governante Império Otomano por se rebelarem contra Istambul. A estátua da Praça do Mártir comemora essas execuções.

Os manifestantes escalaram as paredes que isolaram a Praça Nejmeh de Beirute, onde fica o parlamento do Líbano, por meses, e tentaram derrubar as barricadas.

Em um vídeo, soldados foram vistos se escondendo em ruínas arqueológicas enquanto os manifestantes atiravam pedras contra eles.

Milhares de toneladas de nitrato de amônio estão ligadas à explosão catastrófica de terça-feira no porto de Beirute. Várias agências governamentais no Líbano foram alertadas repetidamente sobre a substância, descrita por um analista como uma “bomba flutuante”, soube a CNN.

“Nós nascemos e crescemos com esse regime em vigor – acreditamos que é hora de mudar, especialmente depois da última explosão”, disse o manifestante de 18 anos Dana Itani. “Esses políticos merecem ser enforcados aqui, eles merecem ainda pior, honestamente.”

Os manifestantes atiraram pedras na tropa de choque perto da Praça Nejmeh.

“Eu vivi a guerra civil. Fui deslocado, vivi dias difíceis e já perdemos casas na guerra. Pensamos que era isso”, disse Hayat Gharazeddine, 51. “Hoje em dia, no entanto, são piores do que a guerra. Você não tem ideia de como você pode morrer agora, o que é a coisa mais assustadora.”

Leia também:  Livro expõe revolta de Mandetta contra os Bolsonaro

“Eu gostaria de poder enforcá-los sozinha”, acrescentou ela.

Alguns manifestantes ocuparam um prédio do Ministério das Relações Exteriores no leste de Beirute, desfraldando uma grande faixa sobre sua estrutura severamente danificada que pedia o desarmamento do Hezbollah, o grupo armado e partido político libanês apoiado pelo Irã, de acordo com o canal de TV libanês LBCi.
Um dos manifestantes declarou o prédio a “sede da revolução”, por meio de um megafone.

O Líbano já estava envolvido em um colapso econômico antes da explosão de terça-feira, que destruiu seu porto principal, destruindo silos de grãos. A comunidade internacional já enviou suprimentos médicos e alimentares de emergência ao país e está prometendo dezenas de milhões de dólares em fundos.

O desastre de terça-feira também pode ter levado a crise política do país a um ponto crítico. Desde que um levante popular em outubro derrubou o governo do ex-Primeiro Ministro Saad Hariri, o descontentamento público contra a classe política dominante tem sido galopante, acelerando uma crise financeira que é uma das piores que o país já viu.

Cinco membros do parlamento renunciaram em protesto, além de algumas renúncias de oficiais de alto nível. As autoridades detiveram 16 pessoas em conexão com a explosão, incluindo o Diretor Geral da Alfândega Libanesa, Badri Daher, o chefe do Porto de Beirute, Hasan Kraytem e o ex-chefe da alfândega Chafic Merei.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. É preciso cuidado: lembremo-nos das manifestações de Junho de 2013… “Não é apenas pelos R$ 0,20”, não é apenas pelas explosões e por aí vai entrando um projeto safado e nefasto do dólar, que destrói democracias, instaura fascismo, violência, agressividade, hostilidade e barbárie, elege direitas como bolsonaros etc…

    • se USA começar a mandar dinheiro para as ONGs internacionais que vão surgir por lá, e com alegação de que é para ajudar o povo, pode ter certeza que é isso mesmo que você colocou…
      reação violenta, rápida e com pedidos de enforcamento, tudo indica

  2. Aqui no Brasil há dois anos a barragem de uma mineradora estourou e nenhum pé de brasileiro foi as ruas protestar contra os políticos. Nem mesmo os familiares dos mortos. Morreram mais de 200 trabalhadores.
    Os resíduos ou rejeitos minerais estavam retidos na barragem há muitos anos com alto potencial de risco de tragédia, que efetivamente veio a ocorrer. Com inteiro conhecimento das autoridades.Nosso retrato está la do porto de Beirute. Guilhotina também aqui!!!!

    • A diferença é que as barragens eram privadas. Onde já se viu reclamar contra dono ou preposto de empresa privada? O nome já diz: “privada”, tem dono e o dono põe como administrador quem ele quiser. Há as agências reguladoras, claro, mas quem é que decide o que elas devem fazer senão os donos de empresas privadas através de políticos eles elegem?

      Por essas e outras que não se pode deixar a iniciativa privada cuidar de empresa pública. Mas sempre há quem vote num Dória, por exemplo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome