Militares não querem novo aliado de Olavo no MEC

Caso Bolsonaro decida por pessoa ligada ao guru para o MEC, haverá chiadeira "sem precedentes" entre integrantes das Forças Armadas

Reprodução

Jornal GGN – A exoneração do ministro da Educação, Ricardo Vélez deve ser publicada no Diário Oficial nesta semana. Na sexta (04), o presidente Jair Bolsonaro confirmou que terá uma reunião com o colombiano naturalizado brasileiro nesta segunda-feira (08) para definir seu futuro no comando da pasta.

Enquanto a indefinição segue, o nome do presidente do Capes, Anderson Correia, volta à aposta para substituir Vélez na Educação. Outro nome que entra na disputa de aliados políticos do governo é o do senador Izalci Lucas (PSDB-DF).

Segundo informações da coluna Painel, da Folha de S.Paulo, integrantes do governo e pessoas próximas a militares que atuam no MEC e no Planalto não querem outra pessoa ligada ao escritor e influenciador digital Olava do Carvalho no comando da pasta.

Se isso acontecer “vai haver uma chiadeira sem precedentes entre integrantes das Forças”, escreve Daniela Lima que assina a coluna.

A gestão atrapalhada de Ricardo Vélez Rodríguez também mostrou que o governo Bolsonaro sofre tensões internas entre dois grupos, especialmente: de um lado os olavitas (ou “olavetes”) e, de outro, os técnicos, vindos do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, e os militares.

A crise se tornou visível na exoneração do coronel Ricardo Roquetti, antes braço direito de Vélez, como diretor do programa do ministro no MEC, e do secretário executivo, Luiz Antonio Tozi, o número dois da pasta. Olavo de Carvalho pediu a cabeça de Roquetti e Tozi porque os dois dirigiram uma reestruturação no MEC que remanejou os integrantes mais ideológicos do Ministério da Educação, afetando a carreira dos “olavetes”.

O embate entre as duas turmas no MEC existiu desde o início do governo Bolsonaro. No início os enfrentamentos eram respeitosos. Mas à medida que os dias se passaram o primeiro grupo (formado pelos mais técnicos e militares) passou a chamar os seguidores de Olavo de Carvalho de “malucos”, “bruxos” e “mestres espirituais”.

Leia também:  A campanha do GGN para mostrar a realidade de quem vive a capitalização da Previdência na pele

Leia também – Rasputin e López Rega: os bruxos terminam em tragédia, por Andre Araujo

Vélez, por sua vez, colocou em risco seu mandato por uma série de gafes. Em entrevista à Veja, chamou brasileiros de canibais porque, segundo ele, “roubam coisas dos hotéis e o assento salva-vidas do avião”. Mais tarde, recomendou às escolas que filmassem seus alunos cantando o Hino Nacional, terminando com a frase “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, o lema de campanha de Bolsonaro.

O ministro tentou contornar, pediu desculpas pelo primeiro episódio e voltou atrás em relação ao segundo. Mais recentemente, sua capacidade a frente do ministério mais cobiçado da Esplanada foi posto em xeque, quando foi incapaz de rebater as críticas da deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP), de 25 anos, durante uma sessão da Comissão de Educação, na Câmara dos Deputados.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. O astrólogo não merece qualquer crédito. Não entendo porque os militares dormem no barulho desse estúpido ignorante.
    Afinal, temos ou não temos inteligência nas FA?
    Mourão Presidente já!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome