Da precariedade dos argumentos – o movimento feminista da Unicamp (II)

(ou, de quando as alunas da Unicamp estiveram prestes a pedir asilo na África do Sul)

 

Falei na crônica passada da fase cretina sobre aborto pichado pelo coletivo feminista da Unicamp. Há também um e-mail que recebi falando de mais um estupro em Barão Geraldo. As feministas adoram boatos de estupros. Chego a achar que sentem prazer em espalhar o medo, mas prefiro acreditar que se trate de mera tática para angariar apoio a qualquer custo à causa – inclusive ao custo de perder esse apoio com requintes de ressentimento no futuro, se não for constantemente alimentado. É tática corriqueira utilizada pela esquerda caduca e pela direita up-to-date, e que consiste em fugir da realidade apelando para o emocional mais rasteiro, na esperança do medo ter o poder convencimento que o seu discurso racional não possui.

Enfim. Conforme a mensagem, trata-se do terceiro estupro em duas semanas. Para ficar na média estadual (1 para 5800 mulheres, mais ou menos), Barão precisa de sete por ano. Se seguir nesse ritmo alucinado de estupros em produção fabril, Barão terá aproximadamente 1 estupro para cada 1400 mulheres ao fim de doze meses. Falta pouco para as alunas da Unicamp pedirem asilo na África do Sul.

Conforme a lógica da apelação ao medo, vale tudo: de inflar dados, a lembrar casos de cinco anos atrás (ouvi isto de uma garota homossexual, que não sei quão atuante foi, mas teve contato com o movimento), a interpretar de maneira sui generis a fala do delegado do 7º DP: o fato d’ele ter dito que a falta de atenção da vítima contribuía para a abordagem do estuprador – eu tinha ouvido ele falar isso sobre assaltos, duas semanas atrás, ele deve gostar de se repetir –, foi interpretado como tendo jogado a culpa do estupro na vítima. Não se trata de pôr a culpa, mas de alertar que a grande placenta Barão Geraldo está no Brasil, um Brasil com índices de criminalidade acima da Suécia ou dos condomínios fechados.

Diz o “arreal” e-mail: “não é possível que tenhamos nossa liberdade cerceada, que sintamos medo toda vez que saímos de casa ou que usamos tal ou qual roupa”. Passar sozinha às 23h por uma viela escura que eu não me aventuro depois que escurece não exime o estuprador de culpa, mas que é prova de falta de percepção de realidade, isso é (há três anos tive discussão sobre esse suposto caso de estupro). E o mais divertido é o e-mail terminar identificando o verdadeiro inimigo por trás da ideologia do crime de estupro: o capitalismo.

Respiro aliviado ao saber que antes do século XVIII não havia violência contra a mulher, e vislumbro uma luz de esperança no passado.

 

Campinas, 27 de julho de 2011.

 

ps: não serei desleal, me contaram de dois dos casos de estupro. Ficou faltando o terceiro, na verdade o primeiro, que pode muito bem ter acontecido, não nego, mas também não acredito piamente. Pelo que me contaram, prenderam também o estuprador – o mesmo para todos casos.

 

ps2: o e-mail feminista:

“Na última sexta-feira foi notificado mais um caso de estupro em Barão Geraldo, desta vez perto da moradia da Unicamp. Infelizmente este não é um caso isolado, o que se comprova pelo absurdo de três estupros em apenas duas semanas, um deles perto de um distrito policial próximo à Unicamp. A própria universidade muitas vezes mascara estes dados ao abafar os casos de estupro e mostra total descaso com esta violência brutal ao não tomar medidas, ainda que mínimas, que garantam a integridade física das estudantes, como iluminação adequada, circular interno, e seguranças com concurso público, preparados para prevenir casos como este e receber estudantes que tenham sofrido tamanho trauma.

A resposta da polícia a esta situação, que vem assustando e indignando principalmente moradoras e estudantes, é dizer que é normal em um local com muitos moradores de cidades menores e outros países, que não têm o hábito de tomar os mesmos cuidados que quem já mora em Campinas, haver este tipo de crime. De acordo com o delegado do 7º DP, Tadeu de Almeida, não há motivo para preocupação, já que o número de casos registrados está dentro da média esperada.

Achamos que o machismo é uma ideologia imperante em nossa sociedade, que tem o estupro como sua face mais perversa; repudiamos a declaração do delegado, que apenas naturaliza esta ideologia, isto é, a própria opressão. É um direito nosso, das mulheres, de ter relações sexuais com quem queremos, mas também é nosso direito de dizer NÃO. E a culpa não é e nunca pode ser jogada na vítima: não é possível que tenhamos nossa liberdade cerceada, que sintamos medo toda vez que saímos de casa ou que usamos tal ou qual roupa.

Porém, também acreditamos que as saídas individuais, como as aulas de defesa pessoal, não bastam. Além de medidas imediatas que busquem prevenir a violência machista, devemos nos organizar, mulheres e homens trabalhadores e da juventude, para combater essa ideologia. E identificar qual o nosso verdadeiro inimigo: o capitalismo, que utiliza do machismo para melhor oprimir e explorar o povo, dividindo mulheres e homens trabalhadores numa luta entre si.

Exigimos nosso direito de estudar e trabalhar sem ter receio na hora de voltar para nossas casas! Exigimos nosso direito de usar minissaias e roupas que desejamos sem o medo de que sejamos as próximas a serem estupradas! Exigimos nosso direito de ter relações sexuais com quem quisermos!

ACORDA UNICAMP!”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome