Da precariedade dos argumentos – o movimento feminista da Unicamp (III)

(ou, de quando a defesa ajuda quem ataca)

 

Aproveito a manifestação “contra a violência à mulher” promovido pelas estudantes da Unicamp há pouco para terminar minha trilogia contra o movimento feminista da universidade.

Me atenho ao detalhe da chamada: a questão feminina estará tão bem encaminhada que haverá apenas uma espécie de violência contra a mulher? Ou estará num patamar tal, da violência total – o apocalipse, o campo de concentração –, de forma que é de se questionar o porquê de uma passeata e não de um convite a um ato um pouco mais radical – suicídio coletivo ou mulheres-bomba. Claro, não é um erro de grafia que invalida a iniciativa. Invalida-a, por exemplo, ter sido encampada pelo DCE-PSol (foge ao escopo e ao espaço desta crônica explicar o porquê, mas este vídeo ilustra um pouco a ética do grupo/partido: www.vimeo.com/7630032).

O lapso na grafia, contudo, aponta o que trouxe nas outras duas crônicas: um problema conceitual que não é inconsciente – ainda que a seja de se imaginar que as feministas (feministas, não as mulheres!) não consigam ir muito além de onde estejam.

Começa que para elas violência parece ser só a física – no máximo as discriminatórias –, e de homens contra mulheres ou do sistema contra elas – em geral externas, via intervenções cirúrgicas ou indumentária. As auto-inflingidas, as de mulheres contra mulheres, essas inexistem ou são aberrações. Disso decorre que os inimigos são poucos e facilmente identificados (o texto das feministas da Unicamp é de uma precariedade exemplar): o homem, o machismo, o capitalismo – como se não houvesse uma tradição no Ocidente de no mínimo dois mil anos de história reforçando dado papel da mulher, para ficar apenas numa faceta bem visível da questão.

Ademais, banalizar toda tentativa de assédio como sendo estupro e ponto, ao espalhar boatos em série de estupros (passei a desacreditar todos quando em dado período de 2008 se tornaram semanais), o movimento perde credibilidade e a própria violência contra a mulher perde a seriedade com que merece ser tratada – acho que estas minhas crônicas ilustram bem isso.

Leia também:  Vidas salvas pelo isolamento social

Pior: certa feita ouvi no Bandejão uma conversa entre um grupo de alunos ao meu lado: criticavam um deles por ter embriagado uma amiga para que ela “consentisse” fazer sexo anal com ele: “fazer isso com puta tudo bem, com amiga é sacanagem”. O fato de ser um “amigo” embrumaça a história, mas que se trata de um estupro, como aquele em que um desconhecido encosta a faca contra o pescoço da mulher, não há dúvidas.

Porém, apesar do mesmo nome, são violências diferentes – e não falo aqui de gradações –, que exigem precauções diferentes. Uma exige não dar bobeira entrando sozinha numa viela às onze horas da noite; a outra, tomar cuidado com o seu colega de sala, um cara que parecia tão legal, isso numa festa, onde tudo até então era só diversão. Ao começar logo com a palavra ESTUPRO, em letras garrafais, e sem ter o cuidado de fazer a distinção entre as diversas modalidades dessa violência – pelo contrário –, o imaginário popular fixa logo o caso “violento”, deixando que o caso mais corriqueiro continue acontecendo, encarado como mera “sacanagem”.

Que defesa das mulheres é essa?

 

 

Campinas, 27 de julho – 20 de agosto de 2011.

 

ps: Questão que me surgiu ao ver chamada para nova marcha contra “a violência contra a mulher em Campinas”: as feministas querem mesmo que os estupros acabem, o que, dado o atual contexto sócio-histórico brasileiro exige, infelizmente, certas precauções e auto-restrições – e não falo das mini-saias -; ou desejam acima de tudo punição ao estupradores, sem notar que isso pressupõe a necessidade do estupro?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome