Numa piscadela, Câmara transformou Pindorama em Brasigrécia, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Pobreza, incerteza, ressentimento e ódio formaram o caldo de cultura que possibilitou a extrema-direita emergir como força política dominante na Grécia. O Brasil está sendo empurrado por esse caminho

Foto: Agência Brasil

Última Flor do Lácio… foi assim que Olavo Bilac chamou o Brasil para enfatizar de maneira poética a importância do legado romano na construção das nossas instituições. Aqui mesmo no GGN já falei um pouco sobre esse assunto aqui e aqui. Volto ao tema por causa de um deslocamento.

A receita neoliberal tradicional para resolver o deficit orçamentário é a adoção da austeridade (conter os gastos com saúde, educação e segurança; reduzir os direitos dos tralhadores; diminuir o valor das pensões previdenciárias; aumentar os juros pagos pelo Estado etc…). O objetivo seria reequilibrar as contas. Entretanto, a austeridade sempre afeta de maneira negativa a atividade comercial e industrial. E isso quase sempre provoca uma nova queda na arrecadação tributária que levará inevitavelmente a um novo desequilíbrio orçamentário que exigirá mais austeridade e causará uma nova queda na arrecadação fiscal.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Ao apresentar um de seus livros ao público norte-americano, o economista Yanis Varoufakis comenta esse fenômeno e diz o seguinte.

“Se um país fizer isso ele vira a Grécia!”

Ontem a Câmara dos Deputados aprovou um pacote de medidas previdenciárias que pode ser resumido da seguinte maneira: com exceção das categorias privilegiadas de sempre (oficiais militares, juízes, procuradores, legisladores, prefeitos, governadores, etc…) os brasileiros trabalharão mais e receberão benefícios previdenciários menores. O impacto no orçamento será benéfico dizem os defensores da medida. O impacto na economia como um todo será devastador.

Sobre os efeitos negativos e a desnecessidade da Reforma da Previdência vale a pena conferir o que dizem dois especialistas: o economista Thomas Piketty e o brasileiro Eduardo Moreira.

 

A Reforma da Previdência aprovada na Câmara (que provocará um aumento da desigualdade social e aprofundará a crise econômica) transformará o Brasil em Grécia e os brasileiros em gregos como disse Yanis Varoufakis. Entretanto, e essa é uma questão importante que deve ser aqui ressaltada, os brasigregos não estão sendo convidados a viver no apogeu da civilização grega.

“O princípio estruturante da economia privada é a acumulação privada. O que deve estruturar a vida em comum é a amizade. Por isso, Aristóteles elogia o governo que respeita o interesse comum, critica o excesso de riqueza e de pobreza e sugere que o melhor cidade é aquela que se esforça para resgatar os cidadãos da miséria.” Veja aqui.

Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.) certamente rejeitaria o neoliberalismo. Além disso ele provavelmente ficaria espantado ao ver a popularização da decadência grega atual entre os bárbaros de um mundo que ele sequer imaginava que poderia existir. Em Pindorama (como gosto de chamar o Brasil pré-cabralino), cada tribo cuidava dos seus jovens e dos seus velhos. Ao adotar e/ou aceitar o paradigma grego neoliberal, nós estamos abandonando as crianças pobres à miséria e condenando os velhos miseráveis à morte por inanição.

A grecização a que se refere Varoufakis é o empobrecimento programático da população para beneficiar ou salvar os Bancos privados de uma crise que eles mesmos criaram. Foi isso o que ocorreu na Grécia, com um agravante: os bancos salvos pelos empréstimos associados às medidas de austeridade não eram gregos e sim franceses e alemães.

Pobreza, incerteza, ressentimento e ódio formaram o caldo de cultura que possibilitou a extrema direita emergir como força política dominante na Grécia. O Brasil está sendo empurrado por esse caminho desde que Michel Temer assumiu o poder instituiu um teto de gastos em saúde e educação, reduziu programas sociais e a interrompeu obras públicas.

Jair Bolsonaro se beneficiou da crise política que Aécio Neves conseguiu transformar em crise econômica (devidamente amplificada pela Lava Jato) e está aplicando o receituário neoliberal. Ele se beneficiará da depressão econômica que está sendo plantada ou apenas abrirá a porta do inferno para que alguém muito pior do que ele chegue à presidência? A liberdade de Lula conseguirá interromper esse processo histórico? Essas são as questões que os novos brasigregos deveriam fazer nesse momento.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Governo agora é do Centrão, por Helena Chagas