O brasil do PIG e o Brasil real: na contramão dos fatos

O negócio da imprensa conservadora é propagar seu ideário!

O ofício da grande imprensa brasileira cada vez mais se distancia do ato de  informar, analisado e contextualizado, apresentando a sua audiência em geral, dados transformados em insumos para as decisões e apreciações embasadas no cotidiano.
Muito pelo contrário, a grande imprensa conservadora cada vez mais se define como um órgão político, com estrutura formal.  Sua propaganda é diária e paga.  O leitor que compra um jornal impresso está pagando por propaganda, não por informação.
O Brasil real se afasta das análises forjadas nos espaços generosos, das TVs aos portais da internet, em que um brasil é reiteradamente retratado, baseado em teses ultrapassadas e vencidas desde antes de 2002, por articulistas alinhados ao pensamento que domina o comando das redações da imprensa brasileira.

Jornais impressos, como O Globo por exemplo, insistem nas idéias neoliberais derrotadas nas urnas em quase toda a América Latina ná última década: corte de gastos, privatizações, crítica mordaz ao reaparelhamento do Estado e a sua recuperação da capacidade de investimento, estabelecimento de metas superavitárias mais apertadas, reformas na previdência e flexibilização da CLT.  A idéia é pautar, diariamente,  o governo com análises contrárias a política atual de governo, “oferecendo” alternativas “viáveis” para resolver os problemas nacionais que “vislumbram” no presente e prevêem trágicos no futuro, mesmo que este futuro não se confirme, como vem ocorrendo, sistematicamente nos últimos dez anos.

 
Leia a íntegra aqui>>>

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Possível candidatura de Lula não interfere no julgamento de Moro, avalia Gleisi Hoffmann

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome