Palestras de Lula são legais, decide Justiça, após Lava Jato passar 5 anos procurando provas contra

Ao desbloquear parte dos bens de Lula, Hardt diz que "a autoridade policial concluiu não haver indícios" de irregularidade nas palestras

Jornal GGN – Em 2015, a Lava Jato em Curitiba abriu uma investigação para apurar se os recursos recebidos a título de palestras comprovadamente realizadas pelo ex-presidente Lula tinham “origem ilícita”. Cinco anos depois, sem a Polícia Federal encontrar provas de irregularidades, a juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal de Curitiba, teve de reconhecer isso em sentença.

No dia 24 de setembro, Hardt acolheu parcialmente os embargos de terceiro apresentados pela defesa de Lula e mandou desbloquear metade dos bens do petista.

Na sentença, ela anotou que o bloqueio de bens, feito por Sergio Moro em 2017, “baseava-se na suspeita da prática de crimes envolvendo as palestras ministradas pelo ex-presidente. Todavia, a autoridade policial concluiu não haver indícios nesse sentido, com o que concordou o MPF. Por tais motivos, o bloqueio integral de tais valores não mais se sustenta.”

Para Hardt, “como não houve comprovação de que os valores bloqueados possuem origem ilícita, deve-se presumir sua licitude, sendo necessário resguardar a meação que cabe ao embargante.”

A outra metade dos bens de Lula ficou bloqueada em função de outros processos e ações penais em andamento.

Segundo o Conjur, o advogado de Lula, Cristiano Zanin, disse que a “sentença reconhece, tardiamente, o que sempre dissemos na defesa técnica do ex-presidente Lula e sobre os métodos ilegais da Lava Jato.”

“Os embargos de terceiro foram ajuizados pelo espólio de Marisa Letícia, representado por Lula, que é o inventariante”, explicou o Conjur. “O pedido foi para liberar os ativos financeiros bloqueados em nome de Lula, a título de meação de Marisa Letícia e seu espólio, no processo do triplex do Guarujá.”

Leia também:  Deputados pedem destituição de Eduardo Bolsonaro da Comissão de Relações Exteriores

No relatório final sobre as palestras, a PF reconheceu que houve contraprestação aos pagamentos feitos pelas grandes empresas que contrataram as palestras de Lula, pois a defesa juntou aos autos uma série de documentos que provam sua realização.

O MPF resistiu à teoria mas, depois, acabou cedendo e opinou pelo arquivamento do inquérito.

Com a decisão, 50% dos valores de planos de previdência do ex-presidente foram desbloqueados. Hardt permitiu a venda de dois veículos sequestrados por Moro, mediante depósito de 50% do valor de cada um deles em juízo.

A juíza também desbloqueou a posse de 50% de quatro imóveis que fazem parte do patrimônio de Lula e Marisa.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Desde sempre se sabia que as palestras do Lula eram legais e aconteciam mesmo. Bastava seguir as notícias que a mídia antipetista ignorava.
    Não há indícios… ridículos!

    15
    • Exatamente, Carla Antônia. Mas os criminosos, que também sabiam, queriam mesmo era enlamear o nome de Lula. Deveriam pagar por isso. E caro, muito caro, pelo prejuízo causado. Mas, para isso, era preciso que houvesse Justiça, com jota maiúscula, no Brasil.

  2. Essa escória curitibana ainda há de passar fome para sentir um pouco do mal que fizeram, que fazem e que ainda farão ao país com essas medidas esdrúxulas.

  3. Mais conhecida como ctrl+c ctrl+v não achou na ampla literatura disponibilizada pela dupla dalagnol moro nem mesmo uma vírgula para condenar?
    É o fim do mundo?

  4. Li a respeito, que por falta de dinheiro o neto do Lula faleceu por não poder levar para um hospital com mais recursos médicos

  5. A quantidade de dinheiro gasto nesse processo deveria ser reportado. Se fosse uma empresa privada, muita gente seria demitida com justa causa.
    O nosso dinheiro gasto pra pagar juizes, procuradores, auditores da receita federal, policia federal e todo custo indireto pra manter todo esse aparato e depois de 5 anos nao se chegou a nenhum resultado?
    Mesmo o apartamento do Guaruja, com toda a sua controversia, conseguiu recuperar somente um apartamento chinfrin que mal paga os salarios da PF.
    Se o combate a corrupcao fosse apartidario, os primeiros a serem investigados seriam aqueles mais faceis de se ter resultados favoraveis e retorno do dinheiro publico.

    Sob a otica capitalista, manter esse aparato judiciario e policial nao tem nenhum retorno financeiro ao Brasil. Se gasta mais pra recuperar menos. Melhor deixar roubar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome