Para reeleição de Dilma, Wagner é citado para a campanha

De A Tarde

Wagner é cotado para tocar campanha de Dilma no NE

Patrícia França

Wagner terá que desistir de disputar vaga na Câmara, se aceitar colaborar com campanha da presidente

A presidente Dilma Rousseff interrompeu, nesta segunda-feira, 31, à tarde, a leitura dos livros a que tem se dedicado desde a última sexta, quando chegou à Praia de Inema, subúrbio de Salvador, onde veio passar o Réveillon com a família, para receber o governador Jaques Wagner (PT). Dilma quer iniciar 2013 com a equipe que vai tocar a sua campanha à reeleição configurada e o governador da Bahia – amigo e conselheiro – é o nome cotado para ser o coordenador no Nordeste da campanha presidencial.

A TARDE apurou que o assunto já vem  sendo amadurecido entre os dois há algum tempo. Se Wagner, que cumpre o seu segundo mandato, aceitar o convite, terá de permanecer no governo até dezembro de 2014 e desistir de disputar vaga na Câmara dos Deputados, hipótese que vem sendo considerada por ele próprio.

“O próxima ano é de definição no plano nacional” disse um secretário de estado, que esteve com o governador durante o recesso de Natal. O movimento da presidente Dilma para definir logo o staff de colaboradores da sua campanha é aproveitar um quadro político-eleitoral que ela considera favorável ao PT e à aliança governista.

Animada – Alguns fatos estão colaborando para deixar a presidente animada com um segundo mandato, além da sua aprovação popular que se mantém em alta, apesar do mensalão e de sobressaltos na área da energia. A eleição de Fernando Haddad (PT) para a prefeitura de São Paulo, um golpe para o arquiinimigo PSDB no principal colégio eleitoral, é um deles.

Leia também:  Gramática da manipulação: o jornalismo que esconde a motivação de atos contra o Carrefour

No Planalto, a crença é de que o PT tem todas as condições de eleger o futuro governador de São Paulo. No Rio de Janeiro, o segundo colégio eleitoral, tanto a prefeitura como o Estado são governados pelos aliados do PMDB, Sérgio Cabral e Eduardo Paes. Dilma já sinalizou que num segundo governo a vice-presidência permanecerá com Michel Temer (SP).

A reeleição de Jaques Wagner na Bahia, maior Estado do Nordeste e que deu na eleição da presidente Dilma Rousseff mais de 2 milhões de votos de frente sobre José Serra (PSDB), coloca o petista com credenciais para “trabalhar” o nome de Dilma no Nordeste, relatou a fonte do governo.

A conversa de Dilma com Wagner deve ter uma segunda rodada, nesta terça, 1º. É que Wagner, que já foi citado pelo ex-presidente Lula da Silva como um nome com condições de suceder Dilma Rousseff, também terá de tomar decisões rápidas no campo doméstico, caso aceite a missão .Wagner terá de definir, ainda no primeiro semestre, quem vai ser o seu sucessor.  Os cotados no PT baiano são o secretário da Casa Civil, Rui Costa, e o senador Walter Pinheiro (PT-BA). O ex-presidente da Petrobras e secretário do Planejamento, Sérgio Gabrielli, não tem a simpatia de Dilma Rousseff.


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome