Paulo Bernardo recorre ao estilo Cardozo para explicar problemas dos celulares

Do Valor

Ministro reconhece problemas em seis estádios da Copa
 
por Rafael Bittencourt
 
O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, admitiu ontem que o impasse nas negociações entre operadoras de telefonia e a administração de estádios da Copa do Mundo comprometerá a qualidade do serviço oferecido aos torcedores que comparecerem os jogos.

“Os estádios não quiseram fazer acordo. Tivemos esse problema em seis estádios onde as partes não se entenderam e o serviço ficará de pior qualidade”, afirmou o ministro, ao participar de audiência pública no Senado.

Os seis estádios que devem apresentar problemas na telefonia móvel são Itaquerão (São Paulo), Mineirão (Belo Horizonte), Arena da Baixada (Curitiba), Arena Pernambuco (Recife), Arena Castelão (Fortaleza) e Arena das Dunas (Natal).

Em geral, os contratos de aluguel de áreas para instalar equipamentos envolvem apenas o serviço de celular. Nesses casos, a tarefa de oferecer acesso à internet por meio de rede fixa sem fio, com a tecnologia Wi-Fi, fica com o próprio estádio que cobra a parte pelo acesso.

Bernardo afirmou que, onde foi fechado acordo, houve a cobrança R$ 2,5 mil por mês, em média, das operadoras para utilizar os espaços para instalação da infraestrutura de telefonia celular. “Tivemos relato de estádio cobrando R$ 10 mil por mês”, disse.

Segundo o ministro, não há uma legislação que obrigue as prestadoras a oferecerem serviço dentro dos estádios, nem que faça os estádios liberarem as áreas para instalação dos equipamentos de telefonia celular. “Este problema é de natureza privada, não cabendo ao poder público intervir”, disse.

Bernardo acrescentou que a Infraero também tem criado dificuldades para instalação de serviços de telefonia nos aeroportos. A estatal, disse ele, cobrou para instalação de redes de terceira geração (3G) e quer receber mais pelo serviço de quarta geração (4G).

Mesmo diante dos percalços na implementação de serviço de telecomunicações para Copa, o ministro defendeu o “legado” decorrente da realização do evento para a população. “Em telecomunicação, nós antecipamos em cinco anos os investimentos que a Telebras faria para o Plano Nacional de Banda Larga nas capitais da Copa”.

Questionado por um senador sobre a qualidade dos serviços de telefonia celular em geral, não apenas durante o torneio, Bernardo afirmou que as operadoras estão sujeitas a receber “um monte de multas” da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) caso não cumpram as regras.

 

8 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ricardo CP

- 2014-05-30 01:31:28

Quem quiser que acredite

Alguém é capaz de acreditar que uma diferença de R$ 7,5 mil (=10 - 2,5) entre o aluguel pedido pelos estádios e o que querem pagar as empresas de telefonia é o real motivo para a não instalção da estrutura que daria condições para os celulares funcionarem nos estádios e assim permitir às operadoras ganhar milhões com o tráfego imenso de dados que certamente haverá nos jogos, com todo mundo compartilhando SMS e fotos? Este bernardo é um fanfarrão. (Esta foi a segunda tentativa de colocar este comentário, agora ao fim do dia, em que quase ninguém o lerá. No início do dia, postei, mas não foi publicado, creio que por algum motivo técnico, já que não cogito que tenha sido "moderado", uma vez que o comentário já é bem moderado, sobre um "moderado".)

drigoeira

- 2014-05-29 18:31:38

Tranquilo...

Os caras não conseguem nem tirar o sinal de celular de dentro dos presídios.

Normal isto aí, tranquilo!

Maria Luisa

- 2014-05-29 15:20:29

As operadoras deviam são obrigadas a prestar esse serviço.

Bernardo e Cardozo sempre tucanando na hora de comunicar. Bernardo não esta nem ai se as pessoas terão acesso à internet ou não nos estadios, no fundo deve achar que isso deve ser uma pretação paga mesmo e o resto é mimimi comunista. Mas de que me lembre, nunca tive problemas de acesso em estadios europeus (ainda que faltassem papel higiênico e sabonete em todos eles!)

Sergio SS

- 2014-05-29 14:06:42

Ué, e quem administra os

Ué, e quem administra os estádios? Pq a reportagem não correu atrás deles para complementar a matéria.

Nãso sei, não... Seria o caso do Ministro mediar acordos comerciais entre empresas privadas, públicas e mistas (donas de estádios) e empresas privadas de telecomunicações ? A pergunta é porque isto não foi previsto anos atrás e regulamentado pela Anatel, como uma obrigação aos concessionários de telefonia celular?

Mesmo sabendo que ele, como ministro, é tipo aquele juíz que fica atrás do gol, função próxima do zero, jogar esta bola só no colo dele acho forçar a barra. 

Celio Mendes

- 2014-05-29 12:40:41

O ministro Bernardo é uma mãe

O ministro Bernardo é uma mãe para os carteis que dominam a telefonia e uma madrasta para com o consumidor, isso para não falar no seu imenso traseiro que sentou em cima da regulação da mídia que agora a presidenta quer ressuscitar, espero que sua companheira perca no Paraná, para que toda essa subserviência aos grandes grupos tenha sido inútil.

Adão

- 2014-05-29 12:04:52

Na boa

Na boa, vou acabar votando na Dilma por ABSOLUTA falta de opções (Aecim e Campos são piada de mau gosto).

 

Dilma foi ótima Ministra da Casa Civil, mas é péssima presidente. Manter Cardoso, Bernardo e (pasmem) entregar a Casa Civil para Mercadante é coisa de quem não está preocupado com opinião pública e menos ainda com militância. Jobim seria ministro até hoje se não tivesse dado aquela entrevista ao Globo em tom de enfrentamento. Aquela nulidade chamada Gleisi Hoffman, não fosse candidata ao governo do Paraná, também manteria seu status de ministra.

 

Voto na Dilma, mas não mexo um músculo para fazer campanha pra ela. Morra abraçada com esse bando de quinta coluna! Espero que Dilma consiga sua re-eleição ainda no primeiro turno, porque se depender da militância...

Sérgio Lamarca

- 2014-05-29 11:40:44

Carreirismo desvairado

O casal vinte da politica paranaense fez  de tudo para construir e pavimentar sua ida para o governo do estado. Mas cai ter que e contentar com um 3º lugarzinho mediocre.

Athos

- 2014-05-29 10:58:43

O problema do Brasil é

O problema do Brasil é este.

 

Temos estádios de futebol que querem ganhar dinheiro com acesso a internet.

E a infraero, sócia minoritária nos aeroportos, quer ganhar dinheiro com acesso a Internet.

 

E eu que achava que um estádio de futebol era isso, um estádio de futebol.

A Infraero todo mundo sabe que é só uma piada de mal gosto.

 

ACORDA, ninguém vai pagar pra ter acesso a internet em aeroporto ou estádio.

Por isso ninguém usa essa bosta da Infraero que vc tem que digitar CPF pra entrar na Internet depois de um cadastrocompleto em que consta até a raça do seu cão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador