PEC antigolpe já tem número suficiente de assinaturas e chega na CCJ

Medida prevê eleições diretas caso o titular do Executivo (presidente da República, governadores ou prefeitos) deixe o posto por qualquer motivo, retirando prerrogativas do vice

Dilma Rousseff recebe a faixa de presidente ao lado do vice-presidente Michel Temer durante a cerimônia de posse no Palácio do Planalto, em 2015 (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Jornal GGN – Os deputados Henrique Fontana (PT-RS) e Paulo Teixeira (PT-SP) conseguiram superar as 171 assinaturas na Câmara dos Deputados em apoio à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) por Eleições Diretas. Com isso, a medida tem número suficiente de adesões parlamentares para começar a tramitar no Congresso.

A assessoria de Henrique Fontana explicou que no dia 27 de março (quinta-feira passada) já haviam conseguido mais de 200 assinaturas. A lista foi entregue à Secretaria Geral da Mesa da Câmara, que faz as distribuições da Casa para a análise de projetos. Entretanto, ao contabilizarem os nomes, verificaram que algumas assinaturas estavam duplicadas ou ilegíveis, levando a primeira contagem a superar 172 nomes.

“Mas a gente já tem algumas outras assinaturas aqui no gabinete que vamos protocolar e tem alguns outros deputados que demonstraram interesse também”, explicou uma fonte ao GGN. A assessoria confirmou ainda que a PEC já foi encaminhada para a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) onde aguarda pela designação de um relator. Clique aqui para ver a ficha de tramitação.

Assista: Nassif entrevista Paulo Teixeira e Henrique Fontana sobre PEC antigolpe

Teixeira e Fontana propõe a convocação de eleições diretas sempre que os mandatos de presidente, governadores e prefeitos forem interrompidos em definitivo por qualquer razão, retirando assim prerrogativas de vice-presidente, vice-governadores e vice-prefeitos.

“O poder imediatamente volta ao povo para eleger o substituto através de eleições diretas 90 dias após a vacância do cargo. O vice terá a função de ocupar a Presidência na ausência do titular temporariamente, mas em nenhuma hipótese em definitivo”, explicam os autores da proposta.

Segundo a Coluna Painel, da Folha de S.Paulo, sete deputados do PSL chegaram a apoiar a PEC, mas depois que se deram conta do teor do texto, publicado no Diário da Câmara, voltaram atrás. A Proposta ganhou na Casa o apelido de “PEC anti-Mourão”, mas pode também ser chamada de “PEC antigolpe”

Leia também:  Pedro, filho e suplente de Chico Rodrigues, virou problema para o Senado

Os parlamentares petistas que assinam a medida propõe também o afastamento da possibilidade de eleição indireta do substituto pelo Congresso, ou câmaras estaduais e municipais.

Além disso, que no caso de interrupção ou vacância ocorrer no último ano do mandato vigente, as eleições seriam antecipadas e o eleito agregaria esse tempo restante ao seu mandato.

Pela lei atual, no caso de vacância no cargo de presidente, governador ou prefeito, o vice assume automaticamente até o final do mandato. Na opinião do deputado Fontana, essa regra configura uma distorção do ponto de vista democrático.

“Ninguém vota para vice no sistema atual, e muitos brasileiros não sabem quem é o vice-prefeito de sua cidade, o vice-governador de seu estado ou até o nome do vice-presidente da República”.

O deputado destaca ainda que a regra atual “tem sido o pivô de crises políticas e conspirações em vários lugares do país”, completando:

“Não é raro termos notícias, por exemplo, de vice-prefeitos que negociam com as casas legislativas para cassar o prefeito por qualquer motivo e, assim, assumirem o cargo”.

Leia também: Uma PEC contra o golpe de Estado no país dos golpistas, por Luis Nassif

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Que foto curiosa ilustra esse post.
    Dilma parece passar, em vez de receber, a faixa presidencial a temer, que, com um sorriso enigmático (ou seria satânico?) a espera receber.
    Sobre a PEC, esse é o momento mais oportuno para a sua proposição.
    É como marcar um X para esperar uma bomba cair no alvo.
    Se o mandatário mantiver esse comportamento, consideradas as reações do congresso até agora, bastam mais dois insultos e uma tornozeleira no Angorá que o Maia pauta a votação rapidinho.
    Em duas semanas ele conquista o congresso e no mês seguinte, mais tardar, a PEC vira EC.

  2. Pode ser pior , pode virar uma “moção de desconfiança” infirmal para se derrubar o presidente. Ideias boas são mal usadas às vezes.

  3. Caso aprovada deve se valer para as próximas eleições, ao contrário seria uma mudança de regras no decorrer do jogo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome