Pequenos e médios empresários chegam ao limite da paciência com medidas de austeridade, por João Resende

Cresce a percepção junto ao setor produtivo de que as medidas de austeridade fiscal, tidas como o único instrumento capaz de recuperar a economia, fracassaram

Foto: Agência Brasil

Pequenos e médios empresários chegam ao limite da paciência com medidas de austeridade

por João Resende

Na Folha de S. Paulo de 2/6/19, o jornalista Vinicius Torres Freire, relata o desalento e a impaciência de diversos pequenos e médios empresários brasileiros à beira da falência após mais de três anos de recessão ou baixo crescimento econômico.
Cresce a percepção junto ao setor produtivo de que as medidas de austeridade fiscal, tidas como o único instrumento capaz de recuperar a economia, fracassaram e que as políticas econômicas devem aumentar o investimento público, como forma de estimular a demanda e a atividade econômica.

Pibinho faz impaciência explodir

Pequenos e médios empresários escrevem para contar da exaustão e pedir solução já

“Deu!” “Não está funcionando.”

O estresse econômico transborda em fadiga de crise ou explosão de desesperança, a gente ouve por aí ou lê na caixa de mensagens. É a estafa de quem ao menos teve a boa sorte de sobreviver, pois muitos ficaram pelo caminho, para nem falar do povo largado na miséria.

A recaída do Pibinho detonou de vez a insatisfação, a impaciência com a política econômica e com seus economistas. Deflagrou a conversa do “é preciso fazer alguma coisa, já, ninguém aguenta mais”.

Economistas-padrão, entre encabulados, perdidos ou estoicos, não têm muito a oferecer de novo, no melhor dos casos.

Nos dias piores desta depressão que já dura seis anos, este jornalista recebia vez e outra mensagens de pequenos e médios empresários contando durezas da vida e oferecendo sugestões do que fazer do país. Jamais foram tão frequentes quanto nas últimas semanas. É gente que conseguiu manter a empresa, mas está pelas tampas, para escrever português claro.

“A agenda de corte de gastos não está funcionando. Acho que talvez o  governo devesse mudar de tática. Aumentar o endividamento, gastar com infraestrutura, convencer os bacanas da Bolsa de que não é gasto, e sim investimento, que resultará em melhor arrecadação e recuperação da economia. Porque teto disto e daquilo já mostrou que não vai tirar o Brasil do buraco”, escreve um empresário do “ramo de artigos industriais e agrícolas”.

Leia também:  Desmontando os 3 principais argumentos de quem é a favor da prisão em 2ª instância

“Minha empresa sobreviveu, eu não muito, eu não vejo as minhas filhas direito faz anos. Fico pensando se não é melhor vender logo tudo e viver de renda modesta, mas sem angústia de ficar cheio de dívida com fornecedor, colaborador ou falir, porque eu não sei o que vai ser o mês que vem”, desabafa um fabricante de alimentos.

“Não tenho ‘fobia’ de investir, como você escreveu. Eu não investiria porque acabou o dinheiro, minhas reservas, e o meu faturamento cai todo ano e minha empresa rende menos que o Tesouro Direto. Deu!”, escreve empresária do comércio e fabricação de roupas.

“Minha empresa caiu para um terço do que era, demiti dezenas. Entendo que precisa fazer reforma, acabar com desperdício do governo, impostos insanos, mas isso leva tempo e nem fizeram nada até agora. Meu problema é saber se no fim do ano vou ter para pagar o salário do sr. V., que está comigo faz 20 anos”, relata mais um, do ramo de logística ou de serviços gerais, não deu para entender bem.

“Hoje, para cada real investido no país, você demora em média três anos para recuperar. É melhor colocar na poupança”, conta um fabricante de material de construção.

Economistas críticos da política econômica mais ou menos vigente desde 2015 costumam demonstrar mais empatia com essas angústias de “curto prazo”, que é quando a vida e a política acontecem. Entre tantas diferenças, concordam que a economia precisa de transfusão imediata de sangue, investimento, que não tem de onde vir, imediatamente, a não ser de investimento público direto ou coisa similar. De endividamento extra, em suma, e incentivos oficiais.

A receita não é trivial. Mas essa conversa tende a se disseminar.

Leia também:  Oposição da Câmara consegue travar discussão da PEC da prisão em 2ª instância

Não há hipótese de que a equipe econômica deste governo possa cogitar medidas desse tipo. Quem tenha um plano alternativo e imaginativo, no entanto, pode propô-lo, com coerência, considerando o custo das medidas e o risco de consequências impremeditadas e contraproducentes.

Quem tem um plano desses?

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/viniciustorres/2019/06/pibinho-faz-impaciencia-explodir.shtml

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Ninguém é idiota. Todos sabiam que seria assim com Bolsonaro no poder. Não alimento nenhuma ilusão quanto à situação do país: vai piorar, e muito. Meu temor é que a coisa degringole de tal forma que até o ato de andar na rua fique, em qualquer hora do dia, fique perigoso.

Comments are closed.