Pesquisa revela ignorância dos jovens adultos sobre o que foi o Holocausto

De acordo com o estudo, 23% disseram acreditar que o Holocausto era um mito ou foi exagerado

The Guardian

Quase dois terços dos jovens adultos americanos desconhecem 6 milhões de judeus mortos no Holocausto

Quase dois terços dos jovens adultos americanos não sabem que 6 milhões de judeus foram mortos durante o Holocausto , e mais de um em cada 10 acredita que os judeus causaram o Holocausto , descobriu uma nova pesquisa, revelando níveis chocantes de ignorância sobre o maior crime da século 20.

De acordo com o estudo de adultos da geração Y e da geração Z com idades entre 18 e 39 anos, quase metade (48%) não sabia nomear um único campo de concentração ou gueto estabelecido durante a segunda guerra mundial.

Quase um quarto dos entrevistados (23%) disseram acreditar que o Holocausto era um mito, ou foi exagerado, ou não tinham certeza. Um em cada oito (12%) disse que definitivamente não tinha ouvido, ou achava que não tinha ouvido, sobre o Holocausto.

Mais da metade (56%) disse ter visto os símbolos nazistas em suas plataformas de mídia social e / ou em suas comunidades, e quase metade (49%) viu a negação do Holocausto ou postagens de distorção nas redes sociais ou em outros lugares online.

“Os resultados são chocantes e tristes, e ressaltam por que devemos agir agora, enquanto os sobreviventes do Holocausto ainda estão conosco para dar voz às suas histórias”, disse Gideon Taylor, presidente da Conferência sobre Reivindicações Materiais Judaicas contra a Alemanha (Conferência de Reivindicações) que encomendou a pesquisa.

Taylor acrescentou: “Precisamos entender por que não estamos fazendo melhor em educar uma geração mais jovem sobre o Holocausto e as lições do passado. Isso precisa servir como um alerta para todos nós e como um roteiro de onde os funcionários do governo precisam agir. ”

Leia também:  Pandemia: Ecossistema da desinformação é "intencional, organizado e tem muito dinheiro"

A pesquisa, a primeira a se aprofundar no nível estadual nos EUA, classifica os estados de acordo com uma pontuação baseada em três critérios: se os jovens definitivamente ouviram falar do Holocausto; se eles podem nomear um campo de concentração, campo de extermínio ou gueto; e se eles sabem que 6 milhões de judeus foram mortos.

O estado com maior pontuação foi Wisconsin, onde 42% dos adultos da geração Y e da Geração Z atenderam a todos os três critérios, seguido por Minnesota com 37% e Massachusetts com 35%. Os estados com pontuação mais baixa foram Flórida com 20%, Mississippi com 18% e Arkansas com 17%.

Nacionalmente, 63% dos entrevistados não sabiam que 6 milhões de judeus foram assassinados durante o Holocausto, e mais de um em cada três (36%) achava que 2 milhões ou menos haviam sido mortos.

Onze por cento dos entrevistados nos Estados Unidos acreditam que os judeus causaram o Holocausto, com a proporção no estado de Nova York de 19%, seguido por 16% em Louisiana, Tennessee e Montana, e 15% no Arizona, Connecticut, Geórgia, Nevada e Novo México.

Nacionalmente, 44% dos questionados conseguiram identificar Auschwitz-Birkenau e apenas 3% conheciam Bergen-Belsen. Seis em cada 10 entrevistados no Texas não souberam citar um único campo de concentração ou gueto.

No entanto, quase dois terços (64%) dos adultos americanos da geração Y e da Geração Z acreditam que a educação sobre o Holocausto deveria ser obrigatória nas escolas. Sete em cada dez disseram que não era aceitável que um indivíduo tivesse pontos de vista neonazistas.

Leia também:  Bolsonaro posta fake News no Twitter e Justiça manda apagar

A Claim Conference, cuja missão é “fornecer uma medida de justiça para as vítimas judias do Holocausto”, criou uma força-tarefa para supervisionar a pesquisa. Ele incluiu sobreviventes do Holocausto, historiadores e especialistas do Yad Vashem e do Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos.

Os dados foram coletados a partir de 1.000 entrevistas em todo o país e 200 entrevistas em cada estado com jovens adultos de 18 a 39 anos selecionados aleatoriamente.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. No ano de 2015, o pastor Ricardo Gondim escreveu e postou na internet, seu texto intitulado, “Deus nos livre de um Brasil evangélico”, antevendo situações que estão ocorrendo na atualidade. O jornalista Bruno Torturra (Estúdio Fluxo) o entrevistou e o pastor faz uma leitura teológica e biográfica da evolução do neopentecostalismo brasileiro. As teologias em disputa, a construção do Reino de Deus no Brasil, o apocalipse como parte do projeto. O suspeito volume financeiro das igrejas, a ideia de “Deus no comando” e como ele, dissidente do movimento iniciado no final dos anos 70, enxerga a espiritualidade evangélica em 2020. E menciona sobre o crescimento do fundamentalismo na Igreja Católica, além do fato de na Rússia, o g Putin estar utilizando a Igreja Ortodoxa em seus lances.

    Link para o texto de 2015
    https://www.ricardogondim.com.br/meditacoes/deus-nos-livre-de-um-brasil-evangelico/

    O Apocalipse Segundo o Brasil – com pastor Ricardo Gondim
    https://www.youtube.com/watch?v=3JJF795goGM

  2. Do artigo: “…revelando níveis chocantes de ignorância sobre o maior crime da século 20.”
    Discordo. Não se trata de ignorância mas sim de negação e canalhice.
    Ampliam esta imbecilidade para outras minorias que, guardada as devidas proporções, hoje sofrem seu holocausto.
    Aqui no brasil, nao se contentam em fraudar informações minimizando só os crimes contras etnias, opções de genero, etc. Aqui no brasil tentam criminosamente também ocultar crimes gravíssimos contra o meio-ambiente.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome