Política dos agrotóxicos coloca em risco vida de brasileiros e acordo com União Europeia; entenda

Coordenadora de Atlas Geográfico sobre agrotóxicos aponta que um terço dos pesticidas liberados por Bolsonaro são proibidos em países europeus e, ainda, que a cada dois dias e meio uma pessoa morre no Brasil intoxicada por esses produtos

Brasil tem atualmente 2.232 agrotóxicos em circulação no mercado | Foto: Eliana Aponte/Agência Brasil

Jornal GGN – Entre 2007 e 2014, cerca de 24 mil pessoas sofreram no Brasil com intoxicação por agrotóxicos. No mesmo período, a cada dois dias e meio, uma pessoa morreu em decorrência da toxicidade desses produtos. Os dados são mencionados pela pesquisadora Larissa Mies Bombardi, professora tanto do Departamento de Geografia, quanto do Programa de Pós Graduação em Geografia Humana, da USP e coordenadora do “Atlas Geográfico do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia”, lançado em 2017.

Em pouco mais de sete meses de governo, Bolsonaro liberou o registro de 290 agrotóxicos para serem comercializados no Brasil.

“Na verdade, essas novas liberações não são novos ingredientes ativos, mas são novos produtos comerciais com ingredientes ativos que já eram autorizados. São novas marcas para antigas substâncias”, explica Larissa em entrevista para Luis Nassif na TV GGN.

Segundo a pesquisadora, em média, um terço dos agrotóxicos utilizados no Brasil são proibidos na União Europa. “Dos dez mais vendidos hoje, três são proibidos lá. E se a gente pega essa leva dos agrotóxicos que foram autorizados recentemente, todos mantêm esse padrão de um terço das substâncias proibidas nos países europeus”, completa.

No Atlas, a professora alerta para o que ela chama de “as três faces do Minotauro”. “As empresas [que comercializam os agrotóxicos no Brasil] têm sede na União Europeia”, destaca. Em outras palavras, um terços dos agrotóxicos aplicados em lavouras brasileiras são produzidos por multinacionais, sediadas em países onde os mesmos produtos químicos são proibidos.

Leia também:  Bolsonaro sanciona: é lei portar armas em toda a propriedade rural

A pesquisadora identifica também um aumento expressivo na política de liberação de novos produtos agrotóxicos pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), logo após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Entre 2008 e 2015, a autorização média era de 136 produtos anualmente. Em 2016, logo após a deposição de Dilma, o então presidente Michel Temer autorizou mais de 200 produtos. Em 2018, foram liberados 450. Temer autorizou ainda a pulverização aérea de agrotóxicos em cidades, algo inédito na história do país.

No governo atual, além da liberação de 290 produtos em pouco mais de um semestre de gestão, a Anvisa aprovou um novo marco regulatório, dia 23 de julho, onde adota o risco de morte como único critério para classificar agrotóxicos.

Uma explicação, segundo Larissa, para a mudança abrupta no padrão dos governos, é a queda da tensão que existia antes entre os Ministérios da Saúde, Meio Ambiente e Agronegócio.

“[Hoje] vemos claramente que as decisões estão sendo pautadas ou vinculadas, de alguma forma, ao Ministério da Agricultura, que é quem está pautando os demais ministérios [da Saúde e Meio Ambiente]. E isso é fundamental que a gente enxergue”, reforça Larissa.

Rebaixamento do padrão que eleva os riscos à saúde

Na avaliação de Larissa Bombardi, a nova regulação da Anvisa rebaixa o padrão de periculosidade das substâncias e deve acarretar em mais casos de intoxicação em brasileiros.

“Antes, na metodologia que era utilizada, que também era problemática, considerava-se nuances de intoxicação aguda”, agora serão considerados “extremamente tóxicos” apenas os produtos que, se forem ingeridos ou aspirados, podem levar a pessoa à morte.

Leia também:  Internações, demissões e tensão constante marcam governo Bolsonaro, por Sidney Rezende

Larissa explica que intoxicação aguda, por exemplo, acontece quando a pessoa toma contato com a substância e sofre efeito imediato na saúde. Enquanto a intoxicação crônica acontece pela exposição à substância ao longo de anos, levando a pessoa a desenvolver algum tipo de doença, como câncer, ou até puberdade precoce e má formação congênita dos filhos.

Um dos produtos mais vendidos no mundo, e no Brasil, causador de intoxicações crônicas, é o glifosato. Larissa lembra que o agrotóxico foi considerado em 2015, pela Agência Internacional de Pesquisas em Câncer (IARC), ligada à Organização Mundial da Saúde, na classificação 2A, ou seja, “especialmente cancerígeno para seres humanos.”

“Se qualquer cidadão acessar o site da Anvisa e procurar a monografia do glifosato vai perceber que ele é tido como pouco tóxico. Portanto, ele é considerado potencialmente cancerígeno pela OMS desde 2015 e na nossa classificação ele é pouco tóxico, porque os efeitos dele não são imediatos”, alerta a pesquisadora.

Riscos com a União Europeia

Larissa Bombardi pondera que a política de liberação de novos agrotóxicos coloca em risco o fechamento de acordos comerciais entre o Mercosul e a União Europeia. Ela se recorda que, durante o lançamento do Atlas, em Berlim, pesquisadoras da Pesticide Action Network (PAN) mostraram que cerca de 80% dos produtos importados do Brasil pela Europa tinham algum resíduo de agrotóxicos. Desse total, 8% tinham resíduos acima do que é permitido na legislação da União Europeia.

Os europeus incluíram no acordo Mercosul-União Europeia uma cláusula chamada de “princípio de precaução” que permite barreiras para produtos considerados suspeitos por uso de agrotóxicos proibidos naqueles países, ou criados em áreas desmatadas ilegalmente.

Para Larissa, esse mecanismo veio em boa hora, acreditando que pode induzir à redução do uso de agrotóxicos em alguns setores produtivos do agronegócio brasileiro. Ela destaca ainda que, se o Brasil quer fazer parcerias mundiais, não pode agir dentro do território com padrões diferentes dos internacionais.

Leia também:  Livros que não esqueço (III), por Izaías Almada

“Se é para termos os mesmos padrões internacionais, como podemos admitir o uso, por exemplo, de acefato e atrazina, que estão entre os dez agrotóxicos mais vendidos no Brasil e que são proibidas na União Européia?”, questiona.

“Se o nosso discurso é o de adaptação aos padrões internacionais, devemos, então, eliminar produtos que não são autorizados lá”, completa.

Por outro lado, a pesquisadora destaca que a Europa não é o principal parceiro comercial do Brasil, mas sim os países Árabes, China e Leste Europeu, que recebem a maior parte das carnes e da soja produzidos aqui.

Os setores brasileiros mais preocupados com o “princípio de precaução” do acordo Mercosul-UE são os de café, suco de laranja e frutas. Estes sim poderão ser obrigados, pelas circunstâncias, a melhorar a qualidade da produção para atender a pauta de exportação à Europa.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Produtos proibidos na União Européia e fabricados pela União Européia? Então eles não aceitam se envenenar, mas aceitam envenenar outros Países, outros Povos? É o cúmulo da hipocrisia. Cabe a Nós Brasileiros, pedirmos Indenizações Bilionárias contra este crime (que eles mesmos atestam), condenações junto à ONU e banimento destas Empresas de Morte Européias de dentro do Nosso País e do Comércio, com Nossa altamente sustentável e ambientalmente ecológica AgroPecuária. Fora com estes Criminosos, Poluidores e Destruidores Europeus !!! Onde estão as Indenizações Bilionárias e Reparações contra os Crimes de Basf, Bayer, Rhodya, Shell em Paulínia e Cubatão / SP?

    • “…Na mesma onda onde se procura “resistir” a uma tão onipotente quanto genérica “extrema-direita”, surgem agora as reivindicações ambientais.. Eduardo Giannettti, então conhecido como “economista da Marina”, se lançava numa cruzada contra o consumo de carne no Brasil. Com a melhoria exponencial da alimentação da população, o tal do “pobre comendo carne”, Giannetti ficava preocupadíssimo com as emissões de CO2 que isso provocava (leia-se: o peido dos bois). Não era, no caso, um representante da “extrema-direita obscurantista”, mas um ultraliberal a toda prova. E como se diferença houvesse entre um e outro….”CONHECEIS A VERDADE. E A VERDADE VOS LIBERTARÁ”. (Rogério Mattos, neste mesmo veículo)

  2. Do Democracy Now!

    The “Outdated Pesticide” Chlorpyrifos Is Linked to a Range of Health Issues. Why Isn’t It Banned? (em tradução livre: “O ultrapassado pesticida cloropirifos é relacionado a cadeia de problemas de saúde. Por que não está banido?”)
    https://www.youtube.com/watch?v=_6azVrN6P6o

    EPA Refuses to Ban Dangerous Pesticide Chlorpyrifos Linked to Brain Damage in Children (em tradução livre: “EPA [agência de proteção ambiental dos USA] se recusa a banir o perigoso pesticida cloropirifos relacionado a dano cerebral em crianças”)
    https://www.youtube.com/watch?v=1kS8SUMm7Bg

    Sampa/SP, 24/07/2019 – 23:08

  3. Não existe ala moderna e democrática nas ffaa.

    Isso foi demonstrado cabalmente com a prisão do Almte Othon

    Os macacos se calaram e não defenderam aquele que se juntar toda a cupula das ffaa não chega no dedo mindinho do Almte.

    Cambada de entreguistas, desonestos, canalhas, golpistas lesa patria.

  4. Todos is comentários questionam o Nassif e descreem nele. Mas Nassif se apoia na esxperiência de não sei quem sobre os militares. Será que não caberia, ao Nassif, esclarecer um pouco mais. Ficou estranho tanta contestação e nenhuma resposta. Que tal?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome