Risco de Guerra: Bolsonarismo pode transformar América Latina em novo Oriente Médio

Tudo o que o Brasil construiu em política externa, e não foi pouco, está sendo destruído por mentecaptos e terraplanistas ideológicos, que cultuam armas, violência, ignorância e Trump

Por Marcelo Zero

Em Outras Palavras

Mike Pompeo no Brasil: submissão e risco de guerra

Os quatro cavaleiros do Apocalipse são a Peste, a Morte, a Fome e a Guerra.

Três já cavalgam há muito com Bolsonaro.

Graças à indiferença e à incompetência de um governo sociopático, a Peste e a Morte fazem a festa entre nós, especialmente entre os mais pobres.

Rumamos céleres para 150 mil mortos, ante um presidente que ri da tragédia e recomenda o falso milagre da cloroquina. Há um Apocalipse Sanitário no Brasil.

E a morte não é só de seres humanos. Em nome do lucro de poucos, são eliminados, com fogo, animais, plantas e ecossistemas inteiros. O Brasil de Bolsonaro é um assassino do clima e da natureza. Temos também um Apocalipse Ambiental.

A Fome, após ter sido eliminada nos governos do PT, também já voltou a fincar raízes no Brasil. Há carestia e desabastecimento de produtos básicos. O governo Bolsonaro extinguiu ou fragilizou as políticas públicas que apoiavam agricultura familiar, a produção para o mercado interno e a estocagem de alimentos.

O PT criou o Fome Zero. Bolsonaro criou o Alimento Zero.

Só falta agora o fim do auxílio emergencial, proposto pelo Congresso, para que o Cavaleiro da Fome, da Pobreza e da Desigualdade gere um Apocalipse Social.

Só estava ausente, portanto, o Cavaleiro da Guerra.

Não mais.

El chegou em 18/9 ao Brasil. Mais especificamente em Roraima. Trata-se de Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA.

Ele vem ao Brasil, e também à Colômbia e à Guiana, para tentar inviabilizar as eleições na Venezuela e investir em um conflito regional de consequências imprevisíveis.

Leia também:  Integrantes da Economia recebem acima do teto do funcionalismo

Essas eleições, das quais participarão todas as forças políticas responsáveis da Venezuela e que contarão com observadores da ONU e da UE, se constituem na única aposta viável e pacífica para resolver o grave conflito interno do nosso vizinho. Só as rejeita o fantoche Guaidó.

Entretanto, os EUA de Trump, secundado pelo seu cão de guarda regional, o Brasil de Bolsonaro e Araújo, preferem apostar na inviabilização da via pacífica e constitucional e na desestabilização, pela força da Guerra, convencional ou híbrida, do regime de Maduro.

Essa aposta irresponsável, que pode transformar a América do Sul em um novo Oriente Médio, contraria frontalmente a nossa Constituição, que consagra princípios básicos como o da solução pacífica das controvérsias e o da não-intervenção, bem como uma bela e longa tradição diplomática de uso do nosso soft power em favor da paz e da integração regional.

Lula era um grande líder da paz, do diálogo, da integração. Bolsonaro é um capacho que serve ao Cavaleiro da Guerra.

A visita de Pompeo, nessas condições, é um tapa na cara da nossa soberania. Mais um entre tantos outros do capitão que bate continência para a bandeira dos EUA.

Assim, temos também, com Bolsonaro e Araújo, um Apocalipse da nossa Soberania. Uma vassalagem vergonhosa, nunca vista na história do país.

Tudo o que o Brasil construiu em política externa, e não foi pouco, está sendo destruído por mentecaptos e terraplanistas ideológicos, que cultuam armas, violência, ignorância e Trump. Não necessariamente nessa ordem. São os milicianos da dependência.

No fundo, trata-se da morte do Brasil independente e soberano.

Leia também:  Pesquisa XP diz que reprovação a Bolsonaro é a menor desde 2019

Neste grande apocalipse bolsonarista, que mata gente, sonhos, direitos, democracia, plantas, animais, clima e tudo mais que vê pela frente, essa morte do Brasil é a que mais dói.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

9 comentários

  1. Sim, é verdade que americano é safado e tenta trazer a guerra para a América do Sul. Contudo, o brasil sabe que o risco da derrota é alta, e quem tem c* tem medo.

    • Não subestime a burrice militar. Em 82 o bebum, o Galtieri achou que daria pra retomar as Malvinas achando que não ia dar em nada, só porque o Reagan apoiava todos os regimes militares que davam conta de matar os tudo que era tido como comunista. As FA argentinas foram derrotadas de forma humilhante e foi essa vergonha que fez cair os militares carniceiros de lá e criar uma vacina dos argentinos contra uma nova a tomada do poder pelos militares.

      • Chamar as ilhas Falkland de Malvinas é apoiar Galtieri. As ilhas são possessão inglesa desde 1765, depois de terem sido espanholas por pouco tempo. O governo de Buenos Aires invocou sua soberania sobre elas, como também sobre o Paraguai, o Uruguai, etc, mas foram repelidos em 1832 e novamente no tempo de Galtieri. Nada lhes dá o direito de posse das ilhas nem da plataforma marinha circundante. O Brasil não deveria apoiar isto nem a extensão absurda da zona oceânica controlada pela Argentina.

  2. Considere o núcleo duro paranoide apenas. E aqueles que viram no atual presidente ostentar achismos e jogos de palavras – acima dos fatos – como atos políticos-.
    A característica da geopolítica norte-americana são a tensão e a instabilidade em nível local, a partir de grupos alinhados com os Estados Unidos.
    Agora, o que realmente chama a atenção é que Trump ignora completamente o Brasil quando dos grandes atos e chama de “grande trabalho” do governo vez por outra, ou vez por quase nunca. Nosso grupo é melhor, vive de fantasia para a constituição de sua autoestima.
    Quer dizer, segue o bolsonarismo como política externa submissa e sem retorno. Deve ser pelo fato de seu “núcleo ideológico” não passar do Rio de Janeiro como mundo conhecido.
    Mas, parafraseando o presidente, quem vai querer essa porcaria? Ah, os Estados Unidos querem. E a China também. O bolsonarismo é o submisso que escolhe quem será seu domme.

  3. Não é de se duvidar. Bolsonaro tem tendências apocalípticas, desde o sobrenome Messias. É inclusive batizado pelo pastor preso, o Everaldo. Os 4 cavaleiros do apocalipse, já se achegaram a ele:
    – Morte (só a covid-19 já caminha para as 140.000 mortes neste ano)
    – Peste (o retrocesso, negacionismo e má gestão da pandemia, já é notória no mundo)
    – Fome (a falta de humanidade e o descaso com a agricultura familiar, aliadas à carestia, estão aumentando a insegurança alimentar no país)
    – Guerra (já pratica contra a verdade, a decência, a ciência e o bom senso – já facilita o armamentismo e a indisposição com países vizinhos).
    Junto com o amor da sua vida, Trump, mostram que o diabo não necessita de sócios. Já tem seus mãos direitas. Os capangas de satanás e implantadores não do paraíso, mas do fogo do inferno na terra.

  4. Ora, ora….cão que ladra não morde…….esse povinho, que queria acabar com o serviço obrigatório por que não tinha comida para todos, que estava com uma mão na frente outra atrás, até Lula lhes reservar um naco do orçamento, que aceita de bom grado refugos de estrangeiros, sabe que não tem condições nenhuma de se aventurar, me digam, qual deles se disse favoravel a essa idiotice? Nenhum…..

  5. Estou esperando isso desde que Lula vestiu um terno e gravata novos, fez as unhas e foi no cabeleireiro para anunciar a descoberta do pre-sal!

    So eu pensei nisso? Voces nao?

  6. Estes otários do norte não atacam a Venezuela porque devem saber de algo que os capachos não sabem.
    Sabemos que a Venezuela tem mísseis que podem facilmente atingir o Brasil.
    Espero que os disparem contra Brasilia em um dia que Bolsonaro e familia, grande parte dos deputados e senadores e a cúpula do judiciário estejam por lá. Ah, o bretas, o delagnol e o moro também.
    A Venezuela pode salvar o Brasil.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome